1509725595914942

22 de jun de 2016

Credo In Deun: Nossa Confissão e Doutrina Evangélica

Por Thomas Magnum

Porque com o coração se crê para a justiça
e com a boca se confessa a respeito da salvação.

Apóstolo Paulo. Romanos 10.10

Crer em Deus é pertencer a Ele.

Alister Macgrath

Muito já escreveu sobre o credo apostólico. Sua importância é sem sombra de dúvidas, grandiosa para uma realidade religiosa no Brasil, cada dia mais deísta e inconfecional ou anticonfecional, pragmática e apática no que se refere à doutrina.

De fato, muitos alimentam a ideia de que a doutrina obscurece a vida espiritual, mas, ao contrário deste quase adágio, doutrina é vida, é solidez num mundo líquido. Doutrina é vitalidade para uma era notoriamente letárgica no que se diz a respeito do que é ser cristão. Numa geração em que a confissão da fé é incompreendida e confundida com mistificações assombrosas e teatralizações frias de uma ortodoxia morta.

A ortodoxia não se resume apenas ao correto ensino. Como o rio que regava o Éden (Gênesis 2.10), a doutrina rega a prática cristã (Ortopraxia) e as afeições religiosas (Ortopatia). A doutrina é o resultante sistemático da revelação, da progressividade da atuação divina no drama do mundo criado. Temos então no credo uma consubstancialidade evangélica, uma importância dinâmica no curso do crer e proferir. Do pensar e do falar. Do abraçar e do avançar. O credo tem um caráter evangélico kerigmático, isto é, proclamador, missionário. E oferece para demanda do coração uma resposta para uma religião imersa na fé no Deus-Trindade.

Esse texto não tem por objetivo tratar da historicidade do credo, muito menos, versar sobre as possíveis datas para sua conclusão histórica. A nossa reflexão se dará sobre a confissão, sobre o crer e sobre o resultado do crer; afinal, o crer não é estéril, não é apático ou imóvel. Nossa modesta escrita pretende contribuir para uma teologia evangélica credal, confessional, missional e estar fundamentada numa tríplice estrutura para fé: ortodoxia, ortopraxia e ortopatia.

Credo in Deun

Importante para nós, sob ótica cristocêntrica, o inicio do credo, ou melhor, a primeira palavra do credo:

Esse Credo, no início do Símbolo, significa em primeiro lugar, apenas e tão somente, o ato de reconhecimento – na forma de conhecimentos decisivos alcançados pela revelação de Deus – da realidade de Deus em seu relacionamento com o homem[i].

O Creio derivado da fé na revelação é o resultado da equação credal. A fé resulta no Credo in Deun. Não há credo sem fé. Não há ortodoxia sem graça, sem revelação cristocêntrica, sem redenção histórica do perdido. Não há credo sem morte, não há credo sem ressurreição. Isso deve nos constranger a uma confessionalidade credal intensa e vigorosa: creio! Creio não por mim, creio, por Ele. Creio pela mediação de Cristo, creio pela obra do Espírito. Creio In Deun, essa confissão é trinitária, pactual e missionária. Creio somente por meio do Deus Triúno e no Deus Triúno. O solus Christus só é possível pelo sola gratia. Não detendo o poder da Trindade na economia da salvação, mas, adorando-o na expansão que causa essa obra. Onde o Deus salvador opera em nós, por meio dEle mesmo para nos levar a Ele mesmo, ou seja, Ele é a fonte, o meio e a finalidade da salvação. Por isso, a economia da salvação pertence somente a Ele. Esse fato me faz adorar: Credo In Deun!

O ato do credo é o ato de confissão da fé apostólica

A fé descrita no credo é confessional e emblemática para a doutrina cristã.

1. A Fé como aceitação (Jo 1.12)
2. A Fé como confiança (Hb 11.1)
3. A Fé como compromisso (Cl 1.4)
4. A Fé como obediência (Rm 1.5)

Aqui está uma amostra da fé credal, da confissão que resulta do que crê o coração.

Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos, A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido. (Romanos 10:8-11)


A confissão da fé que o coração esboça é credo. O credo é a divina proclamação da eterna obra trinitária no tempo e no espaço, num povo salvo, que confessa a obra salvífica, que pela providência se consumou na cruz, em Cristo.

Ter Fé não significa apenas ter uma nova ideia. Significa reconhecer em nossa mente quem é Deus, quais são seus atributos e corresponder a ele em nosso coração[ii].

Deus – O Centro da Fé Credal

- A fé credal é uma confissão, um ato proclamador, testemunhador, espiritual e de adoração a Deus. Por isso o Credo inicia-se com “Creio em Deus”.

- Temos então no credo uma fé depositada não no simples documento confessional, mas, no que ele professa e quem ele professa, o Deus Triúno.

- O credo começa dizendo “creio em Deus”, a questão aqui é de extrema importância para o entendimento do credo como documento trinitário.

Diz-nos Franklin Ferreira:

O fato é que o Credo dos Apóstolos começando com “Creio”, exige de nós uma resposta pessoal; o Credo exige de nós uma aderência ao que está sendo ensinado, uma confiança em seu ensino. Mas a recitação do Credo lembra que somos chamados a expor de forma pública a nossa fé. Ao recitar o Credo, o cristão oferece uma confissão de fé pública: “Porque com o coração se crê para a justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação” (Rm 10.10). Então, o Credo lembra que há uma dimensão pública da nossa fé. Nós somos chamados – todos nós, não somente pastores, missionários, teólogos e seminaristas, mas toda a comunidade cristã – a estarmos aptos a expressar na Escritura. Em outras palavras, o que se crê é o que se confessa[iii].

Qual a importância do Credo na comunidade de fé? Quero apontar alguns pontos que tenho pensado a respeito.

1. Confissão doutrinária no Deus Triúno;
2. Parte integrante de uma adoração trinitária;
3. Proclamação do Evangelho aos pecadores.

Sobre essas questões devemos observar que não há confissão sem doutrina, o que há é confusão. A adoração a Deus como Trindade ainda é em muitos círculos evangélicos incompreendida e na prática, muitas vezes o que existe é um monismo ou modalismo na adoração, que se assim o for, resulta em idolatria, se está adorando um Deus diferente do que está revelado nas Escrituras. E por fim, em relação a missões Barth diz algo interessante: “O Credo finalmente mostra a Igreja comprometida com o trabalho missionário, encaminhada em direção ao mundo que não está ainda congregado junto à Igreja, encarando-o com responsabilidade e apelo[iv]. O credo impele a Igreja a ser kerigmática, a ser arauto do rei.

O Credo e o Primeiro Mandamento

Que relação teria o Credo com o primeiro mandamento? Toda, absolutamente. O Credo invoca o verdadeiro Deus, o Deus único, o Deus que se auto-revelou. O Deus que é redentor. Vejamos os primeiros versículos do decálogo: Então falou Deus todas estas palavras, dizendo: Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim (Êxodo 20:1-3). Que ligação credal temos aqui? Deus! Credo In Deun! Sou o Senhor teu Deus! Qual é a reivindicação dessa fala divina? Creia! E não é somente essa a analogia teológica da fé credal expressa do Credo Apostólico. Vejamos que o prefácio do decálogo e o primeiro mandamento nos dizem muita coisa. Te tirei da terra do Egito, é expresso no prefácio dos mandamentos a redenção que Deus concedeu a seu povo escolhido. O que expressa o Credo na segunda parte, sobre o Deus redentor?

Em Jesus Cristo, ao único Filho, nosso Senhor, que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu à mansão dos mortos; ressuscitou ao terceiro dia; subiu aos céus; está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos[v].

O que temos no Credo aqui? Redenção. O requer ainda o mandamento? Não terás outros deuses diante de mim. O que nos diz o Credo? Credo In Deun? Que Deus? Aquele que se revelou nas Escrituras.

O Credo e o segundo mandamento

“Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.
Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos” (Êxodo 20:4-6)

Observemos que o Credo professa, confessa e testemunha do Deus Triúno, que se revelou na história da redenção, descrita na Bíblia. Não terás outros deuses implica em algumas questões importantes apontadas pelo catecismo maior de Westminster, nosso dever e nosso pecado diante do mandamento. Devemos repudiar a idolatria em todas as espécies. Por que motivo? Porque Creio em Deus – Pai, Filho e Espírito Santo.

Conclusão

A confissão credal, é monoteísta, trinitária e pactual. A fé em Deus resulta em confissão. Com o coração se crê e com a boca se confessa para a salvação. A confissão é para a salvação e decorrente da salvação – Fala o que convém a sã doutrina (Tt 2.1). Não há credo verdadeiro, sem doutrina sã. “Creio” é resultado da fé que obedece, que aceita o corpus da revelação, que confessa o Senhorio do Deus eterno Triúno. Credo In Deun é condição sine qua non para o ethos e a práxis cristã.

Credo In Deun! Amém.



[i]  Barth, Karl. Credo, comentários ao credo dos Apóstolos. São Paulo. 2003, ed. Novo Século, p.20.

[ii]  Macgrath, Alister. Creio – Um estudo sobre as verdades essenciais da fé cristã no Credo Apostólico. São Paulo. 2013, ed. Vida Nova, p. 25.

[iii]  Ferreira, Franklin. O Credo dos Apóstolos. Doutrinas Fundamentais da Fé Cristã. São José dos Campos, SP. 2015, ed. Fiel.

[iv] Barth, Karl. Credo, comentários ao credo dos Apóstolos. São Paulo. 2003, ed. Novo Século, p. 24,25.

[v] Extraído do livro: O Credo dos Apóstolos. Doutrinas Fundamentais da Fé Cristã. Franklin Ferreira, p.22.

Nenhum comentário: