1509725595914942

15 de jun de 2016

Apologética para quê?

Por Thomas Magnum

A defesa da fé ocupa lugar importante na teologia cristã. Numa leitura ainda que superficial na história do pensamento cristão, rapidamente notaremos o trabalho da apologética, e da polemica, no trabalho teológico de pensadores cristãos como Agostinho, Atanásio, Justino, Tomás de Aquino, Lutero, Calvino e segue-se uma lista infindável de teólogos que empenharam-se na defesa da fé cristã.


A apologética não deve ser escrava do orgulho humano, nem tão pouco ferramenta para um labor pecaminoso, a apologética deve ser uma serva da Palavra de Deus, uma ferramenta para a evangelização e para proteção doutrinária do rebanho de Cristo. É bem verdade que a apologética causa, de certa forma, sedução aos incautos, não por culpa dela mesma, mas por uma má compreensão do que ela é, e de qual é sua finalidade no trabalho teológico.


A defesa da fé é um trabalho de teologia pública, é um derramar teológico para convencimento por meio da Sagrada Escritura e seguidamente por evidências que corroboram o que diz a Palavra a respeito de um pressuposto da fé.


A apologética mal utilizada é uma espada na mão de um bebê. Um coração orgulhoso, iracundo, impiedoso, que não usa o conhecimento teológico para glória inaudita de Deus não sabe para que serve a apologética. Talvez ela até seja instrumentalizada por uma mente brilhante, mas, uma mente brilhante sem uma alma humilhada é um tumor epistemológico.


Com isso, nesse quase aforismo que escrevo, posso finalizar dizendo quatro coisas sobre a atividade apologética:


1. Ela deve ser serva da teologia;

2. A finalidade da teologia é a glória de Deus, não a nossa;

3. A proclamação teológica para glória de Deus produz missões;

4. O debate pelo debate é exibicionismo pecaminoso.


Concluo dizendo que apologética é o que disse o apóstolo:


Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós...
1 Pedro 3.15

Nenhum comentário: