1509725595914942

27 de nov de 2015

Cristo, o nosso contentamento

Por  Hugo Wagner
A palavra grega traduzida por Contentamento significa “esta alegre com o que tem”. Lembremo-nos das Palavras do apóstolo Paulo aos filipenses “... Pois aprendi está contente em toda e qualquer situação”. (Fp 4.11). Algumas vezes, essa palavra foi usada pelos  estóicos para qualificar uma pessoa que se mantinha sem a ajuda de ninguém, eles diziam que o verdadeiro contentamento brota da auto-suficiência. 

No caso de Paulo é diferente, ele entende que o segredo da tranquilidade e do perfeito contentamento está em Cristo. Podemos entender o contentamento Cristão como “estar satisfeito em Deus”; Paulo nos ensina que a nossa satisfação virá unicamente por meio do nosso relacionamento com Deus em Cristo; por termos comunhão de forma pessoal e íntima com ele; tendo alegria de adorá-lo, se deleitar em sua presença e em cumprir os seus mandamentos. O cristão encontra satisfação hoje na alegre comunhão com Deus. Dois temas dominam a carta de Paulo aos filipenses: A alegria do Crente e sua união com Cristo, ambas estão interligadas. 

Vemos isso quando o apóstolo exorta os filipenses dizendo “alegrai-vos no Senhor”; ele está dizendo claramente que a união do crente com Cristo é a fonte de sua alegria e de seu contentamento. Segundo Paulo, Cristo e o contentamento andam juntos. Por que em Cristo está o nosso contentamento? Claro que é por causa da nossa união com Ele:

POR MEIO DE UMA ALIANÇA – os crentes estão unidos com Cristo em um relacionamento de aliança. Cristo é o representante, o mediador e a garantia dessa aliança, ele é o cabeça do pacto. Todas as bênçãos e promessas da aliança ao seu povo se devem a Cristo, tudo isso chega a nós, por que estamos ligados a Ele por meio da união nesta aliança. Aliança de Deus, porém, está sempre segura, sempre firme e nisso o crente encontra contentamento.

E POR MEIO DE RELACIONAMENTO EXISTENCIAL – aqueles que confiam em Cristo, que estão unidos a Ele pela fé, também buscam viver uma vida de obediência aos seus mandamentos. Agindo de conformidade com sua Palavra para viver um relacionamento real com ele. Esse relacionamento de Cristo com a igreja, não é um relacionamento distante, estéril, pelo contrário, nessa aliança o Senhor Deus vem ao seu povo. A aliança da graça feita por Deus é uma promessa dupla: “Eu serei o vosso Deus, e vos sereis o meu povo”; o Deus vivo exige por meio da sua aliança um relacionamento vivo. A união com Cristo também se estende ao caráter de Cristo sendo formado em nós dia-a-dia quando o buscamos. Pois ele é o nosso Alvo, Ele nos supre. Só por meio dele conseguiremos ter um relacionamento verdadeiro com Pai e com a sua igreja. Que entendamos que nunca seremos feliz, completo ou totalmente satisfeito em nós mesmo ou em nossos prazeres. Só teremos o verdadeiro contentamento, em Cristo, pois ele nos completa.
    
Isso não quer dizer que o contentamento significa uma acomodação em relação aos desafios da vida, nem tampouco um desinteresse por melhorar o crescimento. Devemos continuar a nossa caminhada, sempre na total dependência do Senhor e com muita gratidão, pois, contentamento é o fruto de um coração grato.

Gosto da definição de Ricardo Barbosa em seu texto “o Limite do contentamento”; Ele define contentamento como “um estado de alma que descobriu que possui em Cristo tudo quanto lhe é necessário para sua alegria, paz e comunhão com Deus e os homens”.  
   
O contentamento é um dom de Deus que tem como origem a Sua perspectiva da vida. É isso, que aprendemos com a vida de Paulo através desta carta aos Filipenses. Desde o início, o Apóstolo ilustra com sua própria vida o contentamento que gostaria que os cristãos daquela igreja tivessem, assim como ele, unicamente em Cristo.
   
Aprendemos com Paulo através desta carta, que o contentamento é a Confiança na providência de Deus; que o contentamento é a Satisfação com o que Deus nos deu; Que o contentamento é a confiança no Senhor para superar as adversidades, o contentamento é a total dependência no poder Divino; O contentamento é entender que Cristo lhe supre - Paulo pôde enfrentar qualquer circunstância terrena com esta afirmação confiante: “Tudo posso naquele que me fortalece (Cristo)” (Fp 4.13).
  
O contentamento também é crer no cuidado de Deus para com os outros – O Apóstolo não olhava só pra si; Ele orava para que Deus suprisse em Cristo Jesus cada uma das necessidades daqueles irmãos (Fp 4.19). É a descentralização do eu. Se você vive para si mesmo, nunca estará totalmente contente. O que é a Cobiça? A murmuração e a inveja? Senão, aquilo que é contrário ao contentamento. Segundo Jean Daillé, pastor e teólogo reformado francês comentando esse texto disse: “acima de tudo, empenhemo-nos em ajudar e instruir uns aos outros naquele excelentíssimo conhecimento de que o apóstolo fala(contentamento). Pois a ignorância desse segredo é a mãe da injustiça e da inveja e de todos os males que elas produzem”.

É exatamente isso que Paulo desejou que em vez de viverem centrados em si mesmos, os filipenses deveriam preocupa-se com o bem-estar também dos outros. O homem é um ser social, foi feito para se relacionar com outras pessoas. O homem apresenta essas características por ter sido criado à imagem de Deus. Deus é satisfeito em sua relação trina: Pai, filho e Espirito Santo. Mas ele também se satisfaz em sua relação com a sua criação.
   
Gostaria concluir essa reflexão citando um frase do pastor Congregacional Inglês do Século XVII, chamado Jeremiah Burroughs, o mesmo falando sobre contentamento disse: "Um cristão deve estar satisfeito com o que Deus lhe concedeu como o objeto de sua fé (isto é, Jesus Cristo). O objeto de sua fé é alto e suficiente para satisfazer a sua alma, Agora, se você pode ter o objeto de sua fé, você tem o suficiente para o conteúdo de sua alma". Uma vez que Deus está contente nele mesmo, se você Ó tem, você estará contente com Ele sozinho”.

Um comentário:

Rosario fab disse...

SUFICIENTE!!! Contente sozinha com ELE!!
Tremendo Pastor!!