1509725595914942

17 de set de 2014

Quatro exortações preciosas



Por Thiago Oliveira

A tarefa que o jovem Timóteo deveria exercer não era das mais fáceis. Pastoreando uma igreja que ficava no grande centro comercial da Ásia, a cidade de Éfeso; tinha por missão exortar e corrigir pessoas que estavam promovendo o falso ensino e também aqueles que estavam se comportando mal. Na segunda carta de Paulo (o homem que o delegou para tal missão) à Timóteo, temos 4 exortações para aqueles que estão labutando pela causa do Evangelho, exercendo o ministério pastoral, uma tarefa paradoxalmente árdua e prazerosa.

1 - Guarda o Evangelho (1.14)

Quando Paulo exorta “Guarda o bom depósito pelo Espírito Santo que habita em nós.” Ele insta para que o seu discípulo conserve o Evangelho (o excelente depósito, segundo a versão de Erasmo) da corrupção, isto é, da distorção da sua mensagem. Escrevendo aos filipenses, o apóstolo dá uma tríplice advertência (Cuidado! Cuidado! Cuidado!) contra os hereges e sectários a quem chama de cães, perversos e falsa circuncisão (Fl 3.2).

Timóteo ao guardar o valor (inestimável) que lhe foi confiado, contava com o auxílio do próprio Espírito, que habita em todo o eleito de Deus. É uma felicidade saber que o socorro divino é constante. Saber que o Espírito Santo prontamente nos auxilia. Isso não nos exime da responsabilidade. Temos que servir ao Senhor diligentemente, guardando seus mandamentos, todavia, contar com a Sua ajuda é um privilégio que nos impele a louvá-lo por tamanha bondade para conosco.

2 - Sofre pelo Evangelho (2. 3,8 e 9)

Aqui temos uma recomendação que muitos não gostariam que estivesse na Bíblia. Mas está e cabe aos que querem viver semelhantemente a Cristo, o Senhor. O jargão “pare de sofrer” tão comum em alguns segmentos evangelicais, não coaduna com a teologia paulina, ou melhor dizendo, com a Palavra de Deus. Paulo diz ao seu filho na fé, que ele deve perseverar como um bom soldado (2.3). E a figura de um militar em campanha é muito boa para nos ilustrar que o sofrimento não é opcional e nem raro. Na guerra, o soldado não encontrará facilidades. Ele vai para a batalha sem nem saber se volta. Assim, são os discípulos de Cristo: Soldados expostos ao perigo.

Lembremos de Jesus (2.8), que descendendo de Davi, ressuscitou dentre os mortos. Aqui Paulo lembra a Timóteo o porquê que ele vem padecendo como um malfeitor (2.9). Ele sofre, à semelhança do seu Mestre, e também por manter pura a mensagem do Evangelho. É por Jesus, e pela Palavra, que o apóstolo conviveu com diversas intempéries durante a sua jornada. Novamente, citando sua fala aos filipenses, Paulo diz que pode todas as coisas naquele que o fortalece, a saber, o próprio Salvador (Fl 4.13). Este “poder” não é sinônimo de “conquistas”, e sim de “suportar”. Daí, temos que fazer uma pergunta a nós mesmos: “Estaria eu, disposto a suportar todo o tipo de dificuldade por amor ao Nazareno? Um soldado fiel não hesitaria em morrer pelo seu comandante.

3 - Persevera no Evangelho (3. 14-15)

Timóteo havia aprendido desde muito moço as Escrituras. Quando Paulo passa em Listra pela segunda vez, recebe dos irmãos daquela localidade agradáveis notícias acerca de um rapazinho letrado e apto para o ensino (At 16 1-3). Pois é exatamente neste ensino que ele deveria permanecer. Numa palavra anterior, Paulo afirma que muitos enganadores surgirão. Estes homens são maus e a sua impiedade é crescente. Todavia, mesmo que as heresias se proliferem, que os maus exemplos se tornem referência e que o que a Bíblia diz que é condenável seja venerado pelos homens de nosso tempo, nós, devemos, custe o que nos custar, permanecer fiéis ao ensino apostólico. A Palavra é nosso único parâmetro, ou pelo menos, deveria ser.

Paulo então acrescenta que a doutrina que Timóteo aprendeu, lhe foi confiada. Sendo então um ministro do Evangelho, a responsabilidade só aumenta. Todos aqueles que derem comida estragada as ovelhas do Senhor, terão que prestar contas com ele. Portanto, perseveremos. Termino este ponto com o seguinte versículo:

Como, pois, recebestes o Senhor Jesus Cristo, assim também andai nele (Cl 2:6).

4 - Proclama o evangelho (4.1-2)

O Evangelho precisa ser difundido. Para isto fomos chamados. O ministro tem a missão de pregar “em tempo e fora de tempo”. Esta urgência se dá, devido a ação de Satanás não parar. Ele anda em nosso derredor e está disposto a prejudicar o andamento da propagação do Reino de Cristo. Ele sofreu sucessivas derrotas, recebeu um golpe mais duro na cruz do calvário. Foi precipitado do céu e por isso é tão colérico contra a Igreja. Se descansarmos, seremos tragados facilmente. Por isso, sejamos constantes. Frequentes em anunciar a Salvação aos povos.

Nem Timóteo, nem nenhum outro ministro pode relaxar em seu serviço. O pastor precisa ser proativo em “redarguir, repreender e exortar”. Agora gostaria de lembra-los que esta não é apenas uma atribuição pastoral. Toda a Igreja precisa “em toda a sabedoria, ensinar e admoestar uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao Senhor com graça em vosso coração” (Cl 3:16).

Diante do que foi exposto, que o SENHOR nos ajude a cumprir o que nos foi proposto. Alegre-se n’Ele, pois:

“Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo.”

Filipenses 1:6

A Ele a glória, para sempre. Amém!
___________
Referências Bibliográficas
CALVINO, João. As Pastorais. São José dos Campos-SP: Editora Fiel.
KELLY, J.N.D. 1 e 2 Timóteo e Tito: Introdução e Comentário. São Paulo: Edições Vida Nova.