1509725595914942

6 de ago de 2015

Cristianismo e UFC combinam?

Por Thiago Oliveira

As lutas do UFC ganharam muitos admiradores ao redor do mundo. No Brasil não é diferente,muitos veneram esse evento esportivo e o colocam na lista dos seus preferidos, torcendo pelos lutadores tais como torcem por times de futebol. Este é o principal evento de uma modalidade chamada MMA, sigla em inglês para “artes marciais mistas”, já que os componentes misturam elementos diversificados de mais de uma arte marcial.

O UFC é uma fábrica de fazer dinheiro. Uma marca mesmo. Lucra pela imensa popularidade que arregimentou, popularidade esta que também alcançou o segmento evangélico. Há na modalidade os “atletas de Cristo”. Vítor Belford, um dos maiores nomes do MMA mundial, representa a categoria dos evangélicos que estão nesta modalidade. Existem até igrejas que têm projetos e promovem lutas de MMA. Todavia, existem muitas críticas sobre a validade desse esporte. Daí a pergunta provocativa que intitula este breve texto: Cristianismo e UFC combinam?

Primeiramente, gostaria de salientar que essa não será uma discussão pautada pelo gosto pessoal. Sabemos que muitas coisas são proibidas por conta da preferência do líder. Exemplo: Um pastor que não gosta de futebol proíbe os membros de sua igreja de jogarem. Logicamente, isto é um absurdo. No entanto, acontece o inverso em muitos casos. Determinada coisa é considerada lícita porque o pastor gosta daquilo. Assim sendo, sua preferência passa por cima de outros critérios, dentre eles o crivo da Escritura, nossa regra de fé e prática. Segundo, não estou aqui falando acerca das artes marciais como um todo. A maioria delas tem elementos espirituais que não convém aos cristãos, mas, é possível praticá-las sem o teor místico. Boa parte delas tem uma filosofia não-violenta e compartilham sentimentos nobres com relação ao ser humano.

A dificuldade com o MMA em si, e com o UFC, é a espetacularização da violência. Falam que é esporte, que ali há dois atletas que se preparam com muito afinco e disciplina, que estão em pé de igualdade e cônscios do que devem fazer ali no octógono (para os não familiarizados, octógono é o palco das lutas). Da disciplina e da consciência dos lutadores não discordo, mas, isso não responde a questão da violência. Sobre ela, em Provérbios 13:2 lemos Do fruto de sua boca o homem desfruta coisas boas, mas o que os infiéis desejam é violência.

A violência está no cerne do UFC. Os competidores provocam uns aos outros com palavras beligerantes. A tradicional encarada é um ato violento e intimidador,As lutas são banhadas de sangue e muitos saem completamente desfigurados do combate. Existem atletas que até postam fotos nas redes sociais de como ficam após os embates. Este é o ponto chave para mim, pois a violência não combina nem com a filosofia milenar das artes marciais, nem com a ética do Reino estabelecida por Cristo. Assistindo um reality show com lutadores que desejavam assinar um contrato para lutar no UFC, vi diversas vezes os concorrentes dizendo que resolveriam as tensões da convivência na porrada. Não houve nenhuma agressão física durante o programa, mas ameaças para que isso acontecesse não foram poucas.

O Grupo de Teologia e Educação de Lausanne propôs no Relatório de Willowbank (Bermudas, 1978) que uma forma de julgar a cultura é vendo se ela dignifica ou diminui a vida humana. Acredito ser esse um bom critério, uma vez que o Cristianismo histórico estabelece que o homem, apesar da sua natureza caída, ainda detém a imagem de Deus, pois nela foi criado. Portanto, toda a cultura é ambígua. Segundo o parágrafo 10 do Pacto de Lausanne: “Porque o homem é criatura de Deus, parte de sua cultura é rica 

Logo, o esporte como sendo um elemento cultural traz muitos benefícios oa ser humano, o que não quer dizer que seja todo o tipo de atividade esportiva. Se por esporte eu entendo que deva socar um semelhante e desfigura-lo e tirar-lhe o sangue, eu estou indo contra ao que diz Gênesis 9:6 “Quem derramar sangue do homem pelo homem seu sangue será derramado; 

Ah, mas o texto de Gênesis fala sobre o homicídio. Sim, mas o princípio é mais abrangente. De maneira semelhante trabalha o Catecismo Maior de Westminster a respeito do 6º mandamento (pergunta 136): 

Quais são os pecados proibidos no sexto mandamento?

Os pecados proibidos no sexto mandamento são: o tirar a nossa vida ou a de outrem, exceto no caso de justiça pública, guerra legítima, ou defesa necessária; a negligência ou retirada dos meios lícitos ou necessários para a preservação da vida; a ira pecaminosa, o ódio, a inveja, o desejo de vingança; todas as paixões excessivas e cuidados demasiados; o uso imoderado de comida, bebida, trabalho e recreios; as palavras provocadoras; a opressão, a contenda, os espancamentos, os ferimentos e tudo o que tende à destruição da vida de alguém. 
Gn 9:6; Ex 1:14;20:9,10;21:18-36;22:2; Nm 35:16,31,33; Dt 20.1-20; Is 3:15; Pv 10:12;12:18;14:30;15:1;28:17; Mt 5:22;6:31,34;25:42,43; Lc 21:34; At 16:28; Rm 12:19; Gl 5:;15; Ef 4:31; Hb 11.32-34; I Pe 4:3,4; I Jo 3:15; Tg 2:5,16;4:1.

Destaco as palavras “espancamentos” e “ferimentos”, pois são extremamente comuns nas lutas do UFC. Mesmo havendo um árbitro que não permite que a luta ocorra até a morte, os golpes a longo prazo podem acarretar problemas sérios de saúde, principalmente quando os golpes são deferidos na cabeça, sem nenhum equipamento de proteção. Outro catecismo reformado, o de Heidelberg, afirma que colocar-se em perigo é quebrar o sexto mandamento (resposta a pergunta 105). E diz mais! Na pergunta 107, indaga-se se é suficiente apenas não matar. A resposta do catecismo vai dizer que isso não é suficiente, e para não quebrar o mandamento para com Deus e para com o próximo “devemos evitar seu prejuízo, tanto quanto possível , e fazer bem até aos nossos inimigos”. 

Em suas Confissões (VI, 13), Agostinho fala de um amigo – Alípio – que recusava-se a ver a luta entre os gladiadores, mas, em Roma, seus amigos o levaram a um anfiteatro. O antes relutante, quando viu o gladiador no chão e o sangue deste derramado, foi tomado por uma paixão infame e virou mais um na multidão que não só aprovava, como também vibrava com toda aquela carnificina. Segundo Agostinho, aquele homem havia enlouquecido e perdido seu senso crítico. Ora, talvez seja exatamente o mesmo fenômeno que tem absorvido os cristãos de nossa época que vibram com o UFC e promovem suas lutas fazendo com que outros também gostem. 

Sei que muitos vão objetar dizendo que existe violência em esportes como o futebol. Mas, temos que observar que o objetivo do futebol não é a violência, diferente do MMA. No futebol, a violência quando ocorre dentro do campo é punida. Todo esporte de contato pode acarretar lesões. A diferença é quando as lesões ocorrem por choques acidentais e não por golpes endereçados ao corpo do oponente como meta para se obter a vitória. Como disse anteriormente, não se trata de preferência, tanto a Escritura, quanto os documentos da tradição reformada não dão margem para apreciarmos determinado esporte ou entretenimento. Por isso, todos aqueles que são fãs deveriam mortificar esse gosto pessoal a fim de glorificar a Deus e viverem segundo os seus padrões.

Soli Deo Gloria

Nenhum comentário: