1509725595914942

8 de mai de 2015

Por que a Pregação Expositiva é necessária nos nossos dias?

Por Alan Rennê Alexandrino

É bem verdade que a necessidade da pregação expositiva é evidente, em virtude de que somos gerados pela palavra da verdade (Tiago 1.18), somos santificados pela verdade da Palavra de Deus (João 17.17), e somos alimentados com as palavras da fé e da boa doutrina que temos seguido (1Timóteo 4.6). Não obstante, creio que quando observamos o que as Escrituras nos mostram acerca do modo como Deus alimenta e edifica a sua Igreja e leva adiante a expansão do reino, outras razões que evidenciam a necessidade da exposição bíblica em nossos púlpitos se tornam também mais claras. 

Na sua clássica obra Pregação e Pregadores, o Dr. David Martyn Lloyd-Jones faz a seguinte assertiva: “... eu diria, sem hesitação, que a mais urgente necessidade da igreja cristã, na atualidade, é a pregação autêntica. E, visto que esta é a maior e mais urgente necessidade da igreja, evidentemente ela é também a maior necessidade do mundo” [1]. De acordo com ele, esta necessidade tem sido contestada nos últimos tempos. Apesar disso, ela precisa ser afirmada e defendida, pois nada é mais importante do que o ensino dos crentes [2]. Sidney Greidanus pontua que, “se os pregadores contemporâneos, semelhantemente, desejam falar com autoridade divina, devem falar não sua própria palavra, mas a daquele que os enviou” [3]. Assim sendo, penso que a pregação expositiva das Sagradas Escrituras se faz necessária devido às seguintes razões [4].

Primeiro, pregação é a maneira revelada de Deus fazer a si mesmo e seu pacto salvífico conhecidos a nós. A Bíblia apresenta Deus, o Criador, como alguém que se comunica, e o tema e a substância da sua comunicação, desde o Éden, como um relacionamento gracioso e vivificante com pecadores remidos. Toda informação factual e todo direcionamento ético que Deus comunica através da sua Palavra escrita alimenta esse relacionamento, primeiro por estabelecê-lo através do arrependimento e fé em Jesus Cristo, e depois por aprofundá-lo através do crescente conhecimento de Deus e da maneira como servi-lo. Esta é a vida pactual do povo de Deus. A Bíblia estabelece que a maneira como Deus mantém a sua comunicação conosco é através da agência de homens enviados a nós como seus mensageiros. Como porta-vozes de Deus e de sua mensagem, os pregadores se tornam emblemas, modelos e incorporações do discurso pessoal de Deus para cada um dos seus ouvintes, e por seu próprio compromisso com a mensagem que trazem, eles também se tornam modelos da resposta pessoal à mensagem de Deus. Tais eram os apóstolos e profetas. Tal era o Senhor Jesus Cristo. E tais devem ser os pregadores dos nossos dias.

J. I. Packer chama isso de “comunicação encarnacional” [5]. De acordo com ele, somente a pregação bíblica expositiva capacita o pregador a referendar o que ele proclama, por ser transparentemente comprometido com a mensagem da Escritura de uma forma sincera e profunda. Somente a pregação expositiva possibilita que o pregador permaneça sob a autoridade da Palavra e da sua mensagem e faz com que ele conheça verdadeiramente o poder daquilo que ele proclama.

Segundo, a pregação expositiva comunica a força da Bíblia como nenhum outro meio é capaz de fazer. Do que foi dito anteriormente apreende-se que, a Sagrada Escritura, em e de si mesma, é pregação. De certo ponto de vista, a Bíblia é os servos de Deus, apóstolos e profetas, pregando. De outro ainda mais profundo, a Bíblia é o próprio Deus pregando. Alguns dos seus sessenta e seis livros, como os oráculos proféticos do Antigo Testamento e as cartas neotestamentárias, são, explicitamente, sermões. Além disso, os sessenta e seis foram escritos visando a edificação e o ensino das pessoas que conhecem o Deus vivo, e o amam, cultuam e o servem. Packer afirma: “O texto da Bíblia é o verdadeiro pregador, e o papel do homem no púlpito ou do conselheiro é simplesmente deixar que as passagens digam sua porção através dele” [6].

Pregar a Bíblia é afirmar e explorar a relação existente entre a Palavra de Deus (escrita e transmitida como Escritura pela agência do Espírito Santo, e agora aplicada aos nossos corações pela agência do mesmo Espírito) e vidas humanas. Pregar é explorar a relação das Sagradas Escrituras com a vida das ovelhas de Deus. A atividade de pregar a Bíblia faz com que ela seja aberta para a mente e o coração, e a atividade de ouvir a Escritura pregada, recebendo o que é dito, meditando sobre o texto e como a pregação o elucidou, e deixando-a aplicar-se aos nossos próprios pensamentos nos leva, verdadeiramente, para dentro da Bíblia, permitindo-nos compreender e apreender o que Deus está nos dizendo através do texto.

Terceiro, pregar expositivamente realça a identidade da igreja e esclarece o seu chamado como nenhuma outra atividade é capaz de fazer. Temos testemunhado em nossa sociedade uma crise de identidade quanto ao que significa ser igreja. Existe um senso de identidade extremamente fraco em muitas igrejas. A igreja é vista por muitos apenas como uma espécie de clube social ou como uma espécie de grupo de interesses comuns. Por essa razão, há urgência em se pregar a Escritura, seu evangelho, seu Cristo, e sua ética, de maneira que a debilitada consciência da igreja acerca da sua identidade e vocação. Pregar a Escritura é a única atividade que pode conseguir isso. É a única atividade capaz de manter diante do povo o senso de sua identidade como povo de Deus e povo do Livro, e de sua vocação, a saber, a de testemunhas de Cristo Jesus.
_________
[1] D. Martyn Lloyd-Jones. Pregação e Pregadores. São José dos Campos: Fiel, 2008. p. 15.
[2] Ibid. p. 35.
[3] Sidney Greidanus. O Pregador Contemporâneo e o Texto Antigo. p. 27.
[4] Adaptadas a partir de: J. I. Packer. “Why Preach?” In: Samuel T. Logan Jr. The Preacher and Preaching: reviving the art. Phillipsburg, NJ: P&R Publishing, 2011. pp. 3-24.
[5] Ibid. p. 16.
[6] Ibid. p. 37.

Nenhum comentário: