1509725595914942

14 de abr de 2015

Solus Christus: A Supremacia de Cristo

Por Thomas Magnum

"Dando graças ao Pai, que nos tornou dignos de participar da herança dos santos no reino da luz. Pois ele nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou para o Reino do seu Filho amado, em quem temos a redenção, a saber, o perdão dos pecados. Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação, pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos ou soberanias, poderes ou autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele. Ele é antes de todas as coisas, e nele tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, que é a igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a supremacia".

Colossenses 1:12-18

Introdução
          
Somente o ato de ler o texto de Colossenses 1.12-18 já eleva os verdadeiros cristãos ao louvor e a adoração ao Cordeiro de Deus. Jesus é exaltado em sua sublimidade em sua majestade em sua glória. Ao falarmos da supremacia e dizermos que Cristo é supremo, não estamos apenas dizendo que Ele foi melhor que outros líderes religiosos. Não estamos dizendo apenas que ele foi moralmente superior aos homens mais idôneos que essa terra já teve, não estamos dizendo que ele foi o que teve mais sabedoria de todos dos sábios. Ao conclamarmos a supremacia de Cristo, estamos evocando sua majestade, sua soberania, sua glória, seu domínio, seu reino.
          
Estamos dizendo que Ele – A verdade, o caminho, a vida, o pão, a porta, a luz, o verbo, a água, a ressurreição, a sabedoria, o príncipe da paz o pai da eternidade, o maravilhoso conselheiro, o cordeiro de Deus, o Eu Sou, o alfa e o ômega, o principio e o fim é detentor de todo poder e como disse o apóstolo, o único digno de abrir o livro e desatar os sete selos. Estamos louvando aquele que é o cordeiro que foi morto antes da fundação do mundo, aquele que é nosso cordeiro pascal como disse Paulo em I Coríntios 5.7.
           
A supremacia de Cristo fala de sua égide real, fala de seus ofícios de Sacerdote, profeta e rei. Fala dos seus méritos na cruz do calvário, por quem nós fomos salvos e enxertados na videira. Por quem a parede da separação foi derrubada, por quem o documento que era contra nós foi anulado, aquele que nos fez mais que vencedores pelo seu amor. Não estamos falando do Jesus dos quadros, não estamos falando do Jesus dos filmes, não estamos falando do Jesus das músicas profanas, não estamos falando do Jesus dos teatros. Ao falarmos do supremo filho de Deus, estamos falando daquele que se humilhou, daquele que se tornou homem, daquele que como disse Calvino: Cristo ao fazer-se filho do homem junto conosco, nos fez filhos de Deus junto consigo. (Calvino – Institutas IV.17.2)
          
Estamos falando daquele que tem o domínio sobre tudo e sobre todos, estamos falando daquele que dirige e governa a história, estamos falando daquele que criou todas as coisas, que sem ele nada do que foi feito se fez. Esse mesmo, Cristo glorioso “nasceu por nós, viveu por nós, sofreu por nós, morreu por nós e ressuscitou por nós” (Institutas IV.17.5).

Rendendo graças a Deus Pai (v.12)
          
O versículo nos orienta a rendermos graças ao Pai primeiramente porque ele é o grande agente da nossa salvação, sua graça manifestada através de seu Filho Jesus é a causa última de termos sido transformados por seu imenso amor salvífico.

Temos a compreensão dessa convocação a ações de graças no início do versículo 12 na parte b do mesmo e no versículo 13. Devemos ser gratos pela – Herança da vida eterna e por temos sido transportados do reino das trevas para o reino de seu filho amado.

“A herança dos santos significa, a herança dos crentes redimidos, isto é, daqueles que, tendo-se retirados das trevas e tendo sido trazidos à luz, são consagrados a Deus”. [i]

“Essa herança dos Santos é ao mesmo tempo herança na luz. Essa luz é o conhecimento da glória de Deus na face de Cristo (2 Co 4.16), é o amor de Deus derramado pelo Espírito em nosso coração (Rm 5.5); a paz de Deus que excede todo entendimento (Fp 4.7); a alegria indizível e cheia de glória (1 Pe 1.8)”.[ii]

A intensão de Paulo ao exortar os crentes em Colossos a serem gratos a Deus era a centralidade de Cristo na vida comunitária da igreja e na vida de cada crente individualmente como disse Calvino ao comentar o versículo 12:

“Pois somente Cristo faz com que as demais coisas desvaneçam subitamente . Daí não há nada que Satanás se esforce mais em fazer do que provocar nevoeiros a vista de obscurecer Cristo, porque ele sabe que por esse meio se abre uma via de acesso a todo gênero de falsidade, portanto esse é o único meio tanto de reter como de restaurar, a doutrina pura – colocar Cristo diante dos olhos como ele é com todas as suas bênçãos, para que sua excelência seja realmente percebida.”[iii]

Calvino nos diz ainda em seu comentário aos Colossenses que se deve atentar para as cores que Paulo pinta Cristo nesse texto, a beleza das verdades sobre a supremacia de Cristo são evidenciadas como aponta Calvino “Cristo é o começo o meio e o fim – que é nele que todas as coisas devem ser buscadas – que nada é nem pode se encontrado fora dele.” [iv]

A gratidão que Paulo nos exorta a ter por tudo que Deus fez por nós nos leva a entender que:

Gratidão é votar os olhos para o passado e com esperança direcionar os olhos para o futuro. Nossa vida deve ser um eterno hino de gratidão a Deus, por aquilo que Ele fez, faz e fará por nós.[v]


A Supremacia de Cristo na Obra da Redenção (1.13,14)

No trecho que estamos examinando temos a referência histórica que havia um ataque de hereges a igreja e principalmente a obra da redenção e da criação. Os gnósticos afirmavam que a matéria era essencialmente má, algo que era uma herança do platonismo que afirmava que o mundo perfeito era a dimensão das ideias a matéria era inferior ao mundo espiritual. Ao afirmarem isso os hereges diziam que Cristo não tinha encarnado e invalidavam automaticamente a obra criadora de Deus e a obra redentora de Cristo.

No versículo 13 temos algumas lições importantes ensinadas pelo apóstolo

1. Existe um império um reino das trevas em que os homens sem Cristo são escravos, prisioneiros, e esse reino está sob a égide de Satanás.
2. O homem por si mesmo não pode libertar-se desse reino de trevas, por sua vontade nunca sairá, pois está sob o domínio de um reino.
3. Somente Cristo liberta o homem desse reino de trevas e maldade, somente Cristo nos transporta para seu Reino.

Estávamos imersos em trevas, sem perspectiva, sem direção, “pois onde quer que sua graça não esteja, aí só existem trevas.”[vi]

Ao chegarmos ao versículo 14 destacamos três pontos sobre a nossa redenção em Cristo

1. Deus nos redimiu como povo seu, propriedade exclusiva dele para louvor da sua glória.
2. Deus pagou um alto preço pela nossa redenção, nos diz a Escritura em Atos 20.28 que ele comprou a igreja com seu próprio sangue.
3. Deus não pagou esse preço a Satanás, mas, a si próprio.

Fomos perdoados em seu filho, somente o Deus encarnado poderia realizar a reconciliação da humanidade caída com ele mesmo, somente Deus tomando a fraqueza humana poderia levar-nos a ele novamente, somente o sangue do próprio Deus em Jesus Cristo poderia pagar o preço da nossa libertação, da nossa redenção. Os sacrifícios de animais eram imperfeitos como nos diz o escritor aos Hebreus, mas, o sacrifício de Jesus pagou o preço, um sacrifício sangrento, perfeito, imutável.

A Supremacia de Cristo na Obra da Criação (1.15-17)

Ao chegarmos a esse ponto de nosso texto considero importante notarmos que a doutrina da criação tem sido atacada desde tempos remotos. A tese de que Cristo não havia criado o mundo permeava a igreja de Colossos com os ensinos dos gnósticos. Invalidar a doutrina da criação é minar todo o evangelho, é tentar destruir toda a revelação de Deus na Escritura, é manifestação de um pensamento liberal que tenta conciliar o Darwinismo com as Escrituras e todas as vezes que se tenta somar algo as Escrituras as mesmas saem perdendo. O ataque a doutrina da criação não começou com Darwin, mas, já havia no mundo antigo a ideia que não havia um criador eterno, uma causa última e incausada. No versículo 18 lemos que Jesus é o princípio é o arché, dele procede a criação, ele é o causador e a finalidade da criação. Por ele o mundo subsiste, por ele a criação foi criada e é sustentada chamamos isso de imanência, por ele somos salvos e seremos ressuscitados por ele ser o principio e o primogênito dentre os mortos.

Voltemos ao texto propriamente.

Ele é a imagem do Deus invisível (v.15)

Calvino ao comentar esse versículo nos diz que Jesus faz de certa forma Deus visível a nós.[vii] Ao lidarmos com o que a palavra empregada para imagem quer dizer aqui temos um sentido amplo e teologicamente firme da intensão de Paulo no uso da palavra imagem. Dr. John MacArthur nos diz:

A Palavra grega para imagem é eikón, de onde deriva a palavra ícone em português. Significa cópia ou semelhança. Jesus Cristo é a imagem perfeita – a semelhança exata – de Deus e subsiste na forma genuína de Deus (Fp 2.6; Jo 1.14; 14.9), e tem sido assim desde toda a eternidade. Ao descrever Jesus dessa maneira, Paulo enfatiza que ele é tanto a representação como a manifestação de Deus. Portanto ele é plenamente Deus em todos os sentidos. [viii]

Ao esclarecer o texto de Paulo aqui temos uma referência paralela em Hebreus 1.3:

Ele que é o resplendor da sua glória, e a expressão exata do seu Ser, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas;

O escritor aos Hebreus ao usar o termo a expressão exata do seu Ser nos desperta um ponto interessante. O termo só é usado aqui em todo o Novo Testamento, na literatura antiga o termo era usado como referência a um entalhe em madeira, uma gravação em metal, uma marca na pele de animal, uma impressão em barro e uma imagem estampada em moeda. “Ser” é uma palavra que expressa natureza, pessoa ou essência. O filho é a impressão perfeita, a representação exata da natureza e da essência de Deus no tempo e no espaço.[ix]

 O Primogênito de toda criação

Nos nossos dias as Testemunhas de Jeová que são herdeiras do arianismo que negava a divindade de Cristo tentam se valer dessa expressão para dizer que Jesus é uma criatura de Deus, que Jesus não é o Deus todo-poderoso, afirmando que o termo primogênito tem apenas um sentido que é o primeiro gerado. No entanto nos tempos bíblicos o termo primogênito como também usado em Hebreus 1.6 e Romanos 8.29 se referem aquele que possuía a herança do Pai. O herdeiro. O termo primogênito aqui significa aquele que está na mais alta posição, a exemplo disso tanto na cultura judaica como na grega o primogênito era aquele que recebia a herança em maior parte, dobradamente. Não necessariamente o primogênito teria que ser sempre o primeiro, vemos o caso bíblico de Esaú que vendeu sua primogenitura a seu irmão Jacó. Em passagens como Êxodo 4.22; Jr 31.9, vemos que Israel era a nação preeminente mesmo sem ter sido a primeira a nascer.

Todas as coisas foram criadas para Ele

No versículo 17 lemos que para ele todas as coisas foram criadas, nele tudo se sustenta, ele é o criador e mantenedor de sua obra criadora, aqui o deísmo é minado pela Palavra de Deus, Deus não é apenas transcendente a sua criação, mas, também imanente. Como nos diz ainda o versículo 16 que ele criou tudo que é visível e invisível. O Deus trino é evocado no pensamento paulino veja que em Romanos 11.33-36, Paulo atribui a finalidade da criação ao Deus eterno, porque dele, por Ele e para Ele são todas as coisas. Aqui lemos que Deus criou o mundo através de se Filho amado e criou não só por meio dele, mas, para Ele. Diz o texto em Cristo tudo subsiste i.e. Lit. “manter unido”, Cristo sustenta o universo, mantendo o poder e o equilíbrio de todas as coisas.

A Supremacia de Cristo na Igreja (1.18)

Cristo o cabeça do corpo

Talvez fosse desnecessário falar da supremacia de Cristo na igreja depois de ter falado de sua supremacia na redenção, mas, considero importante para um claro entendimento do trecho que estamos considerando o texto sagrado nos diz que Cristo é o Cabeça do Corpo, da igreja. Ainda nos diz que Ele é o primogênito dentre os mortos para ter a supremacia. A metáfora usada por Paulo para igreja como corpo já é bem conhecida, no entanto vale ressaltarmos aqui que o corpo é dirigido pelo cérebro, sem a cabeça o corpo não é nada, não faz nada, não pode nada. Sem os comandos cerebrais o corpo é invalido, sem mobilidade, sem expressão. Todo movimento do corpo vem de comandos do cérebro, da mesma forma Cristo controla todas as partes da igreja, ele é o cabeça, dele provem a vida do corpo, a expressão do corpo, a vitalidade e alegria do corpo, Cristo é supremo sobre o corpo que é a igreja.

O Principio

Cristo é mostrado também por Paulo como o principio. Na epístola aos Efésios Paulo nos diz que a igreja tem origem em Cristo (Ef 1.4). Nesse trecho do versículo 18 mostra Cristo como a fonte e como o preeminente.

O Primogênito dentre os mortos

Jesus foi o primeiro a ressuscitar, provendo para nós também a ressurreição. Pois em suas palavras Ele é a ressurreição e a vida. Em ordem cronológica ele foi o primeiro (Jo 5.28,29). No que se refere à vida eterna.

Aplicação

O texto que meditamos nos leva a edificantes aplicações em nossa vida cristã. Primeiro, devemos crer e compreender que Cristo é supremo, soberano e é Deus. Segundo, Cristo é suficiente para nossa vida, sua vida em nós é o que de mais precioso temos. Terceiro, a criação é dele, ele tudo criou, por ele e para ele são todas as coisas, por tudo isso devemos viver para louvor de sua glória. Quarto Cristo é supremo em sua santidade, e nos seus méritos na cruz nos santifica e requer de nós santidade. Quinto, Cristo é supremo em sua justiça, ele governa todas as coisas e ainda que não entendamos o concursus divinus de sua providência dirige toda a história e sua ira se acumula para o dia do juízo.

"... ao único Deus, nosso Salvador, sejam glória, majestade, poder e autoridade, mediante Jesus Cristo, nosso Senhor, antes de todos os tempos, agora e para todo o sempre! Amém".

Judas 1:25

Solus Christus
______________________
[i] - Hendriksen, William. Comentário de Colossenses p. 320 – ed Cultura Cristã.
[ii] - Hendriksen, William. Comentário de Colossenses p. 320 – ed. Cultura Cristã.
[iii] - Calvino, joão. Comentário Expositivo de Colossenses p. 502 – ed. Fiel.
[iv] - Calvino, joão. Comentário Expositivo de Colossenses p. 502 – ed. Fiel.
[v] - Dias Lopes, Hernandes. Colossenses. A suprema grandeza de Cristo, o cabeça da igreja p.66 – ed. Hagnos.
[vi] - Calvino, João. Comentário Expositivo de Colossenses p. 503 – ed. Fiel.
[vii] - Calvino, João. Comentário Expositivo de Colossenses p. 505 – ed. Fiel.
[viii] - MacArthur, John. Bíblia de Estudo MacArthur p.1628 – ed. SBB

[ix] - ibdem.

Nenhum comentário: