1509725595914942

20 de dez de 2015

Jesus: Verbo, Luz e Natal!

Por Thiago Oliveira

*Texto Base: João 1.1-14

Introdução

João começa o seu Evangelho de um modo diferente. O nascimento de Jesus não é relatado como em Mateus e Lucas, que narram os fatos tal como aconteceram. João fala sobre o mesmo assunto, porém elabora uma sentença teológica e nos diz que o Verbo se fez carne e habitou entre nós (v.14). A expressão que foi traduzida como o Verbo, ou Palavra em algumas versões, é um termo grego muito abrangente: logos. O que o apóstolo intencionou ao se utilizar dessa expressão? O que estava querendo ensinar aos seus leitores?

A igreja do primeiro século estava entre dois “mundos”, o judeu e o grego. A revelação, o Messias, os apóstolos e a Igreja possuíam uma origem judaica, todavia, o evangelho tem um caráter universal e os empreendimentos para evangelizar o mundo helênico fizeram com que muitos elementos da cultura grega fossem utilizados para que as boas novas fossem entendidas pelos gentios. Não podemos esquecer que todo o Novo Testamento foi escrito em grego koiné. João, um judeu, nascido e criado na Palestina, era agora ministro na igreja de Éfeso e de lá escreve o seu relato acerca de Cristo. Fazendo uma ponte entre os dois mundos supracitados, ele intenta apresentar Jesus como o Logos no início do seu Evangelho para que fique claro: Jesus Cristo é Deus. Ele é eterno e Senhor sobre todas as coisas.

Jesus: O Verbo Eterno (v.1-3)

“No princípio” remete ao Gênesis. O Evangelho joanino começa tal como o Pentateuco e demonstra que o Verbo (Jesus) era desde o princípio, ou seja, já existia quando a terra ainda era sem forma e vazia. Na verdade, quem deu forma a Terra e criou todas as coisas ex nihilo, isto é, do nada, foi Jesus, o Nazareno a quem o apóstolo apresenta como Deus. O Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”. Pai e Filho são um. Eles têm a mesma substância, o mesmo caráter, e se amam e se relacionam desde sempre. Juntos com o Espírito Santo formam a Trindade. Jesus não foi criado, sempre existiu, ele é um dos componentes da Trindade, ele não é nada menos que Divino. Daí o termo Logos – traduzido por Verbo ou Palavra faz jus ao que o apóstolo quis expressar aos seus leitores.

Para o judeu, a Palavra de Deus era responsável por criar o mundo. Observando o relato da criação em Gênesis entendemos o porquê desta concepção. Todas as coisas começaram a existir após Deus ter dito “haja”. Deus falava e a coisa criada surgia. “Pela palavra do SENHOR foram feitos os céus” (Sal. 33:6), diz o salmista. Heráclito, um dos mais renomados filósofos pré-socráticos, e que não por acaso era de Éfeso, dizia que o Logos era o princípio que dava ordem ao Universo e era também quem o sustentava, para que este não se tornasse caótico. Assim, com um termo compreendido por judeus e gregos, João demonstra que a Palavra criadora e o princípio que dá ordem ao mundo é Jesus Cristo. Paulo vai dizer o mesmo em Colossenses 1. 15-17. Este é o Cristo verdadeiro, aquele que criou todo o Universo “e, sem ele, nada do que foi feito existiria”

Geralmente no Natal, as pessoas tendem a celebrar o Deus-menino. Usam esta linguagem para se remeter a Jesus como se ele fosse um eterno infante. O Evangelho de João nos lembra de que Jesus não foi um simples menininho. Ele é o Soberano do Universo, que existe desde a Eternidade. Não podemos tirar Jesus do seu trono ao contemplá-lo. Ele precisa ser adorado como Deus e ser o nosso SENHOR. Quem assim não o professa, não está adorando o Jesus verdadeiro, apenas criou um ídolo, um falso Senhor.

Jesus: A Luz dos Homens (v. 4-9)

“A vida estava nele e era a luz dos homens”. Como criador; Jesus é o autor da vida. O sentido da palavra vida aqui não é simplesmente vida física, mas sim espiritual. É a vida eterna prometida por Jesus em outras partes do Evangelho joanino, tal como em 10.10 e 14.6. Não se trata de ser apenas duradoura, sem fim. Trata-se de uma vida plena, onde o homem se sente satisfeito e feliz, pois, sabe que em Deus tem tudo que precisa. Como diz uma frase célebre de Agostinho “Senhor, criaste-nos para Ti e o nosso coração vive inquieto enquanto não repousar em Ti”. Jesus é a luz dos homens por dissipar as trevas e reconciliar o ser humano com Deus. Desde que o pecado entrou no coração do homem, através de Adão, que as pessoas andam inquietas, tentando justificar a si mesmas, com medo do que o amanhã pode reservar, buscando preencher seu vazio existencial. Apenas Cristo faz cessar esta busca e conecta a criatura com o Criador, fazendo com que o homem ao alcançar a plenitude também encontre a paz e se deleite na presença de Deus.

A vida é comparada com a luz, pois onde há luz, tudo resplandece e a escuridão é dissipada. A vida ofertada por Cristo é aquela que faz as trevas interiores fugirem com a entrada da candeia divina no coração de quem por Ele é regenerado. O verso 5 nos diz que “a luz resplandece nas trevas”. Quando Jesus ilumina o coração humano, faz dissipar toda a escuridão. Como uma lâmpada, o homem foi feito para brilhar, mas para isso precisa da luz, senão continuará apagado, preso na inutilidade. Eis a diferença entre existir e viver. O homem com Cristo vive, cumpre o propósito pelo qual foi criado e se deleita nisso. O homem sem Cristo apenas existe e sua existência se torna pesada, desprovida de valor. Ao lermos no final do versículo que “as trevas não prevaleceram contra ela”, isto é, a Luz, devemos trocar prevalecer por apoderar-se, fazendo mais sentido com o sentido original da palavra no grego. O que o apóstolo diz é o seguinte: A luz veio para a humanidade, aqui representada como “as trevas” numa clara referência a natureza pecaminosa que obscurece o intelecto e a alma, mas, a humanidade continuou na escuridão. Os versos 10 e 11 corroboram com essa interpretação. Assim como 3.19 que diz: “A luz veio ao mundo, e os homens amaram as trevas em lugar da luz”. E por que os homens preferem andar no escuro ao invés de andar na luz? “Porque todo aquele que pratica o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que suas obras não sejam expostas” (3.20).

Há uma quebra no pensamento para falar sobre João Batista. O interlúdio vai do versículo 6 ao 9 e com muita clareza afirma que Cristo é a luz e não João Batista. Comentaristas dizem que esta ênfase é destinada a um grupo que exaltava João Batista, colocando-o numa posição que ele nunca reclamou para si. Não há muitos indícios que corroborem com a existência desse grupo, mas a suspeita é a que melhor explica a posição destes quatro versículos que entrecortam a exposição acerca dos atributos divinos de Cristo. Ademais, João Batista foi um profeta muito admirado e cheio de seguidores. Após quatro séculos de silêncio profético, Deus o havia levantado para pregar uma mensagem de alerta aos judeus, conclamando o povo ao arrependimento e avisando que o Messias estava prestes a chegar. Não é uma ideia tão absurda pensar que alguns o viam como o salvador prometido (vide 1.19-21). Logo, o evangelista esclarece que a verdadeira luz é Cristo e que o próprio João Batista deu testemunho disso, ao falar que Jesus era o Filho de Deus (1.34).

A luz exclusiva, capaz de tirar o homem das densas trevas que o assola, é Jesus Cristo. Não existe outra forma ou pessoa que possa fazer esta obra. Entenda de uma vez que se não for Jesus, toda a sua vida é penosa, pois no escuro tudo é encoberto. Para contemplar o mundo e gozar a vida de maneira integral, Jesus precisa nascer em seu coração e alumiar tudo o que está em sua volta.

Jesus: Nosso Natal (10-14)

O pensamento do evangelista volta a fluir e retoma no versículo 10 o que já havia explanado no 5. “O Verbo estava no mundo, e este foi feito por meio dele, mas o mundo não o reconheceu”. Mundo aqui não é o planeta Terra. São as pessoas que nele habita. Os homens, ingratos, criados pelo Verbo, que é luz, rejeitaram-no e seguem o curso de suas vidas nas sombras. Nem os que eram seus, isto é, os judeus, povo da aliança, o receberam (v.11). A rejeição aconteceu de ambos os lados. Circuncisos e incircuncisos desprezaram o Messias e não depositaram nele a sua fé. No entanto, há um grupo minoritário que não o desprezou. Há um remanescente que creu em Jesus e tomaram posse de uma maravilhosa benção: “a todos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes a prerrogativa de se tornarem filhos de Deus”.

Num certo sentido, toda a humanidade tem o mesmo Pai, por ter sido criada pelo único Deus. Todavia, a filiação aqui apontada é diferente. Aqui é uma filiação que nos remete tomar posse de tudo aquilo que pertence a Cristo. Jesus é o unigênito do Pai no sentido de não ter sido criado. Tudo que é do Pai é dele. Os seres criados, homens e mulheres, que recebem a Cristo são gerados pelo Espírito Santo e tornam-se novas criaturas, sendo coparticipantes desta relação do Pai com Jesus. Não é uma filiação que depende de algo feito por nós, e nem tem a ver com ser da linhagem física de Abraão, como se orgulhavam os judeus (v.11). Os verdadeiros filhos de Deus são os que estão firmados em Cristo, que concedeu esta filiação de maneira graciosa, por ter nos amado desde a eternidade e nos chamado para si como povo adquirido e propriedade exclusiva do SENHOR. Louvado seja o Verbo eterno, a Luz dos homens. Ele é o nosso Natal, pois, por meio dele nascemos de novo para herdarmos tudo àquilo que foi prometido e cumprido em Jesus.

C.S. Lewis, o criador de Nárnia, disse que “O Filho de Deus tornou-se homem para possibilitar que os homens se tornem filhos de Deus”. Frase extremamente acertada. “O Verbo se fez carne e habitou entre nós...” A encarnação de Cristo, o nascimento que celebramos nesta época natalina, deve nos fazer lembrar que foi um ato de amor. O Verbo que sempre existiu assumiu a forma humana e foi um servo, mesmo sendo Senhor (vide Fl 2.5-11). Ao nascer entre os animais, num estábulo em Belém, e habitar entre nós, no mundo em que ele criou, ele estava iniciando o ministério que restauraria o que o pecado desfigurou.  A Palavra que criou, agora recria. Jesus, cheio de graça e de verdade, fez resplandecer a sua glória fazendo de corações manjedouras. Nascendo em meio às trevas, fez brilhar uma grande luz. Que neste Natal, a luz possa brilhar entre os homens, convertendo o seu status, para que não mais sejam pecadores, filhos da Ira. Que sejam filhos de Deus, herdeiros do Reino dos Céus.

Conclusão

Se você já é cristão e ouviu esta mensagem, celebre! Você é filho de Deus. Houve um dia em que se fez natal em seu coração. Não deixe que a frieza, o ceticismo ou as circunstâncias da vida lhe tirem a compreensão de quanto abençoado você é por ter esta filiação. Nada neste mundo se compara com a benção de sermos chamados de filhos pelo SENHOR. Caso você não seja, saiba que o Céu é um lugar restrito. Só entrarão os filhos, os nascidos de novo. Quem fica de fora viverá atormentado e longe daquele que lhe fez para experimentar comunhão com Ele. Minha oração é que você experimente um Natal dentro de si e que Jesus nasça em você, fazendo a luz irradiar de maneira tal que a escuridão seja varrida, assim como a noite se esvai com a chegada do astro-rei.

VOCÊ QUE É FILHO DA NOITE
QUE TATEIA PELA ESCURIDÃO
O VERBO VEIO A ESTE MUNDO
CONCEDER A VOCÊ SALVAÇÃO
CONFESSE-O POR SENHOR TEU
DEIXE A LUZ ALUMIAR O BREU
ALOJADO EM TEU CORAÇÃO

TORNE-SE UM FILHO DE DEUS
LEGÍTIMO E COHERDEIRO
DAS DÁDIVAS VINDAS DO CÉU
QUE VALEM BEM MAIS QUE DINHEIRO
NÃO HÁ O QUE SE COMPARE
MUITO MENOS SE IGUALE
A SER SALVO POR INTEIRO

A SALVAÇÃO É DOM DE DEUS
E PELA GRAÇA ELE NOS DOA
MENINO, HOMEM OU MULHER
SEJA QUAL FOR A PESSOA
ELE PERDOA O PECADO
CREIA NO VERBO ENCARNADO
E SERÁS UMA NOVA PESSOA.

Um comentário:

João Washington disse...

Excelente texto! Que nós possamos reconhecer sempre essa tão grande graça que nos alcançou!