1509725595914942

13 de nov de 2014

Quem deve ser ungido segundo Tg 5.14?

Por Leandro Lima

"Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor” (Tg 5.14)

A partir do estudo desta passagem, o Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil acabou de aprovar a “unção com óleo”. A decisão diz o seguinte: 

1) Reafirmar que Deus é soberano para atender ou não, aos pedidos nas orações, segundo sua suprema vontade, independente da fé do crente. 2) Determinar aos pastores e presbíteros que não unjam pessoas ou objetos com óleo durante cultos de qualquer natureza, públicos ou em casas, quer sejam reuniões ou encontros em quaisquer lugares. 3) Permitir excepcionalmente que a unção com óleo seja realizada, exclusivamente em pessoas, nunca em objetos, pelos pastores e presbíteros somente quando forem convidados por membros enfermos de suas igrejas, em suas casas, orando por eles e suplicando de Deus o seu pronto restabelecimento.4) Que a exceção mencionada no item anterior fica à discrição dos pastores e presbíteros das igrejas locais uma vez certificados de que o enfermo crente, não atribui poderes miraculosos ao óleo e também que seu emprego não irá gerar superstições e misticismo”.

Sem dúvida, a questão da unção com óleo é complexa e não é nosso objetivo repudiar a decisão do Supremo Concílio, a qual tentou fazer justiça ao texto bíblico, e, provavelmente fez, na medida do possível. Nosso objetivo aqui é ponderar algumas observações que, talvez, lancem mais luz sobre o assunto e nos ajudem ver a questão sob outro ângulo.

Inicialmente, é preciso dizer que, provavelmente, o principal equívoco em relação à interpretação do texto de Tiago seja a preocupação com o óleo em si mesmo, desconsiderando o contexto em que ele foi utilizado. Há muito esforço por parte de alguns estudiosos para dizer que trata-se de um óleo medicinal, o qual seria utilizado como uma espécie de remédio. Nesse caso, a interpretação é falha porque o próprio texto parece negar o poder do “óleo" de curar, dizendo antes que “a oração da fé” salvará o enfermo.

Por outro lado, há um esforço por parte de outros especialistas em desqualificar o próprio óleo, focalizando mais na importância da oração, tornando o óleo algo opcional. É óbvio que a oração é fundamental, e ela, segundo Tiago, levantará o enfermo, mas a questão aqui é que pouco adianta tentar enfraquecer o uso do termo óleo, pois a ordem de utilizá-lo está no texto, e não podemos removê-la. É preciso lembrar que todo o texto ordena que se faça isso, usando verbos imperativos, e nesse sentido, o Supremo Concílio foi coerente, pois não quis proibir algo que claramente é “mandado fazer” na Escritura.

O ponto, provavelmente, que precisaria ser mais trabalhado é justamente o contexto da afirmação de Tiago. Notamos que a preocupação maior dos intérpretes está em definir o tipo de óleo ou o caráter terminológico da palavra “ungir”, e pouca atenção é dada às palavras “doente" e “enfermo”. Estariam elas realmente falando de doença física? 

Tiago orienta: "Está alguém entre vós doente?”. A palavra “doente" é astheney (σθενε), a qual, prioritariamente tem o sentido de “fraco”, “débil”. A palavra é aplicada desse modo, denotando “fraqueza espiritual” em várias passagens do Novo Testamento. Em Romanos 14.1, Paulo usa essa palavra para falar do irmão “fraco” na fé. Em 1Coríntios 8.7, Paulo fala de pessoas que têm uma “consciência fraca”, utilizando essa mesma palavra. Evidentemente, o termo pode ser aplicado para doença física, mas para isso, o contexto precisa ser claro. E não parece ser esse o caso do contexto de Tiago 5.

O contexto de Tiago 5 está evocando o perigo do pecado que acarreta juízo de Deus e, ao mesmo tempo, o modo como alguém pode ser resgatado desse pecado através do arrependimento e da oração por parte da igreja. No verso 11, Tiago elogiou aqueles que “perseveram firmes”, ou seja, que não se deixaram desviar dos caminhos de Deus, mesmo sob intenso sofrimento, e menciona o exemplo de Jó para isso. Porém, infelizmente, nem todos conseguem ser firmes e perseverantes como Jó, e Tiago sabe disso.

No verso 12, ele faz uma advertência formal: “Acima de tudo, porém, meus irmãos, não jureis nem pelo céu, nem pela terra, nem por qualquer outro voto; antes, seja o vosso sim sim, e o vosso não não, para não cairdes em juízo”. Portanto, ele parece estar mencionando alguma situação específica de perjuro entre os crentes, e relembrando o ensino do Senhor para que evitassem juramentos formais, mantendo apenas o padrão da verdade através de respostas simples: sim, sim; ou, não, não. Ou seja, um crente não pode viver "aquém" daquilo que a Palavra ensina, pois a fé sem obras é morta (Tg 2.26), mas também não deve ir “além”. Um excesso de rigor pode levar o crente a uma vida de legalismo, e, consequentemente, de uma fé morta pelo caminho oposto. De qualquer modo, Tiago está alertando o crente a evitar ser atingido pelo juízo de Deus por causa de um pecado que lhe cause uma queda espiritual.

Nesse contexto ele diz: “Está alguém entre vós sofrendo? Faça oração. Está alguém alegre? Cante louvores” (Tg 5.13). “Sofrendo" é a tradução da palavra kakopathia (Κακοπαθε), e literalmente significa “sentimento mau”. A ideia é de um sentimento de aflição. Ou seja, se alguém está aflito, provavelmente em decorrência das pressões do mundo, deve fazer oração. Por outro lado, se está livre disso, ou seja, se mesmo enfrentando o sofrimento e a tribulação impostos pelo mundo, continua “animado” (εθυμε), então deve “cantar salmos” (ψαλλέτω). Nisso percebemos que ele está descrevendo situações emocionais e, ou, espirituais. Não se tratam de aspectos físicos, mas de estados de espírito, ou seja, o contexto se encaixa mais numa descrição de uma “doença espiritual”.

Então, temos os versos 14-15: "Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados”. Ou seja, se alguém está “débil" na fé (oposto de animado), possivelmente por alguma situação de pecado que gerou um “desvio” espiritual, essa pessoa deve chamar os presbíteros da igreja, e eles devem ungi-la com óleo, e orar por ela. Consequentemente, a oração da fé “salvará o enfermo”. Essas duas palavras são muito importantes. “Salvará” no texto grego é σώσει (sósei). O termo típico para salvação de pecados. E enfermo é κάμνοντα (kamnonta) que tem o sentido primário de “exaustão”. Portanto, o Senhor “salvará o desanimado”. É claro que todos esses termos podem ser aplicados a “doença física”, mas o assunto de Tiago não é “doença física” e sim “doença espiritual”. Ele está falando, provavelmente, de uma pessoa que pecou gravemente, se afastou dos caminhos de Deus, porém, ao ser tocada pelo arrependimento, deseja voltar, mas não tem forças. Assim, os presbíteros devem formalmente ir até ela, orar por ela e ungi-la. Assim, formalmente, o pecado cometido fica perdoado diante de Deus e dos homens. Nesse caso, o óleo é o símbolo do Espírito Santo renovando a vida espiritual desse pecador.

Que o assunto é esse, fica ainda mais claro na sequência do texto: “Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo” (Tg 5.16). Ou seja, o pecador deve confessar seu pecado e receber oração formal, assim, é reconduzido à comunhão da igreja.

Sobre a pergunta que poderia surgir, ou seja, se homens pecadores poderiam fazer isso por outros pecadores, Tiago responde com o exemplo de Elias: “Elias era homem semelhante a nós, sujeito aos mesmos sentimentos, e orou, com instância, para que não chovesse sobre a terra, e, por três anos e seis meses, não choveu. E orou, de novo, e o céu deu chuva, e a terra fez germinar seus frutos” (Tg 5.17-18). Portanto, nisso está a eficácia da oração do justo. Não é a ideia de perfeição de quem está orando, pois Elias é citado aqui como “sujeito aos mesmos sentimentos”, mas sua oração foi ouvida por Deus. A metáfora de “abrir o céu” e “fechar o céu”, no caso de Elias, fica ainda mais significativa. Quando os presbíteros oram para que Deus restaure o pecador arrependido, isso tem uma correspondência direta com o que é decidido no céu. Em situação semelhante evocando disciplina, restauração e perdão de pecados, no famoso Mateus 18, Jesus disse: "Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra terá sido ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra terá sido desligado nos céus” (Mt 18.18).

Os dois últimos versículos do capítulo e do livro de Tiago não deixam dúvida de que o assunto é “perdão de pecados”: “Meus irmãos, se algum entre vós se desviar da verdade, e alguém o converter, sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecados” (Tg 5.19-20).

Portanto, em que situação a carta de Tiago autoriza os presbíteros a utilizarem o óleo? Para ungir qualquer doente? Parece-nos que não. A prática desse ato pode facilmente conduzir aos abusos e a uma consideração idolátrica do óleo. Formalmente, os presbíteros poderiam utilizar o óleo para ungir um pecador arrependido, que cometeu um pecado grave e se desviou do caminho de Deus (talvez perjuro), porém arrependido deseja voltar, mas não tem forças espirituais para isso. Então, formalmente, os presbíteros vão até ele quando chamados, oram por ele, ungem-no com óleo, simbolizando a restauração espiritual através do Espírito Santo, e confiam que seu ato realizado na terra foi confirmado no céu. Isso retira qualquer "poder" de cura do óleo em si mesmo, e estabelece-o como um símbolo da ação restauradora do Espírito Santo.

Nenhum comentário: