1509725595914942

5 de out de 2015

Ideologia de Gênero - A Negação da Autoridade, da Realidade e da Verdade

Por Thomas Magnum

Num conflito de visões sócio-políticas entre o que é restrito e o que é irrestrito, com duas fontes fundamentais nesses dois pontos de partida, para um entendimento do que ocorre no Brasil, temos no pressuposto da visão restritiva o pensamento judaico-cristão fundamentando o ethos. No outro polo temos uma fundamentação ideológica romântica roussoniana que invalida e inviabiliza e busca aniquilar o conceito de pecado defendido pela tradição cristã histórica.[i]

Ao implementar essa questão, se está partindo de um princípio autônomo da razão, aniquilando um padrão restritivo à malignidade e vileza do homem pecador. Ao retirar de uma visão política o conceito de pecado, como faz o marxismo, abre-se a porta para todas as mazelas ideológicas, sejam elas advindas da direita como da esquerda.

Um posicionamento cristão conservador[ii] na política preservará essa questão crucial sobre o pecado e não uma ilusão utópica de uma bondade inerentemente humana que se desenvolverá sob um espectro do evolucionismo social que irá se utilizar de fatores como a teoria Queer e ideologia de gênero, irá fomentar o feminismo, a revolução afetiva, a guerra de classes, a banalização do aborto e a redução do valor da vida humana sob um prisma de energia, força e matéria.

Enquanto não tivermos cristãos intelectualmente preparados para versar sobre política teremos na fundamentação da teoria política predominante um conceito ateu e reducionista do valor da vida, da realidade, da verdade e da autoridade.  

Ao se negociar a validade da verdade verdadeira, como dizia Schaeffer, a questão gira em torno do estabelecimento da verdade como instrumento político que possa validar a vida humana e que não dissolva aquilo que o Ocidente tem herdado do Cristianismo. Ao deflagrar a ética do Cristianismo do Ocidente teremos um caos moral e intelectual instaurado nas mais variadas esferas da humanidade. Podemos citar o método de ensino que tem sido utilizado no Brasil com bases lançadas pelo socioconstrutivismo que inevitavelmente vai desembocar num pressuposto ateísta/materialista.

Se a realidade é negada como no caso da Ideologia de Gênero, teremos um colapso social, político e moral. Se a realidade é negada e no caso da ideologia o é, diz-se que, o que é não é. Se está dizendo que a realidade não é real, e isso causará uma desgraça sem precedentes. É obvio que tal engenharia social é fruto dos calabouços do gramscismo. A invasão e a onipresença da ideologia esquerdista/revolucionária destrona todo padrão defendido pelo Conservadorismo seja ele qual for. Para o gramscismo vale tudo para a obtenção do poder. Ao fundamentar-se numa filosofia epicurista se irá negar um julgamento ético por parte das organizações superiores e isso constatará e remontará na negação de um juízo vindo da parte de Deus pelos atos malignos dos homens. Sobre essa autoridade do Estado em legislar no âmbito moral e até religioso Schaeffer diz:

Deus estabeleceu o Estado como autoridade delegada; ele não é uma autoridade autônoma. O Estado deve ser um agente da justiça para restringir o mal, punindo o malfeitor, e para proteger os bons na sociedade. Quando ele faz o inverso, não tem autoridade legitima. Ele se torna uma autoridade usurpada e, como tal, se torna ilegal e é tirania.[iii]

Ao olharmos não muito longe vemos no Brasil um aparelhamento estatal, uma instrumentalização do poder. O Partido dos Trabalhadores tem usurpado o poder do povo e levado o país a bancarrota. Uma economia devastada e detonada pelos buracos causados pela bandidagem encabeçada pelos membros do PT e por partidos aliados na roubalheira. Temos um verdadeiro problema no país também no que se refere a oposição que não tenha uma ideologia socialista. As Universidades são os grandes berços da nova esquerda. As Instituições Federais de ensino são  o monastério da religião civil do marxismo. Dali saem médicos, sociólogos, filósofos, jornalistas, advogados, professores, todos com uma ideologia socialista revolucionária tendo sido discipulados pelos grandes representantes do marxismo cultural. E onde eles estarão atuando? Em todas as camadas da sociedade. Mesmo como uma esquerda caviar que pretensamente defende um pensamento de esquerda, mas, não deixa de vestir roupas caras e comer em bons restaurantes, defendem Cuba, Venezuela e Bolívia, e andam de carros importados. Não é uma contradição? Não, não é. Essa é a ideologia revolucionária, é a implementação de um totalitarismo. Qual é a utilidade de um marco civil para internet? Para manter o controle da mídia que na internet é o único lugar que não pode ser controlada pelo Estado, ou pelo menos não deveria poder. O governo exerce poder sobre a mídia, sobre as instituições de educação, sobre a política e com tudo isso utilizando-se do meio artístico para corroborar a engenharia social, comprando artistas como é sabido de todos nós. Atores, comediantes, cantores que são financiados pelo governo para apoiá-lo, para que? Para promover uma convergência cultural para um sentimento de paternalismo, para manipular as massas, aprisiona-las, colocar cabresto sobre elas.

A ideologia revolucionaria visa ser o grande coronel da história. Novelas sendo utilizadas como promotoras da revolução sexual, promovendo o sexismo, homossexualidade, feminismo, ideologia de gênero, adultério, divórcio e muitos outros fatores que o Cristianismo combate como manifestação do pecado e que são fatores destruidores da sociedade. O pensamento da esquerda socialista diz que o homem é bom, que ele é fruto do meio, que ele pode tornar-se ruim pela imposição de fatores sociais.  O homem é caído. Pecador. Ao retirar-se o pecado de uma filosofia política o que restará serão os cacos de uma sociedade? E isso vale tanto para os revolucionários como para reacionários. O pecado não pode ser retirado da reflexão social e da vivencia sociopsicológica do homem.

Se não existe pecado não existe ética, e o fato desse argumento ser levado tão a sério pelo pensamento revolucionário do marxismo cultural é que o rombo nos cofres públicos não são um problema ético para partidos socialistas, podem ser um problema econômico, mas, não ético.

O agendamento referendado pela ideologia revolucionária sobre a revolução sexual comtempla sem nenhum problema moral a pedofilia, zoofilia e o que mais você puder imaginar. Isso nada mais é (o padrão moral cristão) do que tabus que dever ser transpostos por uma nova elevação de valores. Logo se existir amor (dizem eles) entre um homem de quarenta e cinco anos e um menino de sete anos nada impede que tenham  uma relação amorosa e sexual.

A Engenharia Social é uma das mais eficazes ferramentas do marxismo cultural e também de outros esquemas de pensamentos totalitários. As vertentes da Engenharia Social estão em vários setores da sociedade como educação, política, artes, mídia, literatura, cinema e quaisquer outros meios de difusão de informação possíveis.

O campo de atuação da Engenharia social tem sido extremamente intenso na psicopolítica e biopolítica. Também temos claras atuações na política econômica e geopolítica e nas relações internacionais. Em nosso contexto temos uma atuação do Brasil como ponto focal para o fortalecimento de países da América Latina com o capital comercial que promoverá um suporte econômico para a proliferação do ideário revolucionário.

O método de ensino socioconstrutivista oriundo do romantismo de Jean Jaques Rousseau também é importante para as considerações a respeito do esquema que visa controlar e agendar a modificação cultural da sociedade que tem antecedentes cristãos em sua cultura Ocidental. Provindos das penas de Piaget e Vygostsky. Um conhecimento construído por abstrações fugindo do método clássico de ensino que perdurou por séculos. Nas últimas décadas o Brasil tem adotado tal cosmovisão de ensino causando males extremos na formação intelectual de crianças e jovens, com um fundo epicurista e niilista na educação, uma inundação de pressupostos éticos completamente desprovidos do mínimo de moral e distanciados de um abismo colossal dos princípios judaico-cristãos sobre educação e formação intelectual, moral e religiosa de crianças e jovens.

A Engenharia Social visa remodelar a cultura, ou promover uma revolução cultural como idealizada por Antonio Gramisci, a superestruturação do marxismo cultural através do pensamento de Gramisci surge de baixo para cima, tomando espaço em todas as camadas da sociedade criando assim uma estrutura de camada sobre camada de piso sobre piso. Implementando uma ideologia monstruosa de manipulação de massas e escravidão moral, psicológica e espiritual.

Não é difícil vermos casos de escolas públicas que estão adotando material didático e paradidático de conteúdo duvidoso e até satânico. A ideologia de gênero tem sido subliminarmente colocada nesses materiais, isso demonstra o tamanho da covardia e sordidez de gente que se diz educador e implanta monstruosamente na mente de crianças, padrões de reconstrução moral e social.[iv]

Na ideologia do marxismo cultural a negação da autoridade, realidade e verdade são fundamentais para a sustentação do edifício ideológico. A cosmovisão marxista necessita de uma estruturação e uma superestrutura para mover-se e implementar-se nas mais diversas esferas sociais.

Uma negação da autoridade tanto de Deus como causa primária, como dos pais em segunda instância, será sem dúvida os primeiros motes da ideologia de gênero. O plano de engendrar na mente de crianças através da educação como pela defesa da ideologia pelos meios massivos de comunicação minam a estrutura familiar cristã estabelecida nas Escrituras Sagradas, promovendo uma confusão na mente da criança com o fim de causar uma revolução em relação à autoridade dos pais na educação dos filhos.

Negando que o menino não tem sexo masculino, mas, gênero, temos uma negação da realidade. Se está dizendo para a criança que o que é não é. A solução para isso claro, será dizer que a sexualidade é construída socialmente. Um argumento que não se mantém de pé diante de vários fatores. Primeiro, se a sexualidade não é determinada com o nascimento do sexo masculino e feminino, qual o motivo que se nasce com órgãos genitais diferentes? Por puro acidente natural? Se for por acidente natural por que não houve evolução nessa área genética?[v] Se é por acidente natural, haveria outro meio de a humanidade continuar procriando se não por esses dois sexos? Homem e Mulher? De que forma então seria possível uma continuidade da raça humana sem a junção sexual de homem e mulher no coito? Qual é a referência então que uma criança (que como dizem os ideólogos de gênero) terá para saber seu sexo? Não seria os sexos que eles observam, Homem e mulher? Ora, se o modelo que eles observam são o parâmetro para a “escolha” qual é o motivo então que não se tem uma sexualidade neutra, para servir como parâmetro para a criança? Se o modelo são homem e mulher e a forma para que a procriação continue é através do ato sexual entre homem e mulher não tem sentido se defender que a opção contrária à heterossexualidade está correta. A heterossexualidade é criacionalmente necessária, filosoficamente necessária para a perpetuação da raça humana.  

Ao negar-se tanto a realidade como a autoridade[vi] se negará a verdade. Ao negar-se a verdade estamos numa areia movediça. Judith Butler que é a principal ideóloga da teoria Queer funda suas ideias em negação do que é, e advoga que o que não é é, e o que é não tem sentido de ser. É uma reconstrução metafisica, é uma alteração ontológica de fatos estabelecidos e imutáveis. Logo, quando o pensamento de esquerda no Brasil tem se colocado contra o estatuto da família, tem persistido na ideologia de gênero e principalmente pra que o Plano Nacional de Educação advogue a causa e o material didático nas escolas adotem a filosofia, se está defendendo a mentira, a negação da verdade, da realidade e da autoridade. Isso faz parte da agenda gramsciana do marxismo cultural que promove uma reestruturação social, alterando paradigmas e implantando uma falsa realidade que causará grandes males ao mundo. Em nenhum lugar do mundo o marxismo trouxe bem, não é possível ser marxista cultural e crer no cristianismo bíblico, há um confronto de cosmovisões, pois são antitéticas.


[i] Vide, Conflitos de Visões do Economista Thomas Sowell, publicado pela É Realizações Editora.

[ii] Ao utilizar o termo conservadorismo cristão, fujo de uma mera denominação ideológica ligada ao conservadorismo. Na verdade existem muitos conservadorismos que podem ser ligados a vários tipos de cosmovisões calcadas em pressupostos muito diferentes. Para uma triagem do que aponto aqui recomendo o livro de João Pereira Coutinho – As Ideias Conservadoras, pulicado pela editora TRÊS ESTRELAS. É importante que numa leitura política do Conservadorismo se distinga qual é a base do pensamento vigente. Outro exemplo claro de um pensamento Conservador Cristão é o livro – O Manifesto Cristão de Francis Schaeffer. O Conservadorismo Cristão ampara-se no conjunto de valores do Cristianismo e não é uma ideologia, mas, uma tentativa de fundamentar uma filosofia política baseada no ensino dos preceitos Bíblicos.  

[iii] O Manifesto Cristão – Publicado em conjunto com outros livros de Schaeffer pela editora Cultura Cristã com o Titulo: A Igreja no Século 21, p.208.

[iv] https://www.youtube.com/watch?v=ieCksdxllcI - Livros didáticos Satânicos nas Escolas e Veja o vídeo da entrevista do procurador da república Guilherme Schelb -https://www.youtube.com/watch?v=W6LmrpqtII0 – que tem combatido essa engenharia social nas escolas que tem destruído muitas vidas. As escolas e faculdades brasileiras se tornaram verdadeiros centros de doutrinação do marxismo cultural. Em inúmeros casos não há nem menção do nome de Marx por exemplo, mas basta fazer uma triagem no currículo acadêmico para constatar que as bases políticas, sócias e psicológicas da maioria dos cursos universitários tem fundamentação marxista. Para um mapeamento dos intelectuais mais importantes do marxismo recomendo o livro: Pensadores da Nova Esquerda do filósofo e jornalista britânico Roger Scruton publicado pela É Realizações.

[v] Refiro-me a evolução pelo fato de o marxismo está ligado ao materialismo e sequencialmente as teorias evolucionárias seja na ciência natural como nas ciências sociais.

[vi] Ao retratar a questão da autoridade vale apontar aqui não somente a causa religiosa do fato contrariado pela ideologia de gênero, mas a própria autoridade cientifica. A humanidade necessita de relacionamentos heterossexuais, esse é o modelo ideal para a humanidade, não temos como discutir contra essa questão. A homossexualidade é uma questão afetiva que não podemos negar que exista afeições verdadeiras no sentido de reciprocidade relacional nas partes, mas, que possui uma distorção e uma desafinação com o que Deus criou e planejou para os relacionamentos entre os sexos. Homem e mulher foram feitos por Deus para que se complementem. A criação do homem e mulher é complementar, é necessário. A homossexualidade não é necessária do ponto de vista criacional, destoa do que foi originalmente dito por Deus.

Um comentário:

Ligia Cesar disse...

Thomas compartilhei seu artigo, concordo com que foi dito, mas confesso que ao compartilhar o artigo estou publicamente expresando minha opinião e de certa forma assumindo uma posição. Estudo filosofia na Catolica e vejo lá tudo isso que você escreveu. Acho que quando eles tomarem conhecimento do meu pensamento vou sofrer retaliações. Ainda mais do que já sofro pois sabem que sou cristã.