1509725595914942

18 de nov de 2015

As nossas ilegalidades amortecidas

Por Morgana Mendonça dos Santos

É visto em diversos lugares uma grande massa de defensores da legalidade tanto na política quanto na religião, no entanto, não são pessoas honestas em suas práticas. Por isso, sobreveio-me um pensamento: e as nossas ilegalidades amortecidas ou entorpecidas? Sobre ilegalidade quero afirmar atos ou situações contrários à lei. Do verbo amortecer e/ou entorpecer quero enfatizar o significado de aplacado, diminuído o impacto, desfalecido. 

Fatores como o relativismo ético-religioso, pragmatismo, a ideia do politicamente correto, legalismo - no sentindo também de ativismo religioso - tem corroborado com uma postura de falsa santificação e falso discurso. Muitos dos que se opõe à política ou a religião tem como principal argumento a ilegalidade dos ministros religiosos ou as autoridades políticas. De fato, tem como comprovar claramente que a ilegalidade de forma brutal assolou a política e a religião como tantas outras esferas da nossa sociedade. 

Não foram poucas as vezes que ouvi comentários e até discursos sobre a questão de que, se quisermos um governo sem corrupção devemos primeiros nos manter como exemplos disso. Faz sentido? Acredito que sim. E creio que vale a pena gastar tempo pensando sobre "nossas" ilegalidades que perderam o impacto e estão amortecidas na nossa conduta cristã. Frases como: "não tem nada a ver", "que besteira isso". E até uma mais famosa travestida de piedade que diz: "certamente Deus conhece meu coração". Como se dissesse, "Deus vai entender dessa vez". 

São expressões carregadas de falsa piedade [1], tentativas autônomas de ditar suas próprias regras e até incutir isso como ensino a outros. Já repetimos diversas vezes sobre a situação das igrejas nos nossos dias, o cenário político está patente aos nossos olhos. Se temos uma resposta para isso, qual seria? O Evangelho [2]. Inevitavelmente é nas Escrituras que recobramos e refletimos sobre nossa conduta cristã [3]. Vida cristã foi prescrita pela Palavra, atribuir algo fora do que já está proposto não passa de escárnio e vitupério. 

Caro leitor, não encontre aqui um artigo acadêmico. Encontre aqui um conselho que serve tanto pra mim como para você. As Escrituras devem ser nosso espelho [4], aconselho até parar a leitura se já compreendeu o sentido desse texto e um auto exame seria um bom começo. Jonathan Edwards, um puritano e grande teólogo e pastor do seu tempo, nos orientou em seus escritos e sermões a ler as Escrituras contra nós mesmos. Nosso coração é enganoso e corrupto [5], Cristo afirmou que o coração é o centro de toda a ilegalidade [6]. Calvino, reafirmando as Escrituras declarou ser o nosso coração uma fábrica de ídolos, corrompido facilmente quando as Escrituras não tem primazia e de fato muitos de nós nem sequer conseguiríamos apontar as nossas próprias ilegalidades. 

Quando falo de ilegalidades falo no sentido proposto acima, sentido esse que identificamos como contrário à lei. Quais leis seriam essas? A Lei de Deus [7], ou seja, Sua Palavra. Colocar exemplos de nossas ilegalidades amortecidas levaria horas e várias páginas, digo "amortecidas" pelo fato de que sabemos ser errado, todavia, praticamos com justificativas acertadas ilusoriamente. Toda desculpa aparentemente parece ser algo que Deus irá concordar, ou algo que Deus não julgará. 

Uma mentira no trabalho pela ausência do dia anterior não é tão mal assim, uma fotocópia de um livro sem autorização da editora ou autor ninguém vai saber. Um álbum musical baixado na internet sem a devida autorização do cantor é para edificação da minha vida. Algo que tomou emprestado e não devolver não é errado, é apenas esquecimento. Um livro em PDF, um plágio de uma música, um sistema operacional copiado, um semáforo no vermelho, dirigir no celular. Um namoro que não tenha sexo, mas tenha todo tipo de carícias, o uso do material do trabalho para fins pessoais, uma omissão da verdade para a imigração numa viagem internacional, são inúmeras. 

Na última semana tive o desprazer de ler uma postagem de um servo do Senhor, cantor dos nossos dias, homem piedoso [8] pedindo encarecidamente para que os irmãos não baixassem seus CD's na internet, pois ele não autorizou. Isso significaria roubo, porém aqueles que fizeram tal ato poderiam fazer um depósito do valor do produto em sua conta bancária. Penso que deve ter sido constrangedor para muitos, mas, foi estarrecedor ler tantas críticas ao cantor, sendo difamado nas redes sociais. Mesmo ele dizendo acertadamente: "esse é meu pão, meu sustento". 

Tratar de uma ética cristã nos nossos dias deve ser sim uma preocupação pastoral, a guarda dos dez mandamentos e suas implicações [9] são fundamentais para ensinar neófitos e maduros na fé. Púlpito não serve para piadas e testemunhos, púlpitos devem ser utilizados para exposição bíblica e doutrinária. O quanto temos de ilegalidades? Temos o suficiente para nos arrependermos. E devemos nos arrepender para vivermos de forma piedosa. E quando olho para as minhas ilegalidades, me sinto envergonhada. Provando que nosso conhecimento está fadado a um falso discurso e uma falsa santificação, quando não usado para a glória de Deus e redundando assim em frutos piedosos. Como Calvino afirma: esse conhecimento de Deus deve nos levar a uma vida piedosa [10]. 

Que não sejam amortecidas as ilegalidades que provém do nosso coração... 

“Ninguém o despreze pelo fato de você ser jovem, mas seja um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé e na pureza.”

1 Timóteo 4:12

___________

Notas: 

[1]  II Timóteo 3.5.
[2]  Romanos 1.16-17; Hebreus 4.12.
[3]  Salmos 119.105.
[4]  Salmos 119.133.
[5]  Jeremias 17.9.
[6]  Mateus 15.19.
[7]  Êxodo 20; Deuteronômio 5.1-21.  
[8]  Stênio Marcius no seu perfil do Facebook. 
[9] Recomendo o estudo baseado no Catecismo Maior de Westminster comentado por Johannes Geerbardus Vos.
[10] Institutas da Religião Cristã, Livro I, capítulos  I e II.


Nenhum comentário: