1509725595914942

3 de nov de 2014

Sou filho de Deus e irmão de Jesus, será que sou fraco?

Por Morgana Mendonça dos Santos

Quando estou dirigindo sempre me deparo com adesivos desse tipo estampados em carros. O engraçado é que a parte mais evidente - em letras maiúsculas - são essas: "SERÁ QUE SOU FRACO?" (exatamente assim). Não parece ser tão importante o fato de ser filho de Deus e irmão de Jesus. O que vemos nessa frase é mais uma vez a super valorização do homem acima de Deus e Sua obra.

Quando me refiro ao adesivo, crítico a forma como fica deturpado o ensino bíblico nesses movimentos "gospeis". A antropologia precisa ser analisada pelo crivo das Escrituras, e diante desse padrão nem todos são filhos de Deus e nem irmãos de Jesus, portanto o adesivo é de fato questionável. No entanto, meu objetivo está na ênfase dada ao que somos, quando somos filhos de Deus e irmãos de Jesus. A intenção do autor (desconhecido) nessa frase seria afirmar que somos "fortes", ou seja, se sou "isso" e "aquilo" sou o "cara". A ideia egocêntrica continua, por exemplo: "meu valor é outro", "meu nível é outro", "eu sou o bom".

Essa frase adesivada em vários carros, de cristãos e não cristãos, têm muito a dizer em relação ao que entendemos sobre o que somos antes e depois de Cristo. A doutrina da depravação total nos ensina e nos humilha perante o Criador, quando de fato conhecemos quem somos entendemos quem Deus é. Quando conhecemos quem somos compreendemos a obra de Cristo. Antes da regeneração somos conforme diz Romanos 3:

"como está escrito: Não há justo, nem sequer um. Não há quem entenda; não há quem busque a Deus. Todos se extraviaram; juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só." Romanos 3.10-12.

Como todos podem ser filhos de Deus e irmãos de Jesus? Está claro que não há ninguém que busque a Deus, ninguém que faça o bem, a situação é de extravio e inutilidade, não de filiação e irmandade. Sem a obra da regeneração somos como Paulo continua a dizer, pecadores e distantes completamente de Deus!

"Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus" Romanos 3.23.

Logo, nem todos são filhos de Deus e irmãos de Jesus, a razão é pelo fato de que isso não depende de nós, não é por obras e sim pela graça mediante a fé, que é dom de Deus. Paulo escrevendo para a igreja em Éfeso diz:

"Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais outrora andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos de desobediência, entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como também os demais.Efésios 2.1-3. 

Aqui o sujeito que muda a situação de morte do homem é Deus (Ele). Nossa condição de morte impede qualquer atitude de ser alguma coisa sem que Cristo nos vivifique. Éramos por natureza filhos de Deus? Não! O texto diz: "filhos da ira". Aqui o texto diz que a nossa vida era "segundo o curso deste mundo", "segundo o príncipe das potestades do ar". Não segundo Deus, nem Cristo. Portanto, sem Cristo você e eu estamos mortos, sem vida, condenados a ira de Deus. (João 3.36) No entanto, pela graça de Deus mediante a fé, Deus nos vivifica, nos tornando membros de sua família.

"Assim, pois, não sois mais estrangeiros, nem forasteiros, antes sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus". Efésios 2.19. 

Nos Evangelhos observamos um momento da vida de Cristo que Ele declara algo sobre ser membro da família de Deus. A questão é que somente a obra de Deus nos impeli a obediência da Sua palavra.

"Vieram, então, ter com ele sua mãe e seus irmãos, e não podiam aproximar-se dele por causa da multidão. Foi-lhe dito: Tua mãe e teus irmãos estão lá fora, e querem ver-te. Ele, porém, lhes respondeu: Minha mãe e meus irmãos são estes que ouvem a palavra de Deus e a observam." Lucas 8.19-21.

Deus nos reconcilia com Ele, em Cristo nossa situação não é mais a mesma, passamos da morte para a vida, fomos justificados por Cristo na Sua morte, selados por Ele e redimidos.

"A vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis". Colossenses 1.21-22.

A grande questão desse adesivo é que se Deus nos escolheu para adoção, nos chamou como filhos amados, em obediência a palavra somos membros do seu corpo, sua família e seu povo, o que deveríamos declarar era: "Sou filho de Deus e irmão de Jesus, será que eu mereço?" Porque de fato, a questão não é "se sou fraco" no sentido "sou o cara", mas a verdadeira ênfase é no que Deus é e o que Ele faz.

Calvino, nas Institutas, no capítulo I.2 declara que o conhecimento de Deus nos conduz ao conhecimento de nós mesmo e vice-versa:

"Por outro lado, é notório que o homem jamais chega ao puro conhecimento de si mesmo até que haja antes contemplado a face de Deus, e da visão dele desça a examinar-se a si próprio. Ora, sendo-nos o orgulho a todos ingênito, sempre a nós mesmos nos parecemos justos, e íntegros, e sábios, e santos, a menos que, em virtude de provas evidentes, sejamos convencidos de nossa injustiça, indignidade, insipiência e depravação. Não somos, porém, assim convencidos, se atentamos apenas para nós mesmos e não também para o Senhor, que é o único parâmetro pelo qual se deve aferir este juízo. Pois, uma vez que somos todos por natureza propensos à hipocrisia, por isso qualquer vã aparência de justiça nos satisfaz amplamente em lugar da real justiça. E porque dentro de nós ou a nosso derredor nada se vê que não seja contaminado de crassa impureza, por todo tempo que confinamos nossa mente aos limites da depravação humana, aquilo que é um pouco menos torpe a nós nos sorri como coisa da mais refinada pureza. Exatamente como se dá com um olho diante do qual nada se põe de outras cores senão o preto: julga-se alvíssimo o que, entretanto, é de brancura um tanto esfumada, ou até mesmo tisnado de certa tonalidade fosca".

Em suma, devemos conhecer a Deus e seremos confrontados com quem realmente nós somos, agradecidos por não merecer tal filiação e menos ensoberbecidos de nos considerar acima Dele ou de alguém, não somos merecedores, no entanto Ele nos escolheu. Por isso, devemos ser santos e irrepreensíveis, pois, somos membros de Sua família!

A Deus toda glória, Rm 11.36.