1509725595914942

29 de ago de 2015

O testemunho cristão e uma vida perseverante de oração

Por Morgana Mendonça dos Santos

"Perseverai na oração, velando nela com ações de graças, orando ao mesmo tempo também por nós, para que Deus nos abra uma porta à palavra, a fim de falarmos o mistério de Cristo, pelo qual também estou preso, para que eu o manifeste como devo falar. Andai em sabedoria para com os que estão de fora, usando bem cada oportunidade. A vossa palavra seja sempre com graça, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um

Colossenses 4.2-6

Vivemos em mundo escravizado pela ideia da possibilidade de se viver como se Deus não existisse. Os cristãos são desafiados todos os dias a romperem com os pensamentos e ideias existencialistas. No mundo onde a verdade para muitos deixou de ser absoluta para ser relativa, uma secularização onde os valores e prioridades foram invertidos, chegando até a uma anarquia religiosa propagada por vários. Viver uma vida cristã piedosa e eticamente correta deixou de ser um fator primário para os cristãos, as pessoas vivem de forma deliberada, ao seu próprio modo, portanto temos hoje: funções invertidas nas famílias, diversidade sexual, pluralismo religioso, aparência espiritual, legalização do erro, intolerância à religião entre outros. Como cristãos o desafio tornou-se supremo e gigantesco: ir na contra mão do mundo, ir contra as heresias pregadas, ir contra as ideologias, ir contra e resistir firme diante da realidade gospel que hoje existe.

Portanto, temos aqui um texto bastante relevante para os nossos dias. Paulo nos orienta e exorta a viver em sabedoria, uma vida cristã perseverante nas disciplinas espirituais, um exemplo para os que estão de fora, testemunhando no momento certo e com palavras adequadas. De acordo com o contexto que viviam aqueles cristãos, Paulo começa a carta informando que ora por eles (Cl 1.3,9), declarando o quanto eles tem sido exemplo no meio daquela sociedade que viviam (Cl 1.4), Paulo roga a Deus pelo progresso espiritual da igreja de Colossos (Cl 1.10), enfatiza a fé que eles têm em Cristo e o amor pelos outros (Cl 1.4). Ora para que aqueles irmãos sejam plenos do conhecimento da vontade de Deus, com toda sabedoria e inteligência espiritual, para que eles possam andar dignamente diante do Senhor, frutificando em toda boa obra (Cl 1.9-10).  

No texto que estamos analisando em Cl. 4.2-6, Paulo mais uma vez exorta os cristãos para que tenham uma relevância em suas vidas diárias. Agora, aquele que orava, exorta a oração com diligencia, àquele que rogava a Deus pelos Colosensses pede oração para que aquela comunidade de cristãos rogue em seu favor. Mostrando assim a verdadeira forma de viver em meio ao contexto de heresias, ambiguidade, relativismo, falsas doutrinas. Esse verbo "perseverai" indica uma atitude de ser forte ou firme com relação a alguma coisa, suportar ou perseverar. Paulo nos orienta a perseverar em oração com ações de graças, os cristãos precisam ter uma atitude de gratidão na oração, sem cessar com total vigilância. Levando a igreja à responsabilidade do testemunho para com aqueles que estão de fora, não motivando o afastamento, mas orientando a viver, andar com sabedoria para com estes. A igreja precisava discernir o tempo, o melhor tempo para esse momento da resposta. A igreja precisava usar uma palavra com graça, temperada com sal e estar pronta para o testemunho no tempo exato. Que Paulo seja o nosso exemplo, mesmo preso vivia os seus dias para o Senhor e para a sua obra. Na prisão podia entender que a palavra não estava algemada, era necessário manifestá-la como seu dever que era o motivo pelo qual estava preso.

Podemos pontuar três verdades que nos levam a prática (como igreja) nesse texto:

- A primeira prática deve ser com a nossa vida devocional, nossa vida de devoção. Perseverar na oração com ações de graça, uma vida de adoração, intercessão e fervor uns pelos outros. É vital para o nosso testemunho a nossa vida de oração. 

- A segunda verdade que podemos extrair dessa mensagem é o testemunho para com os de fora, aproveitando as oportunidades com sabedoria. Observando o valor de ser um testemunho, essa sabedoria especifica não refere à aptidão no falar, mas sim, compreender a situação e reconhecer a hora certa para o testemunho eficaz. 

- A terceira verdade que podemos extrair dessa mensagem diz respeito à proclamação. Uma mensagem efetiva de forma interessante, ressonante para os ouvintes, sabendo que haverá objeções, mas, devemos saber responder no tempo certo a cada um.

Hoje, ao sermos confrontados com a realidade dos nossos dias devemos entender essa palavra para nós como igreja do Senhor, devemos nos submeter às Escrituras e compreender exatamente o que aqueles ouvintes perceberam diante das palavras do apostolo Paulo. Sejamos coparticipantes com a igreja de Colossos, na verdadeira doutrina e no poder de uma vida de oração e testemunho cristão. Termino com uma frase do teólogo João Calvino sobre oração: "o principal exercício da fé e o meio pelo qual recebemos diariamente os benefícios de Deus".

A Deus toda Glória. 

Nenhum comentário: