1509725595914942

5 de out de 2014

O Concílio Niceno e o Interesse de Constantino

Por Samuel Alves

As Realidades do Império: O Concílio de Nicéia (325)

O Concilio de Nicéia foi convocado tanto para estabelecer uma questão teológica quanto para servir de precedente para questões da igreja e do Estado. A sabedoria coletiva dos bispos foi consultada nos anos que se seguiram, quando questões espinhosas surgiram na igreja. Constantino deu início à prática de unir o império e a igreja no processo decisório. Muitas conseqüências perniciosas seriam colhidas nos séculos futuros dessa união.O Concílio de Nicéia apesar de discutir sobre ideia do significado da divindade de Jesus, não tinha o interesse apenas teológico, mas, político e ecumênico, vejamos a Afirmação de Mark Noll.[1]

No dia 20 de maio de 325, a igreja cristã entrou em uma nova era. Naquele dia, cerca de 230 bispos reuniram-se em Nicéia, na época uma grande cidade da Bitínia (agora a pequena cidade de Iznik, na Turquia). Aquela ocasião marcou o primeiro concílio “ecumênico” ou mundial da igreja.  O seu objetivo – discutir o significado da divindade de Jesus dizia respeito à própria essência da fé cristã. O que tornou o concílio um ponto de transição tão extraordinariamente importante foi não somente a questão doutrinária sob discussão, mas a maneira como as forças políticas e sociais combinaram-se com a questão teológica fundamental. A idéia de um concílio não partiu dos bispos. Antes, eles foram convocados pelo grande imperador romano, o próprio Constantino (c. 288-337). Após tal convocação e depois de tratar de tal assunto, a igreja nunca mais seria a mesma.

É importante ressaltar que na história da igreja cristã as heresias foram encaradas de frente, e deram a oportunidade para a igreja testar sua ortodoxia. A questão teológica tratada neste concílio era sobre a natureza de Cristo, Ário (250-c336), Bispo de Alexandria, trazia muitos problemas teológicos e a igreja teve que encarar e definir a doutrina da natureza do redentor. Como este Concílio foi convocado por Constantino, fica evidente que existem alguns interesses pessoais e políticos. Sabemos que a vitória de Constantino na Ponte Mílvia, foi muito importante para história do cristianismo e todo panorama da igreja foi mudado. Antes perseguida e (depois) com Constantino “livre”. Constantino não estava interessado em perseguir a igreja, mas, explorar seu potencial. Kenneth Curtis[2] observa bem o interesse de Constantino afirmando o seguinte:

Constantino, imediatamente, assumiu o interesse imperial pela igreja: restaurou suas propriedades, deu-lhe dinheiro, interveio na controvérsia donatista e convocou os concílios eclesiásticos de Arles e de Nicéia. Ele também fazia manobras para obter poder sobre Licínio, a quem finalmente depôs, em 324. Assim, a igreja passou de perseguida a privilegiada. Em um período de tempo surpreendentemente curto, suas perspectivas mudaram por completo. Depois de séculos como movimento contracultural, a igreja precisava aprender a lidar com o poder. Ela não fez todas as coisas de maneira correta. A própria presença dinâmica de Constantino modelou a igreja do século IV, modelo que ela adotou daí em diante. Ele era um mestre do poder e da política, e a igreja aprendeu a usar essas ferramentas.

A administração do Estado e dos negócios civis foi reunida com o governo da igreja e podia-se presenciar o espetáculo extraordinário de um imperador romano presidir os concílios da igreja e tomar parte nos debates. Em geral os cristãos não se ressentiam desta intrusão, pelo contrário consideravam-na como um auspicioso e feliz presságio, e em lugar de censurar o imperador pelo seu intrometimento, receberam-no como bispo dos bispos. O povo de Deus aceitou a proteção de um estado semi-pagão, e o cristianismo sofreu a maior degradação possível com a proteção de um potentado do mundo.

Efeitos da união entre a Igreja e o Estado

O efeito desastrado desta primeira união da igreja com o Estado fez-se sentir imediatamente. Levantaram-se contendas, e o imperador foi nomeado árbitro pelas partes contendoras. Mas logo que dava a sua decisão sobre a questão, esta continuava rejeitada com desprezo pela parte cujas razões eram desatendidas. Repetiu-se a mesma coisa uma vez e outra, até que o imperador se indignou, e recorreu a meios violentos para reforçar o seu poder. Isso provava até a evidência e inutilidade e a inconveniência daquela proteção a que os cristãos de tão boa vontade, mas tão cegamente se submeteram. Até então tinham os concílios da igreja sido compostos de bispos e presbíteros de uma província, mas durante o reinado de Constantino foram consagradas as assembléias, que o imperador podia reunir e dissolver à vontade! Chamavam-se concílios ecumênicos ou gerais, e tinham por fim a discussão das questões mais importantes da igreja. As décadas seguintes viram as constantes ingerências de Constantino e dos seus filhos nos assuntos internos da igreja, seja para resolver as divergências resultantes da formulação de Nicéia, seja para sanar cismas, rivalidades pessoais e outras questões. A igreja iniciou a prática de recorrer às autoridades civis para impor as suas decisões e aplicar penalidades aos insubmissos. Por diferentes razões, Atanásio, o bispo de Alexandria (328-373) e defensor intransigente da ortodoxia nicena, foi exilado cinco vezes por Constantino e seus sucessores. A transferência da capital de Roma para Constantinopla (330), entre outros fatores, levou a uma diferente concepção das relações entre a igreja e o Estado na região oriental, em comparação com o ocidente. No Império Romano Oriental, mais tarde o Império Bizantino, e conseqüentemente na Igreja Ortodoxa, a teoria e prática predominante veio a ser o cesaropapismo, isto é, a suprema autoridade exercida pelo governante secular sobre a igreja, mesmo em questões doutrinárias.

Conclusão

A política eclesiástica de Constantino consistia em tornar a Igreja no “cimento do império”.[3] Por isso e também porque ele não podia ver a importância das sutilezas que os teólogos debatiam, ele facilmente perdia sua paciência e reagia contra aqueles que mostravam uma atitude firme com relação às suas próprias posições teológicas. Foi por essa razão que, após o Concilio de Nicéia, ele exilou Ário e todos aqueles que se recusaram a assinar o Credo Niceno. Pela mesma razão, Eusébio de Nicomédia foi mandado para o exílio alguns meses depois. Ao se desembaraçar destes elementos extremos, Constantino esperava solidificar a paz que ele acreditava ter se estabelecido pelo Concilio de Nicéia. Ficou evidente o problema da igreja vinculada ao Estado, pois muitas decisões eram questionadas, o grande problema é que a conversão de Constantino foi uma grande incógnita, e seus interesses na igreja institucionalizada eram políticos. É claro que Deus em sua soberania estava governando todas as coisas.  Com Constantino a igreja perde sua identidade peregrina, está interessada em questões micro. É claro que um mundo que sofre influência da igreja tem algumas coisas boas, mas, Um mundo em que o imperador podia tomar a decisão crítica de resolver uma grande crise doutrinária era um mundo em que as preocupações legítimas do imperador quanto à ordem, sucesso, riqueza e estabilidade temporais virtualmente haveriam de tornar-se preocupações também para  a igreja. A distinção entre a igreja e o mundo que a cristologia nicena preservou foi, na realidade, comprometida pelos próprios acontecimentos que conduziram à declaração de Nicéia. Neste sentido, Nicéia deixou para a posteridade um duplo legado, fidelidade mais intensa às grandiosas verdades salvadoras da revelação e também uma crescente associação entre a igreja e o mundo.
_________________
Notas: 

[1] NOLL, Mark A. Momentos decisivos na história do cristianismo. Trad. Alderi S. Matos. São Paulo: Cultura Cristã, 2000, p.52
[2] CURTIS, A. Kenneth - Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo: do incêndio de Roma ao crescimento da igreja na China / A. Kenneth Curtis, J. Stephen Lang e Randy Petersen ; tradução Emirson Justino — São Paulo: Editora Vida, 2003.
[3] GONZÁLEZ, Justo L. Uma história ilustrada do cristianismo. 10 vols. São Paulo: Vida Nova, 1980-1995.p.266
______________
Referências:
CAIRNS, Earle E. O cristianismo através dos séculos: uma história da igreja cristã. 2ª ed. São Paulo: Vida Nova, 1988.
GONZÁLEZ, Justo L. Uma história ilustrada do cristianismo. 10 vols. São Paulo: Vida Nova, 1980-1995.
NOLL, Mark A. Momentos decisivos na história do cristianismo. Trad. Alderi S. Matos. São Paulo: Cultura Cristã, 2000.