1509725595914942

4 de set de 2015

O Cristão deve participar de greves?

Por Pedro Pamplona

Numa situação econômica e moral como a que o nosso país se encontra, as greves parecem brotar do chão por todos os lados. São inúmeras as reclamações e paralisações por motivos diversos. E claro, nós cristãos estamos inseridos nesse contexto. Seria relevante pararmos para pensar em como o cristão deve se relacionar com tais greves? Muitos diriam que não. Creio que muitos achem um assunto tão “normal” que não possui implicações religiosas.

Acredito que muitos ainda coloquem assuntos como esse no campo do secular, ou seja, sem envolvimento com o “meu eu religioso”. É assim mesmo? Penso que não. Claro, que não. Como seres e cristãos integrais, vejo nossa ética cristã (bíblica) adentrando e transformando nosso comportamento em todas as esferas da vida, principalmente no trabalho. Por isso quero fazer algumas considerações breves sobre a ética cristã e as greves. Cristãos podem participar?

Não tenho o objetivo de fechar o assunto e oferecer uma resposta universal e encerrada. As situações e contextos são muito diferentes, mas creio que podemos chegar ao bom senso cristão comum, digamos assim. A primeira coisa que devemos lembrar é que nem toda greve é ilegal. Vejamos o que diz a “Lei da Greve” ou LEI Nº 7.783, DE 28 DE JUNHO DE 1989.

- Art. 1º É assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender.

- Art. 2º Para os fins desta Lei, considera-se legítimo exercício do direito de greve a suspensão coletiva, temporária e pacífica, total ou parcial, de prestação pessoal de serviços a empregador.

- Art. 3º Frustrada a negociação ou verificada a impossibilidade de recursos via arbitral, é facultada a cessação coletiva do trabalho.

Essa lei possui 19 artigos reguladores das greves, mas somente esses três já no servem como um grande filtro de ética. Ainda nem cheguei na Escritura Sagrada, mas já posso afirmar que se a greve em questão não for pacífica nenhum cristão deve participar. É crime segundo a lei brasileira e segunda a lei de Deus. Segundo, se a greve começou sem nenhuma tentativa de resolução do problema por vias normais nenhum cristão deve participar. A greve é um último recurso, que deve ser evitado, não um atalho para resolver logo qualquer tipo de problema.

Se analisarmos a legalidade das greves veremos que muitas delas fogem dos princípios reguladores do Estado Brasileiro. Portanto, nós já deveríamos estar com a pulga atrás da orelha com qualquer tipo de greve em nosso contexto. Mas digamos que seja uma greve lícita, como descrita na lei. Devemos participar? Vejamos o que diz a Bíblia.

Devemos honrar e obedecer nossos patrões: O texto de Efésios 6:5-8 deixa isso claro quando se refere ao escravo e o seu senhor. Devemos lembrar que a escravidão naquele tempo e cultura não é a mesma que a do nosso Brasil colonial. Podemos mais facilmente aplicar esse princípio ao nosso trabalho hoje.

“Escravos, obedeçam a seus senhores terrenos com respeito e temor, com sinceridade de coração, como a Cristo. Obedeçam-lhes não apenas para agradá-los quando eles os observam, mas como escravos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus. Sirvam aos seus senhores de boa vontade, como ao Senhor, e não aos homens, porque vocês sabem que o Senhor recompensará a cada um pelo bem que praticar, seja escravo, seja livre.

Cristãos estão em pecado quando participam ou iniciam greves em que o princípio da obediência e da honra estão sendo quebrados. Não participe de greves que se iniciaram por debaixo dos panos, nem aquelas que têm como objetivo prejudicar os patrões. Não participe desses atos de rebeldia. Procure saber se o patrão já foi procurado para resolução dos conflitos e se ele sabe a respeito do problema e da greve. Procure saber a motivação real de quem está liderando o movimento.

Devemos honrar a nossa palavra e o contrato que assinamos: Aprendemos que a palavra de um cristão precisa ser direta e verdadeira como um “sim” e um “não”. A parábola dos trabalhadores na vinha serve de grande exemplo para o contexto das greves. Nela vemos que, independente do contexto e desigualdades, precisamos manter nossa palavra e contrato. Aconteceu que o dono da vinha pagou o mesmo salário aos trabalhadores que trabalharam em cargas horárias diferentes. Quando o questionamento sobre a injustiça se levantou eis a resposta do dono:

Mas ele respondeu a um deles: ‘Amigo, não estou sendo injusto com você. Você não concordou em trabalhar por um denário? Receba o que é seu e vá. Eu quero dar ao que foi contratado por último o mesmo que lhe dei. Não tenho o direito de fazer o que quero com o meu dinheiro? Ou você está com inveja porque sou generoso?”

Mateus 20:13-15

Não aproveite a greve para sair ganhando em cima de alguém. Não entre em algum movimento que contradiz sua palavra. Aquilo que você aceitou deve guiar seu procedimento. Não se importe se fulano entrou ganhando mais, trabalhe pelo que você assinou em seu contrato. Se estiver precisando de um aumento, peça, se não for possível procure outro emprego, mas não use da greve para burlar sua própria palavra de crente. Você está querendo participar de uma greve que luta contra aquilo que você mesmo acertou com seu patrão? Pare agora!

O comentário de Calvino sobre o nono mandamento (não furtarás) é muito esclarecedor:

Além disso, transgressão deste mandamento não é só prejudicar alguém quanto a dinheiro, comércio ou direito de propriedade, mas também quanto ao não atendimento a qualquer dever nosso e a qualquer direito do próximo. Porque tanto defraudamos o nosso próximo usurpando os seus bens como lhe negando os serviços que lhe devemos prestar. Assim, se um procurador ou mordomo ou administrador, em vez de zelar dos bens entregues aos seus cuidados, viver na ociosidade, sem se preocupar com o seu dever de procurar o bem daquele que lhe dá o sustento; se desperdiçar ou empregar mal o que lhe foi confiado, ou o gastar em coisas supérfluas; se o empregado zombar do seu chefe ou patrão, se divulgar os seus segredos, ou se planejar algo contra os bens dele ou contra a sua reputação ou contra a sua vida [Rm 13;1Pe 2; Tt 3]; se, por outro lado, o chefe ou patrão ou pai tratar desumanamente os seus subordinados ou a sua família, para Deus é um ladrão. Porque, aquele que não pratica o que a sua vocação o manda fazer pelos outros, com isso retém o que pertence a outros (As Institutas da Religião Cristã).

Por último e não menos importante (o mais importante), sonde o seu coração. Ore pedindo a Deus que revele o seu desejo pela greve. Se você está pensando nessa possibilidade pelo aumento salarial, cuidado. A ganância pode ser o real motivo. Muitos participam da greve com o interesse apenas de aumentar seus padrões de vida ou ganhar mais vantagens que o deixem em situação de mais conforto. Muitos estão motivados pela preguiça. Fuja disso! O texto de 1 Timóteo 6 encerra esse meu argumento com uma bela definição da relação do homem piedoso e o dinheiro:

“De fato, a piedade com contentamento é grande fonte de lucro, pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar; por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos. Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição, pois o amor ao dinheiro é raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos. Você, porém, homem de Deus, fuja de tudo isso e busque a justiça, a piedade, a fé, o amor, a perseverança e a mansidão.”

1 Timóteo 6:6-11

Greve e piedade não combinam na grande maioria dos casos. Minha opinião final é a seguinte: o filtro da Escritura e da piedade é grande quando se trata de greve. E eu poderia citar ainda várias outras passagens bíblicas. Você dificilmente encontrará uma que passe por essa análise e esteja dentro da lei humana, da lei divina, e da piedade do seu coração. Na verdade, creio que nenhuma greve seja totalmente santa. Portanto, se sua empresa ou categoria estiver em greve, não participe. Se você puder, vá trabalhar. Se não, fique em casa sem colocar mais lenha na fogueira. Na dúvida é melhor evitar. Em todo caso ore e peça a Deus discernimento. Glorifique a Deus não participando desse tipo de movimento social.

Nenhum comentário: