1509725595914942

30 de nov de 2014

Aliança da Lei

Por Thiago Oliveira

“E eu vos tomarei por meu povo, e serei vosso Deus; e sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus.”

Êxodo 6:7

O conceito de Aliança da Lei parece impróprio. As leis são sempre entendidas como instrumento para coagir, enquanto que uma aliança é um relacionamento. Sendo assim, Deus quer se relacionar com os seus através da coerção? Para responder a esta pergunta, é preciso entender o propósito da Lei.

A Lei faz parte do plano divino da redenção e está atrelado aos outros pactos. Os hebreus receberam a lei no Sinai quando foram libertos da servidão no Egito, portanto, o recebimento da Lei está atrelado a sua libertação. Lemos em Ex 2.23-25 que Deus ouviu os gemidos dos filhos de Israel e lembrou-se da aliança que fez com Abraão, com Isaque e com Jacó. Portanto, não podemos tratar, como sugerem alguns, a Aliança da Lei como se estivesse à parte da Aliança da Promessa. A Lei é consequência da promessa da benção feita ao patriarca israelita de que através de sua semente, seriam benditas todas as famílias da terra (Gn 12.3).

REVELAÇÃO ESPECIAL

Quando Deus faz uma aliança no Sinai com os descendentes de Abraão e a eles se revela através de preceitos que foram por Ele criados e estabelecidos, esta revelação deve ser considerada especial, pois até então, não havia ficado tão claro quem era o SENHOR e qual o comportamento Ele esperava do povo que estava formando para si.

No Sinai, o povo observou raios e trovões, terremoto, fogo e fumaça. Era o próprio Deus no topo daquele monte entregando a Lei a Moisés. Os preceitos que continham os Dez Mandamentos e leis específicas foram dados por Deus, e por Ele impostos ao povo. A resposta que os hebreus dão é a seguinte: “Tudo que falou o Senhor, faremos” (Ex 24.3). O caráter de aliança fica claro após o ritual feito pelo povo, sob a mediação de Moisés:

Moisés escreveu todas as palavras do Senhor, e levantou-se pela manhã de madrugada, e edificou um altar ao pé do monte, e doze monumentos, segundo as doze tribos de Israel; E enviou alguns jovens dos filhos de Israel, os quais ofereceram holocaustos e sacrificaram ao Senhor sacrifícios pacíficos de bezerros. E Moisés tomou a metade do sangue, e a pôs em bacias; e a outra metade do sangue espargiu sobre o altar. E tomou o livro da aliança e o leu aos ouvidos do povo, e eles disseram: Tudo o que o Senhor tem falado faremos, e obedeceremos. Então tomou Moisés aquele sangue, e espargiu-o sobre o povo, e disse: Eis aqui o sangue da aliança que o Senhor tem feito convosco sobre todas estas palavras”. Êxodo 24:4-8.

A LEI É BOA

Devemos ter em mente que a Lei deve ser celebrada como algo bom que 1) permitiu que aquele povo se torna-se uma nação, 2) permitiu que o conhecimento sobre Deus fosse o mais claro possível e, por, último, 3) permitiu o autoconhecimento.

Alguns eruditos defendem o ponto de vista de que esta aliança difere da abrâmica por ter a obediência como condição. Todavia, a obediência fora requerida por Deus muito antes. O próprio Abraão devia ser obediente, ele e sua descendência, ou seja, os hebreus (Gn 17.9).

Mas podemos enxergar graça na Lei, sim, pois mesmo sob a condição de obediência, Deus estabeleceu um sistema de remissão de pecados através do sacerdócio e dos sacrifícios. Ali no tabernáculo, o Sumo-Sacerdote entrava uma vez por ano no lugar Santíssimo e através do sacrifício de um cordeiro sem mácula, realizava o ritual expiatório, para que a nação de Israel fosse perdoada. O que quer dizer este sistema?

APONTANDO PARA CRISTO

Os sacrifícios, as festas, o santuário e tudo mais que preceituava o código mosaico apontava diretamente para aquele que fora prometido em Gênesis 3.15. Tudo na lei tinha um apontamento messiânico. Na teologia usa-se o termo “arquétipo”, ou seja, um modelo. Quem melhor irá trabalhar este conceito é o escritor da Epístola aos Hebreus. O conteúdo desta carta é mostrar a superioridade de Cristo, mediador de uma nova aliança, sob a aliança sinática (feita no Sinai).

O apóstolo Paulo, em Gálatas 3.24-25 nos fala que a Lei foi a tutora que nos conduziu até Cristo. A Lei é incapaz de nos salvar, pois sempre tropeçamos nela devido a nossa natureza pecaminosa. Mas ela não foi empecilho para o Salvador, que a cumpriu por inteiro, e por nós. Concernentemente, foi a Sua retidão, e não a nossa, que nos tornou santos e nos deu acesso direto ao pai, coisa que nada e nem ninguém seria capaz de fazer. Isso deve nos fazer entender de uma vez por todas que até na Lei a graça de Deus é manifesta.

APLICAÇÕES

Podemos aplicar este estudo da seguinte maneira:

- Olhe para si mesmo: A Lei, como sendo uma revelação vinda diretamente do próprio Deus, indica que o que está nela é o padrão que o SENHOR requer para o seu povo. Todavia, devido ao nosso pecado, estamos muito longe de cumprir o que nela está prescrito. Devemos então observar o retrato de nossa miséria e recorrer ao único que pode nos salvar. Aqueles que tentam se achegar a Deus pelo caminho da moralidade, esforçam-se em vão, pois a Lei é uma unidade e quem quebra uma parte dela, quebrou-a em sua totalidade (Tg 2.10).

- Apele para a cruz: Se nós falhamos em cumprir o que Deus ordena, sabemos que houve um que lhe foi obediente até a morte, e morte de cruz. Devemos confiar a nossa vida a Jesus Cristo. Por meio d’Ele teremos a vitória sobre o pecado e não mais andaremos sob o julgo da lei. Atentemos que não está debaixo do julgo da lei não significa que devemos violar seus preceitos morais, como roubar, matar, cobiçar, etc.

- Reflita a imagem de Deus: Uma outra faceta da Lei foi revelar a nós o caráter divino. Pela lei sabemos que Deus é santo e que não há como servi-lo se não for pelo caminho da santidade. Devemos saber que Cristo não apenas morreu por nós, como vive em nós. Assim sendo, podemos sempre rogar para que Cristo nos transforme e nos amolde e que culminará quando estivermos na Glória. Precisamos compreender que não estamos sozinhos e nem na nossa própria força. É o próprio Deus quem nos santifica (1Ts 5.23).

Louvado seja Deus!

29 de nov de 2014

O Prazer do Bem-Aventurado

Por Fred Lins 


Tenho refletido detidamente e me debruçado sobre o Salmo 1. Claro que não apenas o ele, mas todo o livro de Salmos e o seu uso no culto judaico. Desta feita, quero me dedicar e dividir com cada um dos leitores as profundas lições obtidas deste texto. Não espere nada novo, nada que talvez nunca tenha percebido, nada que te chame atenção a ponto de saltar os olhos da nossa Teologia, no entanto a perspectiva pela qual se olha este texto e a lente obtusa da nossa própria existência nos faça ofuscar as verdades Espirituais contidas neste maravilhoso e profundo texto. 

O Salmo 1 ao contrário do que muitos dizem não foi composto por Davi e nem há traços semânticos, nem presença textual que confirme tal autoria. Mas Talvez atribuímos ao mesmo, por apresentar características presentes nesse admirável personagem Bíblico. Há no “varão bem-aventurado” um alto nível de piedade, de satisfação, de dedicação, de firmeza, como há algum tempo não vejo no nosso atual contexto eclesial. Outra característica presente no livro de Salmos - e está presente no texto em apreço - é a presença de paralelismos, sejam eles: antitéticos, sinonímicos, emblemáticos... Por certo é algo que torna peculiar e de singular sentido neste maravilhoso livro.

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.
(Sl 1.1)

O caminho do varão infeliz (contrário de bem-aventurado) é trilhado por uma progressão de escolhas que inicia-se a partir do conselho. Obviamente, não é qualquer conselho, mas o conselho do impiedoso, do incircunciso, daqueles que nada tem haver com Deus. O conselheiro leva tal infeliz a imitar (termo usado pela versão NVI, substituindo detém) uma conduta e como já disse, progressivamente, o leva a compactuar com as ideias agora compartilhadas. Quem nunca vivenciou tal realidade, nunca percebeu irmãos na caminhada sendo seduzidos por conselhos e por práticas pecaminosas que nos levam de maneira progressiva a conviver com o pecado. Outra faceta desse mau conselho é reconhecer que apesar de estarmos dentro de uma comunidade cristã, somos por vezes surpreendidos com “crentes” que possuem um conselho impiedoso. Senhor, ajude-nos a enxergar em Ti e naqueles que te servem o conselho que necessitamos.

Ao contrário, sua satisfação está na lei do Senhor, e nessa lei medita dia e noite.
(Sl 1.2)

Não há como negar que a progressão da prática pecaminosa desenvolve uma certa sensação de prazer (falsa). Não é a toa que o versículo 2 inicia exatamente com esta expressão: “sua satisfação” (seu prazer), justamente indicando que o prazer do bem-aventurado está no Senhor, nas Sua Palavra e na meditação diária da mesma. Alguns comentários afirmam que uso da expressão “meditação de dia e noite” possivelmente revela uma prática comum entre os judeus, o uso dos filactérios (tefilins). Os filactérios eram pequenas caixas que possuíam correias na sua extremidade e poderiam ser atadas na mão esquerda ou na testa. Nestas pequenas caixinhas haviam um conjunto de quatro textos que enfatizavam o cuidado na preservação da Lei do Senhor e de seus decretos (Ex. 13.1-10, Ex 13.11-16, Dt 6.4-9, Dt 11.13-21). Este cuidado deu origem a Shemá: no qual se diz שמע ישראל י-ה-ו-ה אלוהינו י-ה-ו-ה אחד (Shemá Yisrael Ado-nai Elohêinu Ado-nai Echad - Escuta ó Israel, Ado-nai nosso Deus é Um (Dt 6.4-9). O cuidado na manutenção da Lei do Senhor no coração e na mente dos judeus era o zelo do próprio Deus com o Seu povo. Que hoje também tenhamos jovens, homens e mulheres zelosos pela palavra de Deus e com ávido desejo de meditação diária.

Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará.

Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha. 
(Sl 1.3-4)

Esses dois textos estão relacionados entre si. Obviamente que uma árvore plantada em um terreno regado por águas dará certamente seu fruto e as suas folhagens são conservadas (não murcham). Enquanto que os ímpios são como grãos soltos e sem sustento e fundamento. De um lado encontramos firmeza, força e certeza do futuro. Do outro encontramos incerteza, fraqueza e inexistência de futuro. Que a Graça de Deus nos ofereça segurança, certeza, firmeza, profundidade e certeza na Esperança futura.

Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos. Porque o Senhor conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá.
(Sl 1.5-6)

Estes dois versículos tanto podem ter o significado de merecimento e recompensa tanto para o justo (bem-aventurado) quanto para o ímpio, como uma dimensão escatológica. Seremos por Deus julgados e por Deus absolvidos ou condenados. Por fim, o justo vive sobre uma condição de prosperidade (plenitude e completude em Deus). De fato somente em Deus é possível ter certeza de toda a recompensa que os justos, segundo Ele, podem receber. Que esta certeza esteja presente em nosso coração e nos encha a mente de toda a sua justiça.

Ler, Explicar e Aplicar o Texto Bíblico



David Brainerd: Um Coração Quebrantado

Por Jonathan Edwards



Em algum tempo, no começo do inverno de 1738, agradou a Deus, em um sábado pela manhã, quando eu partia para cumprir meus deveres secretos, dar-me, de repente, um tal senso de meu perigo e da sua ira que fiquei admirado, e logo desapareceram minhas confortáveis disposições anteriores. Diante da visão que tive de meu pecado e vileza, fiquei muito aflito durante todo aquele dia, temendo que a vingança de Deus em breve me alcançaria. Senti-me muito abatido, mantendo-me solitário; cheguei a invejar a felicidade das aves e dos quadrúpedes, pois não estavam sujeitos àquela miséria eterna, como evidentemente eu via que estava sujeito. E assim ia vivendo dia a dia, freqüentemente em grande aflição. As vezes parecia que montanhas obstruíam minhas esperanças de misericórdia e a obra de conversão parecia tão grande que pensei que nunca seria o objeto dela. No entanto, costumava orar, clamar a Deus e realizar outros deveres com grande ardor; assim esperava, por alguns meios, melhorar a minha situação.

Por centenas de vezes renunciei a todas as pretensões de qualquer valor em meus deveres, ao mesmo tempo em que os realizava; e com freqüência confessei a Deus que eu nada merecia pelos melhores deles, a não ser a condenação eterna; ainda assim tinha uma esperança secreta de recomendar-me a Deus mediante os meus deveres religiosos. Quando orava emotivamente e meu coração, em alguma medida, parecia enternecer-se, esperava que, por causa disso, Deus teria piedade de mim. Nessas ocasiões, havia alguma aparência de bondade em minhas orações, e eu parecia estar lamentando pelo pecado. Em alguma medida aventurava-me na misericórdia de Deus em Cristo, como eu pensava, ainda que o pensamento preponderante, o alicerce de minha esperança, era alguma imaginação de bondade em meu enternecimento de coração, no calor de meus afetos e na extraordinária dilatação de minhas orações.

Havia momentos em que a porta me parecia tão estreita que eu via como impossível entrar; mas noutras ocasiões lisonjeava-me, dizendo que não era assim tão difícil, e esperava que, por meio da diligência e da vigilância, acabaria conseguindo. Algumas vezes, depois de muito tempo em devoções e em forte emoção, achava que tinha dado um bom passo na direção do céu e imaginava que Deus fora afetado assim como eu, e ouviria tais sinceros clamores, como eu os chamava. E assim, por várias vezes, quando me retirava para oração secreta, em grande aflição, eu voltava confortado; e desta forma procurava curar a mim mesmo com meus deveres.

Certa ocasião, em fevereiro de 1739, separei um dia para jejum e oração secretos, e passei aquele dia em clamores quase incessantes a Deus, pedindo misericórdia, para que Ele me abrisse os olhos para a malignidade do pecado e para o caminho da vida, por meio de Jesus Cristo. Naquele dia, Deus agradou-se em fazer para mim notáveis descobertas em meu coração. No entanto, continuei confiando na prática dos meus deveres, embora não tivessem nenhuma virtude em si, não havendo neles qualquer relação com a glória de Deus, nem tal princípio em meu coração. Contudo, aprouve a Deus, naquele dia, fazer de meus esforços um meio para mostrar-me, em alguma medida, minha debilidade.

Algumas vezes eu era grandemente encorajado e imaginava que Deus me amava e se agradava de mim, e pensava que em breve estaria completamente reconciliado com Deus. Mas tudo isto estava fundamentado em mera presunção, surgindo da ampliação nos meus deveres, ou do calor das afeições, ou de alguma boa resolução, ou coisas similares. E quando, às vezes, grande aflição começava a surgir baseada na visão da minha vileza e incapacidade de livrar a mim mesmo de um Deus soberano, então costumava adiar a descoberta como algo que não podia suportar. Lembro-me que, certa vez, fui tomado por uma terrível dor de aflição de alma; a idéia de renunciar a mim mesmo, permanecendo nu diante de Deus, despido de toda bondade, foi tão temível para mim que estive pronto a dizer, como Félix disse a Paulo: "Por agora podes retirar-te" (Atos 24.25).

Assim, embora diariamente anelasse por uma maior convicção de pecado, supondo que tinha de perceber mais do meu temível estado para que pudesse remediá-lo, quando as descobertas do meu ímpio coração foram feitas, a visão era tão aterradora, e mostrava-me tão cristalinamente minha exposição à condenação, que não podia suportá-la. Eu constantemente esforçava-me por obter quaisquer qualificações que imaginava que outros obtiveram antes de receberem a Cristo, a fim de recomendar-me ao seu favor. De outras vezes, sentia o poder de um coração empedernido e supunha que o mesmo tinha de ser amolecido antes que Cristo me aceitasse; e quando sentia quaisquer enternecimentos de coração, então esperava que daquela vez a obra estivesse quase feita. E, portanto, quando a minha aflição permanecia, eu costumava murmurar contra a maneira como Deus lidava comigo, e pensava que quando outros sentiam seus corações favoravelmente amolecidos, Deus mostrava-lhes sua misericórdia para com eles; mas a minha aflição ainda permanecia.

Às vezes ficava desleixado e preguiçoso, sem quaisquer grandes convicções de pecado, e isso por considerável período de tempo; mas depois de tal período, algumas vezes as convicções me assediavam mais violentamente. Lembro-me de certa noite em particular, quando caminhava solitariamente, que delineou-se diante de mim uma tal visão de meu pecado, que temi que o solo se abrisse debaixo de meus pés e se tornasse a minha sepultura, mandando minha alma rapidamente ao inferno, antes que eu pudesse chegar em casa. Forçado a recolher-me ao leito para que outras pessoas não viessem a descobrir minha aflição de alma, o que eu muito temia, não ousei dormir, pois pensava que seria uma grande maravilha se eu não amanhecesse no inferno. Embora minha aflição às vezes fosse tão grande, todavia eu temia muito a perda de convicções, e de retroceder a um estado de segurança carnal e à minha anterior insensibilidade da ira iminente. Isto fazia-me extramente rigoroso em meu comportamento, temendo entravar a atuação do Santo Espírito de Deus.

Quando, a qualquer momento, eu examinava minhas próprias convicções, julgando-as consideravelmente fortes, acostumei-me a confiar nelas. Mas essa confiança, bem como a esperança de em breve fazer alguns avanços notáveis na direção do meu livramento, tranquilizava minha mente e logo tornava-me insensível e remisso. Mas de novo, quando notava que as minhas convicções estavam fenecendo, julgando que estavam prestes a abandonar-me, imediatamente me alarmava e afligia. Algumas vezes esperava dar uma larga passada, avançando muito na direção da conversão, por meio de alguma oportunidade ou meio particular que tinha em vista.

Os muitos desapontamentos, as grandes aflições e perplexidades que experimentei deixavam-me em uma horrenda disposição de conflito com o Todo-Poderoso; e com veemência e hostilidade interiores achava falhas em suas maneiras de tratar com a humanidade. Meu coração iníquo por muitas vezes desejava algum outro caminho de salvação que não fosse por Jesus Cristo. Tal como um mar tempestuoso, com meus pensamentos confusos, eu costumava planejar maneiras de escapar da ira de Deus por alguns outros meios. Eu traçava projetos estranhos, repletos de ateísmo, planejando desapontar os desígnios e decretos divinos a meu respeito ou de escapar de sua atenção e ocultar-me dEle.

Mas ao refletir vi que estes projetos eram vãos e não me serviriam, e que eu nada poderia criar para meu próprio alívio; isso jogava minha mente na mais horrenda atitude, desejando que Deus não existisse, ou desejando que houvesse algum outro deus que pudesse controlá-Lo. Tais pensamentos e desejos eram as inclinações secretas do meu coração, por muitas vezes atuando antes que pudesse dar-me conta delas. Infelizmente, porém, elas eram minhas, embora ficasse aterrorizado quando meditava a respeito delas. E quando refletia, afligia-me pensar que meu coração estivesse tão cheio de inimizade contra Deus; e estremecia, temendo que sua vingança subitamente caísse sobre mim.

Antes costumava imaginar que meu coração não era tão mau quanto as Escrituras e alguns outros livros o descreviam. Algumas vezes, esforçava-me dolorosamente para moldar uma boa disposição, uma disposição humilde e submissa; e esperava houvesse alguma bondade em mim. Mas, de súbito, a idéia da rigidez da lei ou da soberania de Deus irritava tanto a corrupção do meu coração, o qual eu tanto vigiara e esperava ter trazido à uma boa disposição, que tal corrupção rompia todas as algemas, e explodia por todos os lados, como dilúvios de águas quando desmoronam uma represa.

Sensível à necessidade de profunda humilhação a fim de ter uma aproximação salvadora, empenhava-me por produzir em meu próprio coração as convicções exigidas por tal humilhação, como, por exemplo, a convicção de que Deus seria justo se me rejeitasse para sempre, e que se Ele concedesse misericórdia a mim, seria pura graça, embora primeiro eu tivesse de estar aflito por muitos anos e muito atarefado em meu dever, e que Deus de modo algum estava obrigado a ter piedade de mim, por todas as minhas obras, clamores e lágrimas passadas.

Eu me esforçava ao máximo para trazer-me a uma firme crença nessas coisas e a um assentimento delas de todo o coração. E esperava que agora eu estaria livre de mim mesmo, verdadeiramente humilhado, e prostrado diante da soberania divina. Estava inclinado a dizer a Deus, em minhas orações, que agora tinha exatamente essas disposições de alma que Ele requeria, com base nas quais Ele mostrara misericórdia para com outros, e alicerçado nisto implorar e pleitear misericórdia para mim. Porém, quando não achava alívio e continuava oprimido pelo pecado e pelos temores da ira, minha alma entrava em tumulto, e meu coração rebelava-se contra Deus, como se Ele estivesse me tratando duramente.

Mas então minha consciência insurgia-se, fazendo-me lembrar de minha última confissão a Deus de que Ele era justo ao me condenar. E isso, dando-me uma boa visão da maldade de meu coração, jogava-me novamente em aflição; desejava ter vigiado mais de perto meu coração, impedindo-o de rebelar-se contra a maneira como Deus estava me tratando. E até mesmo chegava a desejar não ter pedido misericórdia com base em minha humilhação, porque, desse modo, perdera toda a minha aparente bondade. Assim, por muitas vezes inutilmente imaginava que estava humilhado e preparado para a misericórdia salvadora.

28 de nov de 2014

O que é Inferno?


Os Crentes Devem Sentir-se Culpados o Tempo Todo?

Por Kevin DeYoung

Imagino que existem inúmeros crentes que raramente sentem o aguilhão da consciência ou as tristezas do arrependimento. Mas também conheço muitos, muitos crentes (incluindo eu mesmo) que facilmente se sentem infelizes por coisas que não fazem ou fazem-nas menos do que perfeitamente. De fato, estou convencido de que a maioria dos cristãos sérios vivem quase constantemente com um baixo senso de culpa.

Como nos sentimos culpados? Deixe enumerar algumas maneiras.

Poderíamos orar mais.
Não somos bastante ousados em evangelizar.
Gostamos demais de esportes.
Assistimos freqüentemente a filmes e à televisão.
Nosso tempo devocional é curto e esporádico.
Não contribuímos de modo suficiente.
Compramos um novo móvel.
Não lemos muito para nossos filhos.
Nosso filhos comem Cheetos e batatas fritas.
Reciclamos pouco.
Precisamos perder alguns quilos.
Poderíamos usar melhor nosso tempo.
Poderíamos viver em um lugar mais difícil ou em uma casa menor.

O que fazemos por trás de todos esses cenários de culpa? Não sentimos aquele tipo de remorso paralisante por causa dessas coisas. Mas essas imperfeições podem ter um efeito cumulativo pelo qual até o crente maduro pode sentir-se como alguém que está desapontado a Deus e, talvez, um mero cristão.

Eis a parte delicada: às vezes devemos nos sentir culpados, porque às vezes somos culpados de pecado. Além disso, a complacência na vida cristã é um perigo real, especialmente na América.

Mas, apesar disso, não creio que Deus nos redimiu pelo sangue de seu Filho para que nos sintamos como fracassos permanentes. Depois do Pentecostes, Pedro e João pareciam torturados por temor introspectivo e repugnante de si mesmos? Paulo se mostrou constantemente preocupado com o fato de que poderia fazer mais? Admiravelmente, Paulo disse em certo momento: “De nada me argúi a consciência” (1 Co 4.4). E acrescentou logo: “Nem por isso me dou por justificado, pois quem me julga é o Senhor”. Parece que Paulo dormia toda noite com uma consciência limpa. Então, por que tantos crentes se sentem culpados o tempo todo?

1. Não recebemos completamente as boas-novas do evangelho. Esquecemos que fomos vivificados com Cristo. Fomos ressuscitados com ele. Fomos salvos somente pela fé. E isso é um dom de Deus, e não um resultado de obras (Ef 2.4-8). Podemos ficar com tanto medo do antinomianismo – um perigo legítimo –, que receamos falar profusamente sobre a graça de Deus. Mas, se nunca fomos acusados de ser antinomianos, talvez o evangelho não nos foi apresentado em toda a sua glória extraordinária (Rm 6.1).

2. Os cristãos tendem a motivar os outros por culpa e não por graça. Em vez de instarmos nossos irmãos a serem o que realmente são em Cristo, nós os ordenamos a fazerem mais para Cristo (quanto à motivação correta, ver Rm 6.5-14). Por isso, vemos a semelhança com Cristo como algo em que estamos realmente fracassando, quando deveríamos vê-la como algo que já possuímos e no qual precisamos crescer.

3. A maior parte de nosso baixo nível de culpa se enquadra na ambígua categoria de “não fiz o suficiente”. Examine a lista que apresentamos. Nenhum dos itens é necessariamente pecaminoso. Dizem respeito a possíveis infrações, percepções e maneiras como gostaríamos de fazer mais. Essas são as áreas mais difíceis de lidarmos porque, por exemplo, nenhum crente jamais confessará que tem orado de modo suficiente. Assim, é sempre fácil nos sentirmos horríveis quanto à oração (ou à evangelização, ou a contribuir, ou a qualquer outra disciplina cristã). Precisamos ter cuidado para não insistirmos em algum padrão de prática quando a Bíblia insiste apenas em um princípio geral.

Quero dar um exemplo. Todo crente tem de contribuir generosamente, para as necessidades dos santos (2 Co 9.6-11; Rm 12.13). Podemos insistir nisso com absoluta certeza. Mas, como é essa generosidade, quanto devemos dar, quanto devemos reter – essas coisas não estão delimitadas por alguma fórmula, nem podem ser exigidas por compulsão (2 Co 9.7). Portanto, se queremos que as pessoas sejam mais generosas, faremos bem se seguirmos o exemplo de Paulo em 2 Coríntios e enfatizarmos as bênçãos da generosidade e a sua motivação alicerçada no evangelho, em vez de envergonharmos os outros que não contribuem muito.

4. Quando somos verdadeiramente culpados de pecado, é imperativo que nos arrependamos e recebamos misericórdia de Deus. Paulo tinha uma consciência limpa não porque nunca pecava, e sim porque, eu imagino, buscava imediatamente o Senhor, quando sabia que havia errado, e descansava no “nenhuma condenação” do evangelho (Rm 8.1). Se confessarmos os nossos pecados, disse João, Deus é fiel e justo para nos perdoar e nos purificar de toda injustiça (1 Jo 1.9). Deus não nos salvou para nos sentirmos miseráveis o tempo todo. Ele nos salvou para que vivamos na alegria de nossa salvação. Portanto, quando pecamos – e todos pecamos (1 Rs 8.46; 1 Jo 1.8) –,confessamos o pecado, somos purificados e prosseguimos.

Isso enfatiza um dos grandes perigos da culpa constante: aprendemos a ignorar nossa consciência. Se pecamos verdadeiramente, precisamos arrepender-nos e rogar ao Senhor que nos ajude a mudar. Mas, se não estamos pecando, se não somos tão maduros como deveríamos ser, nem tão disciplinados como outros crentes, nem estamos fazendo escolhas diferentes que talvez sejam aceitáveis, mas não extraordinárias, não nos devemos sentir culpados. Devemos nos sentir desafiados, estimulados, inspirados, mas não culpados.

Como pastor, isso significa que não espero que todos em minha igreja sintam-se apavorados a respeito de tudo que prego. Afinal de contas, é justo que todos obedeçamos aos mandamentos de Deus. Não perfeitamente, não sem alguns motivos incertos, nem tão plenamente como deveríamos, mas com fidelidade e obediência que agrada a Deus. A pregação fiel não exige que os cristãos sinceros sintam-se miseráveis o tempo todo. De fato, a melhor pregação deve fazer que os cristãos sinceros vejam mais de Cristo e experimentem mais de sua graça.
____________

Deus Exige Fidelidade à Sua Palavra

Por Luciana Barbosa

“Agora, ó sacerdotes, este mandamento e para vós. Se não ouvirdes, e se não propuserdes no vosso coração dar honra ao meu nome, diz o Senhor dos exércitos, enviarei a maldição contra vós, e amaldiçoarei as vossas bênçãos; e já as tenho amaldiçoado, porque não aplicais a isso o vosso coração. Eis que vos reprovarei a posteridade, e espalharei sobre os vossos rostos o esterco, sim, o esterco dos vossos sacrifícios; e juntamente com este sereis levados para fora. Então sabereis que eu vos enviei este mandamento, para que o meu pacto fosse com Levi, diz o Senhor dos exércitos. Meu pacto com ele foi de vida e de paz; e eu lhas dei para que me temesse; e ele me temeu, e assombrou-se por causa do meu nome. A lei da verdade esteve na sua boca, e a impiedade não se achou nos seus lábios; ele andou comigo em paz e em retidão, e da iniquidade apartou a muitos. Pois os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, e da sua boca devem os homens procurar a instrução, porque ele é o mensageiro do Senhor dos exércitos. Mas vós vos desviastes do caminho; a muitos fizestes tropeçar na lei; corrompestes o pacto de Levi, diz o Senhor dos exércitos. Por isso também eu vos fiz desprezíveis, e indignos diante de todo o povo, visto que não guardastes os meus caminhos, mas fizestes acepção de pessoas na lei.” Malaquias 2:1-9

Introdução

No livro de Malaquias aprendemos sobre o culto a Deus e seu relacionamento com seu povo, em um momento de crise espiritual na vida do povo de Israel. E é com o profeta Malaquias que nós aprendemos o amor e o zelo de Deus por seu povo eleito e pelo culto que Ele estabeleceu para sua própria glória. O Teólogo Van Groningem nos diz que o principal tema do livro de Malaquias é o Amor Pactual de Yahweh por seu povo, isto é, o povo da aliança.

No capitulo 1 nós vemos um primeiro diálogo entre Yahweh e seu povo, onde o Senhor diz: "Eu sempre os amei", diz o Senhor. "Mas vocês perguntam: ‘De que maneira nos amaste? ’ "Não era Esaú irmão de Jacó? " declara o Senhor. "Todavia eu amei Jacó, mas rejeitei Esaú.Ml. 1:2,3

O Senhor declara seu amor a seu povo e este mesmo povo cinicamente pergunta: “Em que nos tens amado?” E o Senhor claramente mostra seu amor na sua soberana eleição. Já no capitulo 2, versículos de 1 à 9, vamos observar um segundo diálogo, agora sua fala é para os sacerdotes que estavam profanando o culto ao Senhor. Diante de tudo isso que fora dito acima, entraremos no capitulo 2:1-9, que dividirei em três tópicos:

Contexto

A fala de Yahweh nesse segundo momento é para os sacerdotes, pois, estes estavam profanando o culto do Senhor, isto é, cumprindo suas tarefas de modo relaxado. Os sacerdotes tinham pelo menos três tarefas ou ofícios, que eram:

1) oferecer o sacrifício do povo de acordo com a lei de Moisés que dizia que os sacerdotes deveriam separar os animais puros dos impuros e oferecer no altar apenas as entranhas.

2) guardar o templo e zelar por ele.

3) instruir o povo na Lei de Deus e liderá-lo no louvor a ele.

E isso não estava sendo cumprido pelos sacerdotes, e uma coisa é verdade, quando os sacerdotes eram infiéis, o culto a Deus se corrompia e o povo se desviava dos caminhos de Deus.

I. Deus chama os sacerdotes ao arrependimento (v. 1-3)

Os sacerdotes cumpriam muito dos rituais exigidos na lei, entretanto, o propósito não era a honra nem a glória de Deus e, por isso, Deus iria enviar sobre eles a maldição (Dt.28.20). E no versículo 3 vemos a intensidade do que seria o castigo que haveria de vir ao usar a expressão: “atirei excremento ao vosso rosto”, ou melhor dizendo “esfregarei esterco na sua cara”.

Ah! Irmãos como Deus zela pela Seu culto e palavra.

II. Deus relembra a aliança que tinha firmado com Levi e os sacerdotes (v.4-7)

Deus faz questão de lembrá-los da Sua aliança feita com Levi, onde a alusão aqui é o concerto feito com Finéias (Nm.25.10-13). Os levitas vinham da linhagem de Arão e por serem sacerdotes sabiam que a violação da lei de Deus acarretaria em maldição. Deus deixa claro que estes seriam amaldiçoados. Isso serviria para que temessem a Deus. Vemos também que Deus faz questão de dizer que os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, pois, os levitas eram responsáveis por ensinar a lei de Moisés, ou seja, a verdadeira instrução ao povo. Eles que guiavam o povo para junto de Deus e se estes falhavam, logo, o povo falhavam.

III. Denuncia os pecados dos sacerdotes e anuncia os castigos (v. 8,9)

Deus termina essa seção denunciando os pecados dos sacerdotes e anunciando o castigo, que além de não estarem cumprindo suas funções, traíam seu chamado de ensinar a palavra de Deus.

Conclusão

I. Devemos aprender que Deus ama Seu povo eleito mas, antes de os amar Ele zela por seu culto. Não devemos pensar que o culto é para o homem, antes é exclusivamente para Deus.

II. Devemos aprender que uma das principais funções do ministério sacerdotal no culto é a instrução da palavra. A mensagem é primordial, não secundária.


III. Devemos aprender que a responsabilidade do povo é não aceitar um culto corrompido, onde a palavra de Deus é negligenciada e pregada com falta de zelo e fidelidade.

27 de nov de 2014

As Técnicas de Mercado do Neopentecostalismo

Por Thomas Magnum

O objetivo de desenvolver pesquisa e denuncia do movimento neopentecostal, não é de invalidar a sinceridade de pessoas que religiosamente procuram respostas para seus problemas existenciais. Buscam tais respostas muitas vezes nas igrejas, o objetivo é de alertar aos males espirituais, sociais e familiares que tal pensamento religioso produz. É válido dizer também que sinceridade não é critério de veracidade, uma pessoa pode ser sincera, mas, estar no erro. Já fizemos uma análise do Sincretismo Neopentecostal, agora iremos pensar sobre seu interesse econômico e comercial. O mercado da fé tem sido sem sombra de dúvida um dos campos mais rentáveis no comércio moderno, movimentando milhões, tanto na frequência dos fiéis as suas igrejas ou na indústria cultural evangélica. Por isso iremos fazer uma análise comparativa com o mercantilismo e o atual pensamento comercial no campo do marketing. Então veremos que a mensagem e abordagem do neopentacostalismo são baseadas em técnicas e conceitos a muito utilizados no campo comercial e publicitário.
O mercantilismo ocorreu basicamente do século XVII até o século XVIII, estava ligado ao processo de monarquias nacionais do capitalismo comercial a serviço do estado moderno. O desenvolvimento de uma política econômica no mercantilismo tornou-se indispensável para a formação de uma monarquia absolutista. Esse avançar do mercantilismo se deu através das navegações dos povos europeus. A grande busca por metais era desenfreada e portadora de poder para negociações. Os espanhóis foram muito importantes nesse período, também pelo fato dos países ibéricos deterem grande parte dos metais da época. A balança comercial foi estabelecida pelos europeus para padronizar e dar um eixo ao negócio. Claro que os reis eram os maiores beneficiados com isso, visto sua preocupação em preservação e aumento da riqueza do reino.
A Negociata da Fé
Ao darmos um passo atrás na história no século XVI, veremos a insatisfação de muitos religiosos com o aparato mercadológico da igreja papal, sobe a égide de Leão X. O monge agostiniano Martinho Lutero discordou e veementemente denunciou a salvação por obras e as heresias e manipulações econômicas e comerciais da igreja. Na dieta de Worms lemos:
Concordas com o conteúdo ali escrito ou quer se retratar. Lutero, ressabido, pediu um tempo para responder. Foi-lhe concedido prazo de 24 horas. No outro dia, Lutero respondeu: “A menos que possa ser refutado e convencido pelo testemunho da Escritura e por claros argumentos (visto que não creio no papa, nem nos concílios; é evidente que todos eles frequentemente erram e se contradizem); estou conquistado pela Santa Escritura citada por mim, minha consciência está cativa à Palavra de Deus: não posso e não me retratarei, pois é inseguro e perigoso fazer algo contra a consciência. Esta é a minha posição. Não posso agir de outra maneira. Que Deus me ajude. Amém!”.
Será que vivemos dias diferentes hoje? As descabidas conquistas mercantilistas continuam por aí atrás do ouro. Muitos já esqueceram como o Bispo Macedo comprou a Record? Muitos não querem ver a barganha em nome de Deus, da mesma forma que era feito no século XVI. Porque será que o culto a personalidade não tem sido refutado? O comércio da fé justificado por líderes que se dizem cristãos. Cantores publicanos, nicolaítas, adeptos de Balaão. Talvez você esteja dizendo, mas essa palavra é muito ofensiva, faço minhas as palavras de John MacArthur: Nunca suavize o evangelho. Se a verdade ofende, então deixe que ofenda. As pessoas passam toda a sua vida ofendendo a Deus; deixe que se ofendam por um momento. Deus não divide sua glória, “a minha glória não a darei a outrem”. Isaías 48.11.
"Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto, diz o SENHOR". Jeremias 23.1.
Filho do homem profetiza contra os pastores de Israel; profetiza, e dize aos pastores: Assim diz o Senhor DEUS: Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Não devem os pastores apascentar as ovelhas? Ezequiel 34.2.
A contínua sede de poder por parte de pastores que negociam a fé, que manipulam as ovelhas, que abusam espiritualmente delas e em alguns casos até fisicamente. Esse mercantilismo que guerreia através de técnicas de marketing, não para o crescimento do reino, mas para a construção de um império particular. Os escândalos continuam a aparecer, pastores milionários, lavagem de dinheiro, investimentos com o dinheiro da igreja, paraísos fiscais e por aí vai. Ao elaborar uma campanha de marketing temos alguns pontos que quero considerar.
O Marketing
Façamos algumas elucidações sobre estratégias de venda.
Geomarketing – É o composto do marketing, a forma que o mercado se organiza num espaço físico, analisando as variáveis.
Marketing direto – É uma forma de personalização de atendimento e produto.
Marketing concentrado – Busca obter resultados em determinado mercado. A empresa visa dominar o mercado.
Marketing cultural – Visa agregar valor para a imagem da empresa.
Marketing de massa – Tem o objetivo e atingir todos os consumidores de maneira única.
Poderíamos aumentar a lista, mas, é suficiente. Temos agora essa visão mapeada de algumas estratégias de marketing, podemos com isso compreender como o neopentecostalismo utiliza-se dessas ferramentas. Por isso, os veículos de comunicação de massa têm sido tão explorados por grupos neopentecostais.
Vemos que a antiga sede mercantilista ainda transparece no mercado comercial hoje, essa contemporaneidade é vital para a sustentação do comércio. Essa negociação está presente desavergonhadamente nas igrejas neopentecostais, que em seu sincretismo e paganismo tem prestado seu culto não ao verdadeiro Deus, mas, a Mamom. Desavergonhadamente manipulam e alimentam suas contas bancárias com a renda dos fiéis. Em uma reunião de uma igreja dessas, temos o momento de que parece um leilão. Quem pode dar R$ 1.000,00? Quem pode dar 500? 250? 100? Se você só tem a passagem do ônibus dê ao Senhor, ele te restituirá. Parece brincadeira, mas é verdade. Outro caso muito conhecido são as campanhas, quem já viu uma campanha dessas sem contribuição financeira? E se coloca sobre o fiel o fardo da maldição se não for dizimista fiel, se não participar das campanhas, se não for associado, não será abençoado, R.R Soares geralmente diz em seus programas, “Se Deus não tocou em seu coração não seja associado”, perceba a manipulação psicológica. O que lemos nas Escrituras sobre dízimo e ofertas é baseado na disposição voluntária do crente, não por uma imposição legalista e charlatã. Em quantas igrejas neopentecostais se tem registro do rol de membros? Nenhuma, porque o público é volátil, em quantas tem seções administrativas ou assembleia de membros para dar aos membros transparência das receitas e despesas do mês? Nenhuma.
Como vemos o negócio da fé é muito bom par atais lobos. Aproveitando-se da fachada de instituição religiosa, ganham seus montantes em nome da fé. O nome que damos para isso é simonia. O termo vem do episódio em Atos 8.18 que Simão o mago ofereceu dinheiro aos Apóstolos par comprar o poder de Deus, ninguém pode manipular Deus, nem comprar com obras ou somas de dinheiro, ofertas, campanhas ou dízimos o seu agir.
Mas disse-lhe Pedro: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois cuidaste que o dom de Deus se alcança por dinheiro. Tu não tens parte nem sorte nesta palavra, porque o teu coração não é reto diante de Deus.Arrepende-te, pois, dessa tua iniquidade, e ora a Deus, para que porventura te seja perdoado o pensamento do teu coração;Pois vejo que estás em fel de amargura, e em laço de iniquidade. Atos 8.20-23.
O Fator Econômico
Qualquer estudo introdutório de economia levará o leitor ao estudo de oferta e demanda. Podemos identificar isso facilmente nos arraiais neopentecostais. Os pregadores da fé tem o produto (discurso motivacional ou dualista), e a busca por isso na religiosidade sincrética brasileira desenvolve a demanda nesse contexto de fé mística e cega. Ao usar aqui o termo fé empregamos como crença e não como a fé bíblica que é um dom de Deus. O querer que o fiel prospere é devido aos interesses mercadológicos da empresa, quanto mais o adepto ganha, mais ele contribui e participa de outras campanhas, ou seja, a filosofia é puramente pragmática. Se funcionar então está certo.
O maior problema do engano de muitos crentes seduzidos pela astúcia de Satanás no movimento da fé é a falta de exame da Palavra de Deus, os fiéis não leem a Bíblia (Isaias 34.16). Não meditam nela (Salmos 1.2), não examinam (João 5.39). A questão não é Sola Scriptura, mas também Tota Scriptura. Porque o movimento neopentecostal usa a Bíblia, indevidamente, mas usa. A questão é Somente a Bíblia e Totalmente a Bíblia.
Pois o amor ao dinheiro é raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos. I Timóteo 6.10.
________________
Fonte da imagem aqui

Cristianismo e Política



A Sistematização da Teologia na História da Igreja

Por Thiago Oliveira

Sistemático é aquilo que segue um sistema, uma ordenação, um método. A Teologia Sistemática pode ser definida como a ciência que procura oferecer uma apresentação ordenada do que a Bíblia ensina sobre Deus, Sua Obra e Sua relação para com o universo. Sistematizar o conteúdo bíblico é um norteador que potencializa a assimilação dos valores do Reino. E como a nossa espiritualidade deve estar ligada a ortodoxia, nada melhor do que algo que nos facilite entender o que o Senhor tem nos falado através da Sua Palavra.

Como a Teologia Sistemática atua com um padrão unificador da mensagem canônica, ela se torna didaticamente mais acessível do que a Teologia Bíblica e a Histórica. Embora Orígenes (218) tenha sido o primeiro a sistematizar o conteúdo canônico em sua obra “Dos Princípios”, gostaria de destacar três grandes nomes dessa ciência: Agostinho de Hipona, Anselmo de Cantuária e João Calvino, como representantes de três importantes períodos da história da Igreja (Patrístico, Medieval, Reformado).

Agostinho de Hipona é um gigante da Teologia e da Filosofia, um homem a quem Deus usou para a edificação da Igreja e que muito influenciou o pensamento ocidental. Agostinho, oriundo do século IV e tendo vivido também uma parte do V, tinha uma vida mergulhada na luxúria até ser convertido pelo poder do Evangelho pregado por Ambrósio. Sua mãe muito orou para que o filho abandonasse todos os seus pecados, e teve graciosamente suas preces atendidas.

Nas suas “Confissões”, Agostinho relata o doloroso processo de santificação. Não foi fácil abandonar o velho homem. Mas, Cristo completou a boa obra e fez deste pecador um santo remido pelo sangue do Cordeiro. Após sua conversão, trabalhou como um pastor dedicado ao rebanho do Senhor, tornou-se Bispo de Hipona (atual Argélia.África) e escreveu uma vasta obra. Dentre elas, a mais influente, principalmente no pensamento reformado no século XVI é: “Da Trindade”. Este livro antecede as Institutas de Calvino no que diz respeito a exposição doutrinária ortodoxa. Ele aborda a natureza divina, defendendo o trinitarianismo em oposição a doutrina ariana e também a natureza humana, alegando que o homem é um ser depravado que carece da graça divina para se salvar, se opondo ao pelagianismo, que defendia o livre-arbítrio.

Quem estudou, mesmo que superficialmente a teologia reformada, sabe o quanto Lutero e Calvino beberam das obras de Agostinho. Principalmente o reformador de Genebra, que apela para o pensamento agostiniano inúmeras vezes.

Já no período medieval, Anselmo, arcebispo da Cantuária, foi o grande sistematizador deste período. Discípulo do agostianismo e considerado por muitos o pai da escolástica, tem uma obra notável sobre a expiação: “Por que Cristo se Tornou Homem?”. Ele respondeu sua própria pergunta, argumentando que a encarnação e expiação de nosso Senhor Jesus Cristo foram necessárias por causa da justiça de Deus. Sua grande compreensão sobre estas verdades tornaram-se parte da herança confessional das Igrejas Reformadas. Escreveu outras obras como “Monologion” e “Proslogion”, “sobre a natureza de Deus” (argumento ontológico) e “De Concordia”, sobre a predestinação.

Todavia, João Calvino com a sua já citada obra “As Institutas da Religião Cristã” é considerado o teólogo que melhor sistematizou o conteúdo ortodoxo bíblico em todos os tempos. Principalmente as doutrinas da graça. É tanto que qualquer cristão que seja favorável ao monergismo, irá se identificar como calvinista.

Bem, a primeira edição das “Institutas” data de 1536, quando o reformador de Genebra tinha apenas 26 anos de idade e 2 anos que havia se convertido ao protestantismo. Ao todo, as “Institutas” de Calvino passaram por cinco edições. Sua obra, tanto as “Institutas” como seu catecismo, seus comentários sobre a maioria dos livros da Bíblia, sermões, folhetos, cartas, etc. têm exercido grande influência desde o período da Reforma até hoje. As Confissões e Catecismos da Fé Reformada, que foram produzidos pelas igrejas a partir de então, tiveram nos escritos de Calvino, em larga escala, grande fonte de embasamento teológico.

Em 1559, as “Institutas” ganham a sua edição definitiva, dividida em 4 livros:

Livro 1:O Conhecimento de Deus, o Criador.
Livro 2: O Conhecimento de Deus, o Redentor em Cristo.
Livro 3: A Aplicação da Redenção (o modo como recebemos a graça de Cristo).
Livro 4: A Igreja e os Sacramentos (os meios externos pelos quais Deus nos convida à comunidade de Cristo e nos mantém nela).

É a partir da obra de Calvino e dos credos e catecismos reformados que a Teologia Reformada foi ganhando a forma que tem hoje, logicamente que me refiro ao círculo protestante. Os loci (do latim, área restrita) clássicos da Teologia Sistemática são:

a) Prolegomênos: estuda os princípios básicos da fé cristã de maneira introdutória.
b) Teontologia: o estudo sobre Deus e Seus atributos.
c) Bibliologia: investiga a origem e a formação do cânon, tratando-o como livro inspirado que é a palavra revelada de Deus.
d) Cristologia: estudo sobre a natureza de Cristo e sua obra.
e) Pneumatologia: estudo da pessoa e do ministério do Espírito Santo.
f) Antropologia: neste caso, estuda o homem numa perspectiva teológica.
g) Soteriologia: estuda os aspectos da salvação em Cristo Jesus.
h) Eclesiologia: este é o ramo da Teologia que trata da doutrina e organização da igreja.
i) Escatologia: trata dos últimos tempos que antecederá o retorno de Cristo.
j) Hamartiologia: estudo da origem e dos efeitos do pecado.
k) Angelologia: o ramo da Teologia que estuda os anjos.
l) Demonologia: o estudo sistemático sobre os demônios.
____________________
REFERÊNCIAS
HANKO, Herman. Retratos de Santos Fiéis. Dublin. Firelandy Missions.2013.