1509725595914942

20 de jun de 2015

A dupla purificação da piedade: Justificação e Santificação

Por Joel Beeke

Segundo Calvino, os crentes recebem de Cristo, pela fé, a “dupla graça” da justificação e santificação, as quais, juntas, provém uma dupla purificação. A justificação oferece pureza imputada; e a santificação, pureza atual.
Calvino define justificação como “a aceitação com que Deus nos recebe em seu favor como homens justos”. Ele segue dizendo que “posto que Deus nos justifica pela intercessão de Cristo, ele nos absolve não pela confirmação de nossa própria inocência, e sim pela imputação da justiça, para que, não sendo justos em nós mesmos, fôssemos reputados como tais em Cristo”. A justificação inclui a remissão dos pecados e o direito à vida eterna.
Calvino considera a justificação como uma doutrina central da fé cristã. Ele a denomina “o eixo principal em torno do qual a religião gira”, o solo sobre o qual a vida cristã e a substância da piedade se desenvolvem. A justificação não só serve para honrar a Deus, satisfazendo as condições da salvação; ela também oferece à consciência dos crentes “repouso pacífico e tranquilidade serena”. Como diz Romanos 5.1, “Portanto, sendo justificados mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.” Este é o cerne e a alma da piedade. Os crentes não preocupam-se com seu status junto a Deus, porque são justificados pela fé. Podem renunciar espontaneamente a glória pessoal e receber diariamente sua própria vida da mão do seu Criador e Redentor. Diariamente, batalhas podem significar perdas para o inimigo, mas Jesus Cristo já venceu a guerra por eles.
Santificação se refere ao processo no qual o crente paulatinamente é conformado a Cristo, no coração, conduta e devoção a Deus. É a contínua renovação do crente operada pelo Espírito Santo, a crescente consagração de corpo e alma a Deus. Na santificação, o crente se oferece a Deus em sacrifício. Isso não sucede sem grande luta e lento progresso; requer purificação da poluição da carne e renúncia ao mundo. Ela demanda arrependimento, mortificação e conversão diária.
Na opinião de Calvino, a justificação e a santificação são inseparáveis. Separar uma da outra é fazer Cristo em pedaços, ou como tentar separar a luz do sol do calor que ela gera. Os crentes são justificados para o propósito de cultuar a Deus em santidade de vida.
__________
Fonte: Espiritualidade Reformada: Uma Teologia prática para a Devoção a Deus

Nenhum comentário: