1509725595914942

18 de set de 2014

O que impede a igreja de crescer?


Por Morgana Mendonça dos Santos

Estamos às portas para mais um dia em memória à Reforma Protestante. No dia 31 de outubro de 1517, o monge agostiniano Martinho Lutero, pregou na porta do Castelo de Wittenberg suas 95 teses, contra aquilo que a Igreja Católica Romana estava pregando e se desviando. O papa Leão X querendo reconstruir a basílica de São Pedro, cria as indulgências como um meio para arrecadar fundos financeiros de forma ilegítima e impiedosa.  Lutero ao deparar-se com esse desvio, conclama o "Somente as Escrituras", desejando não dividir a igreja nem desvia-la da verdade, pelo contrário, ele queria levar a igreja de volta ao antigo evangelho, ao verdadeiro evangelho, as Escrituras Sagradas, a doutrina dos apóstolos.

O pensamento reformado do "Sola Scriptura" levou os cristãos de volta a natureza das Escrituras, confessando sua inspiração, inerrancia, infabilidade, suficiência e autoridade. O desvio ou afastamento dessa verdade resulta em grande perigo que atenta fortemente contra o crescimento saudável da igreja. Ao olhar para o capítulo oito do livro de Neemias, percebemos essa supremacia, primazia e os efeitos que causam a exposição fiel das Escrituras Sagradas. Hernandes Dias Lopes[1], afirma, que esse capítulo é o texto áureo sobre a pregação expositiva no Antigo Testamento. Convido você a fazer a leitura do capítulo oito de Neemias antes de continuar a leitura desse texto.

Quando nos aprofundamos ao estudo do livro de Neemias, percebemos que muito mais importante do que uma reconstrução dos muros de Jerusalém (construído em 52 dias - Ne 6.15), isto é, uma restauração social, política, foi a restauração espiritual. A maior reforma que Neemias implementou foi a restauração da autoridade da Palavra de Deus sobre o povo. Freston [2], diz que o grande impacto causado pela leitura da Bíblia por Esdras é comparável ao impacto da Bíblia na época da Reforma. A pregação fiel das Escrituras Sagradas é o meio pelo qual a igreja cresce em qualidade provocando quantidade. A pregação causa uma reação, um efeito, uma mudança e isso podemos chamar de avivamento.

Observando e meditando no capítulo oito de Neemias, percebemos o efeito que a pregação da Palavra de Deus causou naquele povo. Essa exposição bíblica atinge o intelecto (8.8), as emoções (8.9-12) e a vontade (8.11-12). As reações foram notadas pelo autor do livro, ele descreve o choro (8.9), quebrantamento do povo e a alegria (8.10) por conta da restauração. Encontramos nesse contexto após a restauração dos muros, um grande avivamento provocado pela proximidade e sede que o povo sentiu pela Palavra de Deus, o sacerdote e escriba Esdras (8.9) pôde ler as Escrituras (8.2-3,5), explicar as Escrituras (8.7-8) e aplicar as Escrituras (8.9-12), formando assim o tripé do sermão expositivo, ou seja, os três pontos principais de uma pregação expositiva. Calvino dizia que a pregação é a explicação do texto.

Todavia, o que acontece com uma igreja que se desvia ou afasta-se das Escrituras Sagradas? Ou, que perigo milita fortemente contra o crescimento saudável da igreja?

Poderíamos citar vários, no entanto, pontuaremos quatro perigos contra esse crescimento saudável. Ao observar a questão da estagnação em que a igreja vive, uma mornidão, um cheiro de morte, notamos claramente a presença do que chamamos liberalismo teológico. Uma bactéria instalada nas cátedras que desce pelos púlpitos e mata as igrejas, esvaziando as Escrituras, descredibilizando sua veracidade, negando sua inerrancia. Fruto do Iluminismo e Racionalismo, um veneno mortífero, que arrazoou com as igrejas na Europa, resultando em um período pós cristão. Um pensamento que desacredita e rejeita a autoridade da Escritura e sua inspiração, desprezando sua suficiência e reduzindo-a a questões científicas. Rejeitando seu aspecto sobrenatural, desvalorizando a pregação do evangelho e implantação de igrejas, contaminando púlpitos e matando o rebanho.

Um outro ponto seria o que chamamos de sincretismo religioso, uma tentativa de negar a suficiência das Escrituras, reduzindo a experiências ou rituais. Fazendo uso de um misticismo cultural disfarçado de rituais de fé. Um plano tendencioso para desviar a igreja da ortodoxia e submete-la a experiências. Hoje, temos todos os tipos de misticismos dentro das igrejas, como forma de culto, são campanhas, copos de água que receberam uma oração especial, rosas ungidas, manto sagrado e por aí vai... Simplesmente levando a igreja a provocar náuseas no Senhor.

Ortodoxia morta, seria nosso próximo ponto perigoso, que tem levado as igrejas a um estado de ruína, diferente do que viveu o povo de Deus no capítulo oito do livro de Neemias. Aqui, temos um grande alerta, em caso grave! As Escrituras perdem sua autoridade no que chamamos de ortodoxia morta, sua infabilidade ainda acreditada porém sem a práxis. Uma vida que prega o que não vive, uma ortodoxia sem piedade. Uma teoria que impede a conduta de uma fé bíblica, uma verdadeira vida farisaíca, sepulcro calhado.

A situação que impede a igreja viver aquilo que viveu nos tempos bíblicos o povo de Deus, com a volta as Escrituras, com a aplicabilidade da palavra de Deus pode ser o que chamamos de superficialidade no púlpito. Nos dias atuais, conseguimos com facilidade em rádios, redes sociais e programas de televisivos encontrar analfabetismo bíblico. A preguiça, negligência nos sermões, desvalorização das Escrituras resulta em fome, desnutrição, sede, fraqueza do rebanho. Um povo que não tem sede e fome pela a palavra da verdade (Jo 17.17), morre com uma barriga cheia de vento. Pregadores precisam estar comprometidos com as Escrituras, esse era o exemplo de Esdras (Esdras 7.10). Homens que conheçam e que sua vida demonstre essa realidade. A supremacia da Palavra de Deus deve levar pregadores, cristãos a fonte insaciável que é a Palavra de Deus.

Portanto, caso exista esses tipos de perigo, sombras tenebrosas ou características em sua vida, arrependa-se! Somente com a exposição fiel das Escrituras e oração uma reforma poderá acontecer, o verdadeiro avivamento que precede de arrependimento e confissão de pecados. Assim, teremos um crescimento saudável nas nossas igrejas. Caro leitor, não há reavivamento sem a restauração da autoridade da Palavra, não há alegria se não houver obediência, a alegria do Senhor virá quando o povo obedecer à Sua Palavra. Somente as Escrituras, pois ela é inspirada, inerrante, infalível e suficiente. Toda a Escritura! Você tem dedicado a sua vida para conhecer, viver e ensinar a Palavra de Deus?

"E Neemias, que era o governador, e Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas que ensinavam o povo, disseram a todo o povo: Este dia é consagrado ao Senhor vosso Deus; não pranteeis nem choreis. Pois todo o povo chorava, ouvindo as palavras da lei. Disse-lhes mais: Ide, comei as gorduras, e bebei as doçuras, e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque este dia é consagrado ao nosso Senhor. Portanto não vos entristeçais, pois a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.9-10.

A Deus toda Glória, Rm 11.36.

NOTAS:
[1]LOPES, Hernandes Dias. Neemias. São Paulo, SP: Hagnos, 2006. p. 137.
[2]FRESTON, Paul. Neemias: Um profissional a serviço do Reino, p.66.