1509725595914942

4 de mar de 2016

Da "Liquidez" da Membresia da Igreja

Por Alan Rennê Alexandrino

Já é bastante conhecido o conceito de “liquidez” utilizado pelo sociólogo polonês Zygmunt Bauman. De acordo com ele, as relações humanas experimentaram uma drástica mudança durante a pós-modernidade, também chamada por ele de “modernidade líquida”. Bauman afirma que ideologias fortes ou “sólidas” características da modernidade deram lugar a ideologias “líquidas” marcadas pela fragilidade, pela incerteza e pela inevitabilidade de rompimento: “Os líquidos, diferentemente dos sólidos, não mantêm sua forma com facilidade [...] os fluídos não se atêm muito a qualquer forma e estão constantemente prontos (e propensos) a mudá-la”.[1]

A liquidez característica da pós-modernidade atinge todos os aspectos da existência do ser humano. A vida, em si mesma, é fortemente influenciada: “A vida líquida é uma vida precária, vivida em condições de incerteza constante”.[2] Consequentemente, os relacionamentos do ser humano também passam a ser caracterizados por esta fluidez. Outrora as pessoas faziam questão de cultivar relacionamentos profundos e duradouros. Um relacionamento que, porventura, viesse a enfrentar dificuldades não seria descartado. Antes, tudo aquilo que pudesse ser feito para salvar o relacionamento certamente seria feito. As relações afetivas do ser humano eram sólidas, por assim dizer. No entanto, com o advento da pós-modernidade as coisas mudaram. Relacionamentos são iniciados já com a certeza de que nem se aprofundarão nem durarão muito tempo. E, uma vez que há uma indisposição em se cultivar relacionamentos profundos, as pessoas fazem a opção pelos chamados “relacionamentos virtuais”, pois, como pontua Bauman:

Diferentemente dos “relacionamentos reais”, é fácil entrar e sair dos “relacionamentos virtuais”. Em comparação com a “coisa autêntica”, pesada, lenta e confusa, eles parecem inteligentes e limpos, fáceis de usar, compreender e manusear. Entrevistado a respeito da crescente popularidade do namoro pela Internet, em detrimento dos bares para solteiros e das seções especializadas dos jornais e revistas, um jovem de 28 anos da Universidade de Bath apontou uma vantagem decisiva da relação eletrônica: “Sempre se pode apertar a tecla de deletar”.[3]

Eu acredito firmemente que o que é afirmado aqui por Bauman pode ser aplicado à maneira como as pessoas se relacionam com suas igrejas locais em nossos dias. O relacionamento dessas pessoas com a igreja ou, em outras palavras, o seu compromisso como membros de uma igreja local também tem sido marcado pelo conceito de “liquidez”. Praticamente não há mais nenhum senso de pertencimento. Profissões de fé e batismos – que assinalam a entrada da pessoa na comunidade pactual – são feitos; promessas e votos a Deus e diante da igreja reunida são feitos; porém, em muitos casos, não há a menor intenção de se honrar tais promessas e votos. Não são raros os casos em que uma pessoa, pouco tempo depois dos votos assumidos por ocasião do seu batismo e profissão de fé, simplesmente deixa de ir à igreja e passa a frequentar outra. E é aterrorizante como praticamente ninguém vê problema neste tipo de prática.

Entretanto, numa época quando as pessoas não honram nem mesmo os seus votos matrimoniais, não é de admirar que elas se vejam indispostas a honrarem os votos que, como membros da igreja, um dia fizeram. Uma vez que casam imbuídos daquela mentalidade que diz que, “se não der certo, então, é só separar”, elas também assumem compromissos e fazem votos de membresia dispostos a quebrarem esses votos tão logo a igreja deixe de lhes satisfazer. Sobre isso, é interessante a maneira como Timothy Keller, escrevendo sobre o matrimônio, trabalha o conceito de relação de consumo. De acordo com ele, as relações de consumo “duram apenas o tempo necessário para que um fornecedor supra suas necessidades por um preço que você considere aceitável. Se outro fornecedor oferecer serviços melhores ou os mesmos serviços a um custo reduzido, você não tem obrigação nenhuma de manter a relação com o primeiro fornecedor”.[4] Nesse tipo de relação de consumo o que é importante é a satisfação das necessidades do consumidor, não o relacionamento em si. É exatamente dessa forma que outros relacionamentos além do casamento, como o compromisso da membresia têm sido tratados:

Os sociólogos argumentam que, na sociedade ocidental contemporânea, o mercado se tornou tão dominante que o modelo de consumo caracteriza cada vez mais relacionamentos que, historicamente, eram alianças, inclusive o casamento. Hoje em dia, mantemos os vínculos com as pessoas enquanto elas suprem nossas necessidades por um custo aceitável. Quando deixamos de lucrar com a relação – ou seja, quando o relacionamento parece exigir de nós mais apoio e amor do que estamos recebendo – saímos dele para “minimizar o prejuízo”.[5]

Afirmações como: “Não fui acolhido!”, “Não fui amado!” ou “Nunca se importaram comigo!” são amostras dessa mentalidade apontada por Keller. É claro que existem razões que justificam que uma pessoa deixe uma determinada igreja, da mesma forma como existem razões apontadas pelas Sagradas Escrituras, que permitem que uma pessoa se divorcie do seu cônjuge (Mateus 19.9; 1Coríntios 7.15). John H. Gerstner aponta que todos nós temos o solene dever de pertencermos a uma igreja visível. No entanto, resta a pergunta: “Quando devemos deixar uma igreja?” Gerstner responde: “A hora óbvia de se deixar uma igreja visível é quando a mesma deixa de ser uma igreja”.[6] E quando é que uma igreja visível deixa de ser uma igreja? Quando ela nega o evangelho de Jesus Cristo. Uma igreja deixa de ser igreja quando ela passa a abraçar outro evangelho que não aquele pregado pelos apóstolos: “Mas, ainda que nós mesmos ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Assim, como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema” (Gálatas 1.8-9). Uma igreja local – ou uma denominação – deixa de ser igreja quando, por exemplo, abraça o demoníaco liberalismo teológico e todas as suas implicações, como a ordenação de homossexuais. Sendo este o caso, é imperativo que deixemos a comunhão dessa igreja. Porém, quando este não é o caso, não temos permissão para quebrarmos o voto de membresia: “Certamente, jamais devemos deixar uma igreja antes que o próprio Cristo o exija. Se ele não nos separar, não nos atrevamos a separar; se ele nos separar, não nos atrevamos a ficar. Mas ele é muito mais relutante em nos separar do que nós somos”.[7]

Outra razão que justifica a quebra dos votos de membresia, de acordo com Gerstner, é “quando uma igreja exige que neguemos o que acreditamos ou acreditemos no que negamos”[8], isto é, quando uma igreja exige que neguemos uma doutrina não essencial que é crida por nós ou que abracemos uma que não é crida.

Mas o que se vê, hoje, no meio da igreja evangélica é de causar vergonha. As pessoas se separam de uma igreja local pelos motivos mais fúteis que se possa imaginar:

- Um casal de namorados põe fim no relacionamento. Então, um dos dois decide sair da igreja, para não encontrar mais o ex.

- Um membro da igreja é disciplinado por causa de um pecado cometido. Então, decide deixar a igreja e procurar uma que o receba “da maneira como ele está”.

- Termina o mandato de um determinado pastor naquela igreja local e ele assume o pastorado de outra igreja. Vários membros da antiga igreja resolvem deixá-la, a fim de seguirem o seu pastor aonde quer que ele vá.

- A pregação do novo pastor, conquanto fiel, não agrada a algumas pessoas. Então, elas rompem a membresia da igreja e procuram uma igreja onde a pregação do pastor lhes seja agradável.

- Uma família resolve deixar a igreja depois de muitos anos, afirmando não ter sido acolhida, amada, assistida pela igreja local.

- Um membro da igreja é contrariado por uma decisão do Conselho da igreja local. Insatisfeito, ele abandona a igreja e procura outra.

- Um membro da igreja fica aborrecido por uma correção pastoral. O que se segue é o rompimento dos vínculos com a igreja.

Enfim, existe uma infinidade de razões tolas, fúteis e até pecaminosas pelas quais os votos de membresia são rompidos nos nossos dias. Piora quando pastores de outras igrejas locais, destituídos de qualquer senso ético, contribuem com esse tipo de coisa ao estimularem tal comportamento. Não há mais a menor disposição de se permanecer numa igreja local, ainda que a sua pregação e exercício da disciplina sejam fiéis e a administração dos sacramentos correta. Ouço inúmeras histórias de uma época quando as pessoas e famílias estavam dispostas a permanecerem em suas igrejas locais, independentemente de qualquer coisa. Quando algum membro da família era disciplinado, a última coisa que passava pela mente da família era romper os votos assumidos no dia da profissão de fé. Alegra-me o coração ouvir de alguns dos meus paroquianos que são membros da igreja e discípulos de Cristo, não dos pastores que um dia passaram pela igreja. Não obstante, para a grande maioria das pessoas hoje é diferente. O que importa é se a igreja atende às expectativas do indivíduo. O que interessa para a pessoa é se a igreja local a serve. A pessoa está ali para ser servida, agradada e, jamais, pode ter suas expectativas frustradas e seus anseios negados. Ir contra as suas expectativas pode significar “perdê-la”. Eu fico me perguntando até onde esta postura reflete a mentalidade consumista da nossa época. Se uma determinada prestadora de serviço não está te satisfazendo, então, procure outra. Se determinada marca de macarrão caiu de qualidade e/ou aumentou o preço, então, basta procurar outras marcas. Há uma ampla variedade de marcas disponíveis. Tudo visando a satisfação do cliente e consumidor.

Aquilo que Bauman chama de “liquidez” e que eu apliquei aqui à maneira como muitas pessoas tratam os seus votos e juramentos quanto à membresia na igreja local, pode ser identificado com alguns conceitos presentes nas Sagradas Escrituras. Por exemplo, em seu famoso sermão escatológico o Senhor Jesus Cristo afirmou: “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos” (Mateus 24.12). Acredito não ser uma violação da hermenêutica bíblica entender que essas palavras podem ser aplicadas ao assunto aqui abordado. O amor pela igreja local tem esfriado. O senso de pertencimento tem arrefecido. Hoje a iniquidade fez com que os padrões estejam completamente invertidos. Antigamente, a principal razão de alguém amar uma igreja local era porque ali a verdade estava presente: “O presbítero à senhora eleita e aos seus filhos, a quem eu amo na verdade e não somente eu, mas também todos os que conhecem a verdade, por causa da verdade que permanece em nós e conosco estará para sempre” (2 João 1-2). As pessoas amavam a igreja por entenderem que ela foi amada por Deus também. Nossos pais na fé reformada amavam uma igreja onde a Palavra de Deus era pregada fielmente, os sacramentos eram administrados corretamente e a disciplina era exercitada. Eles amavam uma igreja assim, mesmo que ela ficasse localizada em lugares inóspitos. Porém, em nossos dias isso mudou drasticamente. A verdade já não é mais o motivo pelo qual as pessoas amam uma igreja e se doam a ela. Hoje, o critério que determina o “amor” é se determinada igreja ou determinado lugar faz com que as pessoas se sintam bem.

Da mesma forma, o apóstolo Paulo afirmou a Timóteo que nos últimos dias os homens seriam egoístas e desafeiçoados (2Timóteo 3.2-3). Além disso, falando a respeito de muitos cristãos professos, Paulo afirmou que muitos não suportariam a sã doutrina e se cercariam de mestres que atendessem exatamente aos seus desejos mais egoístas (4.3).

Este tipo de mentalidade danosa precisa ser extirpada do meio do povo de Deus. O pastor batista Mark Dever afirma que uma das marcas de uma igreja verdadeiramente saudável é um entendimento bíblico acerca da membresia da igreja.[9] Semelhantemente, Thabiti Anyabwile afirma que um membro de igreja saudável é aquele que é um membro comprometido com a sua igreja local, o que inclui a permanência e o senso de pertencimento.[10] E é a minha convicção de que a atual prática prevalecente e frouxa dos nossos dias só poderá ser mudada a partir do ensino e de uma maior seriedade no momento do exame de algum candidato à membresia da igreja.

Em Cristo,



[1] Zygmunt Bauman. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. p. 8.
[2] Zygmunt Bauman. Vida Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. p. 8.
[3] Zygmunt Bauman. Amor Líquido: Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. p. 13.
[4] Timothy Keller e Kathy Keller. O Significado do Casamento. São Paulo: Vida Nova, 2012. p. 99.
[5] Ibid. p. 100.
[6] John H. Gerstner. “Guia-me, Ó Grande Yahweh!”. In: Don Kistler (Ed.). Avante, Soldados de Cristo: Uma Reafirmação Bíblica da Igreja. São Paulo: Cultura Cristã, 2010. p. 177.
[7] Ibid. p. 178.
[8] Ibid. p. 183.
[9] Mark Dever. Nove Marcas de uma Igreja Saudável. São José dos Campos: Fiel, 2007. pp. 159-180.
[10] Thabiti Anyabwile. O que É um Membro de Igreja Saudável? São José dos Campos: Fiel, 2010. pp. 65-74.

3 comentários:

tiago andre disse...

Exelente texto, como é bom ter irmãos em cristo disponibilizando materiais com este, que Deus abençoe todos que estão engajados neste blog

fabricio milcamps disse...

O que vc acha do conceito de Bauman sobre a pos modernidade?

fabricio milcamps disse...

O que vc acha do livro 44 Cartas do Mundo Líquido Moderno?