1509725595914942

23 de jan de 2015

A Escritura

Por Wayne Grudem

Todas as palavras na Escritura são palavras de Deus

Isso é o que a Bíblia declara sobre si própria. Há freqüentes declarações na Bíblia de que todas as palavras da Escritura são palavras de Deus (assim como palavras que foram escritas por homens). No AT, isso é muitas vezes visto na frase introdutória "Assim diz o SENHOR", que aparece centenas de vezes. No mundo do AT, essa frase teria sido reconhecida como idêntica na forma à frase "Assim diz o rei...", que era usada para prefaciar o edito de um rei aos seus súditos, um edito que não poderia ser desafiado ou questionado, mas que simplesmente deveria ser obe¬decido.1 Portanto, quando os profetas dizem "Assim diz o SENHOR", afirmam ser mensageiros do soberano Rei de Israel, a saber, o próprio Deus, e estão declarando que suas palavras são palavras totalmente plenas da autoridade de Deus. Quando o profeta falava no nome de Deus desse modo, cada palavra que ele falava tinha de proceder de Deus, ou ele seria um falso profeta (cf. Nm 22.38; Dt 18.18-20; Jr 1.9; 14.14; 23.16-22; 29.31,32; Ez 2.7; 13.1-16).

Além disso, é muitas vezes dito que Deus fala "por meio" do profeta (lRs 14.18; 16.12,34; 2Rs 9.36; 14.25; Jr 37.2; Zc 7.7,12). Assim, o que o profeta diz em nome de Deus é Deus quem diz (lRs 13.26 com v. 21; lRs 21.19 com 2Rs 9.25,26; Ag 1.12; cf. ISm 15.3,18). Nesses e em outros exem¬plos no AT, as palavras que os profetas falavam podem ser também referidas como as palavras que o próprio Deus falou. Portanto, descrer ou desobedecer a qualquer coisa que o profeta diz é descrer ou desobedecer ao próprio Deus (Dt 18.19; ISm 10.8; 13.13,14; 15.3,19,23; lRs 20.35,36).

Esses versículos, por si mesmos, não afirmam que todas as palavras no AT sejam palavras de Deus, porque em si mesmos estão se referindo somente a seções específicas de palavras faladas ou escritas no AT. Por força cumulativa dessas palavras, incluindo as centenas de passagens que começam com "Assim diz o Senhor", deve ficar demonstrado que dentro do AT temos registros escritos de palavras que são consideradas as próprias palavras de Deus. Essas palavras constitu¬em largas porções do AT. Quando percebemos que todas as palavras que faziam parte do "Livro da Lei de Deus" ou do "Livro da Aliança" foram consideradas palavras de Deus, vemos que a totalidade do AT afirma essa espécie de autoridade (v. Êx 24.7; Dt 29.21; 31.24-26; Js 24.26; ISm 10.25; 2Rs 23.2,3).

No NT, várias passagens indicam que todas as palavras dos escritos do AT são consideradas palavras de Deus. 2Timotéo 3.16 diz: "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça". Aqui "Escritura" (gr. graphé) deve se referir aos escritos do AT, porque é a eles que a palavra graprê se refere em cada uma das suas 55 ocorrências no NT. Além disso, é às "Sagradas Letras" do AT que Paulo se referiu anterior¬mente no versículo 15.

Paulo aqui afirma que todos os escritos do AT são theopneustos, inspirados por Deus. Visto que são escritos que foram "inspirados", essa inspiração deve ser entendida como metáfora de falar as palavras da Escritura. Esse versículo, dessa maneira, afirma brevemente o que era evi¬dente em muitas passagens do AT: OS escritos do AT são considerados Palavra de Deus em forma escrita. Pois Deus é quem falou (e ainda fala) cada palavra do AT, embora tenha usado agentes humanos para registrar essas palavras.

Indicação similar do caráter dos escritos do AT como palavras de Deus é encontrada em 2Pedro 1.21. Falando das profecias da Escritura (v. 20), que significa ao menos as Escrituras do AT às quais Pedro encoraja seus leitores a prestar atenção cuidadosa (v. 19), Pedro diz que nenhuma dessas profecias jamais "teve origem na vontade humana", mas que "homens falaram da parte de Deus, impelidos pelo Espírito Santo". Não é a intenção de Pedro negar completamente o papel da volição ou da personalidade humana ao escrever a Escritura (ele diz que homens "falaram"), mas, em vez disso, sua intenção foi dizer que a fonte suprema de cada profecia não foi a decisão do homem a respeito do que ele queria escrever, mas, antes, a ação do Espírito Santo na vida do profeta, cumprida de modos não especificados aqui (ou, de fato, em nenhuma parte da Escritu¬ra). Isso indica a crença de que todas as profecias do AT (e, à luz dos v. 19 e 20, provavelmente inclua toda a Escritura registrada do AT) são consideradas "procedentes de Deus": a saber, elas são as próprias palavras de Deus.

Muitas outras palavras poderiam ser citadas (v.Mt 19.5; Lc 1.70; 24.25; Jo 5.45-47; At 3.18,21;4.25;13.47;28.25;Rml.2;3.2;9.17;lCo9.8-10;Hbl.l,2,6,7),mas o padrão de atribuir a Deusas palavr as da Escritura do AT deve estar muito claro. Além do mais, em diversos lugares, todas as palavras dos profetas ou as palavras da Escritura do AT levam a essa crença ou nos compelem a crer que são de Deus (v. Lc 24.25,27,44; At 3.18; 24.14; Rm 15.4).

Mas, se Paulo estava se referindo somente aos escritos do AT quando falou de "toda a Escritura" como soprada por Deus em 2Timóteo 3.16, como pode esse versículo ser aplicado aos escritos do NT também? Será que esse versículo diz alguma coisa a respeito do caráter dos escritos do NT? Para responder a essas perguntas, devemos perceber que a palavra gregagraphè ("escritura") era o termo técnico para os escritores do NT e possuía um sentido altamente especializado. Embora ela seja usada 55 vezes no NT, em cada uma delas ela se refere aos escritos do AT, não a quaisquer outras palavras ou escritos fora do cânon da Escritura. Assim, cada coisa que pertencia à catego¬ria "escritura" tinha o caráter de ser "soprada por Deus": suas palavras eram as verdadeiras palavras de Deus.

Mas em dois lugares no NT vemos os escritos do NT também serem chamados "Escritura" juntamente com os escritos do AT. Em 2Pedro 3.15,16, Pedro diz: "Tenham em mente que a paci¬ência de nosso Senhor significa salvação, como também o nosso amado irmão Paulo lhes escreveu, com a sabedoria que Deus lhe deu. Ele escreve da mesma forma em todas as suas cartas, falando nelas destes assuntos. Suas cartas contêm algumas coisas difíceis de entender, as quais os ignorantes e instáveis torcem, como também o fazem com as demais Escrituras, para a própria destruição deles".

Aqui Pedro mostra não somente a consciência da existência de cartas escritas de Paulo, mas também a clara disposição de classificar equivalentemente "todas as suas [de Paulo] cartas" com "as demais Escrituras". Isso é a indicação de que muito cedo na história da igreja todas as cartas de Paulo foram consideradas palavras de Deus em forma escrita no mesmo sentido que os textos escritos do AT. Semelhantemente, em ITimóteo 5.18, Paulo escreve:"... pois a Escritura diz: 'Não amordace o boi enquanto está debulhando o cereal', e 'o trabalhador merece o seu salário'". A primeira citação vem de Deuteronômio 25.4, mas a segunda não ocorre em nenhum lugar do AT. É, ao contrário, a citação de Lucas 10.7. Paulo aqui cita as palavras de Jesus conforme encontra¬das no evangelho de Lucas e as chama "Escritura".
_____________
Fonte: O Calvinismo

Nenhum comentário: