1509725595914942

17 de abr de 2015

Diminuição dos efeitos do Pecado (Série: Os Sete pecados da Igreja contemporânea)

Por Daniel Clós Cesar

Talvez você olhe para o movimento gospel e veja uma série de eventos e campanhas que parecem contradizer o que digo. Você vê Congressos de Batalha Espiritual, Cultos de Quebra de Maldições Hereditárias, atos proféticos contra o deus da Babilônia, etc. Mas isso mostra como a igreja enfrenta de forma pragmática e simplória o Pecado dentro da própria igreja.

Primeiro: Como o Pecado é visto na igreja? Suas definições beiram a estupidez mental, não fosse a clara minimização proposta por líderes do alto de seus púlpitos que na verdade desejam apenas dar a plateia o que ela deseja. O Pecado é definido como engano, como obra de Satanás, como erro de percurso, como vacilo... o famoso “sem-querer-querendo”. Menos como fruto da cobiça do homem que dando lugar a tentação permite o nascimento do Pecado que gera a morte (Tiago 1.15).

Mas se é tão simples sua definição, porque mascará-la? É uma falta de conhecimento do pastor ou do pregador? Absolutamente não. É descaradamente a manipulação da Palavra de Deus em prol do Homem, para glorificar o Homem e não Deus. Ai dizer que o Pecado é fruto da minha própria cobiça ou concupiscência, eu retiro a responsabilidade que costumamos colocar no diabo ou na vizinha que se veste de forma inadequada e coloco sobre o membro dizimista da igreja. Acontece que essa distorção dá também uma falsa ilusão de arrependimento e busca por santificação, pois, se o meu Pecado tem origem externa, não há nenhuma luta interna.

Segundo: Mas e os cultos e congressos de Batalha Espiritual e Quebra de Maldições Hereditárias? Mais uma falácia do movimento gospel. Porque o apóstolo Paulo não cita em nenhum momento esse tipo de evento, mas orações simples como: “Não deis lugar ao diabo” (Efésios 4.27)? Apesar das dificuldades de logística (organizar um evento), custo (torcer do bolso dos membros - ofertas e dízimos) e preparação (peças de teatro e coreografias de dança profética), um evento de Batalha Espiritual ou Quebra de Maldições resume a busca constante do cristão por Santificação e Dedicação ao Evangelho por um único ato. Ato de preencher uma ficha ou receber a unção profética feita com algum óleo comprado em uma loja de artigos evangélicos por R$5,99.

É muito mais simples para um pastor ou líder religioso promover um evento que dará as suas ovelhas o conforto, ainda que momentâneo (dura até o próximo evento), de seus pecados encobertos e de suas vidas desgarradas. Ir ao púlpito e “afirmar e determinar” libertação e cura, é mais fácil que dedicar tempo e joelhos para ensinar e orar pela igreja. Ainda que seja fisicamente cansativo pular três horas a frente de uma plateia, e mentalmente menos cansativo que buscar uma comunhão com Deus e lutar contra as trevas para a real conversão das ovelhas de sua congregação.

Terceiro: Mas temos que cuidar com o legalismo, não acha? Sim, é fato que a igreja cristã por muito tempo lidou com um legalismo exacerbado, e ainda luta em alguns nichos, no entanto, o caminho contra o legalismo não é e nem pode ser o liberalismo doutrinário ou teológico. As pregações contemporâneas tornaram-se verdadeiras anomalias doutrinárias, todo o tipo de bizarrice surge nos púlpitos diariamente, a criatividade do inferno parece não ter limites, beiram ao cômico, todavia, são trágicas.

O Pecado é tratado como um erro de percurso, ou pior, como uma oportunidade para o testemunho. O púlpito por vezes é espaço para contos eróticos de ex-garotas de programas ou histórias de bar de ex-alcoólatras. Pastores e líderes acreditam realmente que testemunhos de homens pecadores são mais fortes que o Testemunho da Cruz. Não é de admirar que tenha gente fazendo do prefácio da Bíblia sua biografia como forma de incentivar a leitura do livro sagrado. Ao invés de uma pregação expositiva como meio para a Salvação, o testemunho de sucesso torna-se o meio cambaleante de pessoas irem até Cristo. Acontece que o resultado disso é uma busca em Cristo pelos motivos errados. Cristo não é buscado por ser o Salvador, mas por ser o solucionador de problemas.

Pregadores do Evangelho necessitam mostrar a igreja o real estrago do Pecado em uma vida não transformada. Ele não deve ser elevado a posição de um deus a ser temido, mas não pode ser desprezado como apenas um sinal de nascença que não faz diferença no corpo. Não! Este sinal leva a morte. Pastores, sejam corajosos, e não covardes como vocês têm sido. Deus irá requerer de vocês. Não tenham preocupação maior com este tempo do que com a Eternidade.

Nenhum comentário: