1509725595914942

15 de set de 2014

Dar o melhor para Deus? Como assim?


Por Daniel Clós Cesar


Por muitos anos tenho ouvido a frase "dar o melhor para Deus". Recentemente comecei a pensar nessa frase e no seu significado, ou pelo menos, o significado dado pelos cristãos contemporâneos a esse ditado.

O termo não é bem um ditado, mas se tornou no meio evangélico acostumado em criar e aprimorar um vocabulário próprio. 

Ele é uma referência ao sacrifício oferecido pelos judeus no Antigo Testamento, e só por isso já demonstra um erro teológico grave na igreja cristã contemporânea. Aliado ao entendimento apresentado pelo evangelicalismo, torna-se bem próximo de uma heresia.
O entendimento geral do termo é que oferecer o melhor para Deus é oferecer nossos talentos naturais com excelência. Um esforço humano natural para atingir um objetivo que é espiritual.

Entendeu ou quer que eu desenhe? 

No entanto, toda vez que o homem busca atingir um objetivo espiritual com ferramentas naturais, o resultado é o fracasso. Mas então porque alguns usando ferramentas naturais alcançam tais objetivos? A questão é: eles não alcançam. Acontece que os evangélicos começaram a ver resultados naturais de talento e perseverança humana, como resultados espirituais de perseverança e talentos espirituais.
Um ministro de louvor é "louvado" pelo seu talento e técnica natural e isso é visto com resultado de uma dedicação ao chamado de Deus. A avaliação e a medida para qualificar o bom ministro são os shows, os cds gravados ou o público que gosta de ouvi-lo. Fazemos a mesma avaliação para definir no meio secular quem são os bons e os maus cantores. Usamos os mesmos parâmetros para medir nos dois casos, o espiritual e o secular, porque usamos os mesmos parâmetros para produzir esses falsos ídolos.
Um pastor não deveria ser medido pelo entusiasmo com que prega ou pelas revelações que vocifera em um púlpito, mas pelo tempo que dedica ao estudo da Palavra e o quão a sua pregação está comprometida com o texto bíblico. Mas os padrões espirituais não são usados para medi-lo, porque os padrões naturais é que foram usados para criar o tal pastor. No mais, precisamos rever o termo e sua colocação.
Primeiro, algumas perguntas, que deveriam ser respondidas por qualquer auto-proclamado cristão:
É possível o homem oferecer algo realmente bom a Deus? Seria o meu louvor de alguma validade se ele não tivesse sido gerado no próprio Deus? Minha pregação teria algum efeito se ela não fosse fruto da própria mente de Cristo? Minha oração, se não fosse o próprio desejo do Espirito Santo, chegaria aos céus?
Nós não podemos oferecer, nem precisamos oferecer, o melhor para Deus. O que temos oferecemos, sejam somente esses poucos pães e peixes, ou esse punhado de farinha e azeite... não é o melhor pão ou azeite, esse peixe pode ser pequeno e a farinha não ser da melhor qualidade, o despenseiro da Graça se encarrega de multiplicá-los independente de seu valor monetário... o cordeiro perfeito, o melhor cordeiro que Deus podia requisitar sobre o seu altar, Ele mesmo criou, Ele mesmo conduziu a Cruz, Ele mesmo imolou... e por fim, sem o auxílio de ninguém, Ele mesmo o ressuscitou.
De todas as obras que poderiam me salvar, as únicas com alguma validade, ou melhor, as únicas realmente necessárias, são aquelas que já foram cumpridas pelo Cordeiro na Cruz.
Soli Deo Gloria
________________

Daniel Clós Cesar, professor de História por formação acadêmica, desenhista nível super-básico por capricho da natureza e insistência, spurgeonista dos 5 pontos e casado com a primeira namorada graças a Graça da predestinação.